O KDE é dos pro­jec­tos open sour­ce mais an­ti­gos. Va­mos dar a co­nhe­cer um pou­co do que foi e que é o KDE em 2019.

O KDE é dos pro­jec­tos open sour­ce mais an­ti­gos des­de o iní­cio do Linux e tem de­mons­tra­do ser mui­to mais que um am­bi­en­te grá­fi­co. Va­mos dar a co­nhe­cer um pou­co do que foi, e que é, o KDE em 2019.

PC Guia - - ÍNDICE -

KOOL DESK­TOP ENVIRONMEN­T

Quan­do se fa­la­va em KDE em 1996, fa­la­va-se em Kool Desk­top Environmen­t e do iní­cio de um pro­jec­to de Matthi­as Et­tri­ch, que o de­sen­vol­veu com ba­se em Qt e C++, cu­jo fo­co es­ta­va no uti­li­za­dor fi­nal. O no­me ‘KDE’, era um tro­ca­di­lho com CDE (Com­mon Desk­top Environmen­t), am­bi­en­te es­te de có­di­go pro­pri­e­tá­rio, do The Open Group. Es­te pro­jec­to open sour­ce, e o em­pe­nho de quin­ze pro­gra­ma­do­res na al­tu­ra, fez de 1998 um ano im­por­tan­te: mar­cou o iní­cio do pri­mei­ro lan­ça­men­to es­tá­vel do KDE 1, ain­da com uma es­tru­tu­ra mui­to em de­sen­vol­vi­men­to, mas já com um pré-lan­ça­men­to da sui­te de pro­du­ti­vi­da­de, o Kof­fi­ce, que, ape­sar de ter si­do des­con­ti­nu­a­da em 2011, foi usa­da co­mo ba­se pa­ra a ac­tu­al Cal­li­gra Sui­te.

KONQI THE KONQUEROR

O no­me Konqi es­tá re­la­ci­o­na­do com a mas­co­te do KDE, um dra­gão ci­ber­né­ti­co que apa­re­ceu em 1999 co­mo no­vo as­sis­ten­te pa­ra o Cen­tro de Ajuda do KDE, mu­dan­do de vi­su­al em 2012, ima­gem que se man­tém até ho­je. Mais tar­de, foi acres­cen­ta­do o no­me à mas­co­te ‘Konqi The Konqueror’, de­vi­do ao brow­ser-pa­drão Konqueror que ain­da ho­je é ins­ta­la­do nos pa­co­tes pa­drão do KDE. A história cri­a­da a vol­ta des­te, e de ou­tros dra­gões, mos­tra o pro­gres­so do KDE, sen­do o Konqi o dra­gão prin­ci­pal, re­pre­sen­ta­ti­vo da co­mu­ni­da­de KDE; há um ou­tro dra­gão cha­ma­do ‘Ka­tie’, re­pre­sen­ta­ti­vo da co­mu­ni­da­de KDE fe­mi­ni­na. Es­ta união e cres­ci­men­to da co­mu­ni­da­de foi tão im­por­tan­te, que em 2009, os ter­mos ‘KDE Pro­ject’ ou ‘K Desk­top Environmen­t’, fo­ram subs­ti­tui­dos por ‘KDE Com­mu­nity’, ou se­ja, o KDE dei­xou de es­tar ape­nas e só as­so­ci­a­do a um pro­jec­to ou a ape­nas um am­bi­en­te grá­fi­co, mas sim à co­mu­ni­da­de de­di­ca­da que o apoia, ofe­re­cen­do não só um am­bi­en­te grá­fi­co avançado, o KDE, co­mo uma am­pla va­ri­e­da­de de apli­ca­ções pa­ra co­mu­ni­ca­ção, tra­ba­lho, edu­ca­ção e en­tre­te­ni­men­to e uma pla­ta­for­ma pa­ra cri­ar no­vas apli­ca­ções fa­cil­men­te.

KDE PLASMA

O lan­ça­men­to do am­bi­en­te grá­fi­co KDE 4, em 2008, foi um mar­co re­vo­lu­ci­o­ná­rio, em ter­mos vi­su­ais, de usa­bi­li­da­de e con­ver­gên­cia, pois foi in­cluí­do pe­la pri­mei­ra vez a no­va in­ter­fa­ce cha­ma­da de Plasma, pre­pa­ra­da pa­ra vá­ri­os equi­pa­men­tos. Tan­to é as­sim, que já en­con­trá­mos KDE Plasma em smartpho­nes, tablets, por­tá­teis e o Ki­ri­ga­mi UI que é uma fra­mework que per­mi­te de­sen­vol­ver apli­ca­ções con­ver­gen­tes pa­ra es­se efei­to. Ac­tu­al­men­te, o KDE Plasma já es­tá na ver­são 5 e a ca­da no­va ac­tu­a­li­za­ção são vis­tas me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas e que dão con­fi­an­ça e se­gu­ran­ça aos uti­li­za­do­res, que que­rem subs­ti­tuir o An­droid nos seus dis­po­si­ti­vos mó­veis ou em am­bi­en­te grá­fi­co num com­pu­ta­dor.

VAN­TA­GENS DE USAR KDE

Ape­sar de con­su­mir mui­tos re­cur­sos do sis­te­ma, a sua har­mo­nia faz de­le uma óp­ti­ma es­co­lha, mes­mo pa­ra hardware mais mo­des­to. O seu as­pec­to no ge­ral é mui­to se­me­lhan­te ao Windows 10, o que o tor­na fa­mi­li­ar pa­ra no­vos uti­li­za­do­res. É pos­sí­vel mol­dá-lo ao nos­so gos­to, o que po­de ser con­fu­so e uma per­da de tem­po pa­ra al­guns uti­li­za­do­res, com tan­tas op­ções dis­po­ní­veis co­mo al­te­rar o as­pec­to e com­por­ta­men­to das ja­ne­las, con­fi­gu­rar áre­as de tra­ba­lho vir­tu­ais dis­tin­tas, adi­ci­o­nar wid­gets, al­te­rar íco­nes, pon­tei­ro do ra­to, cri­ar te­clas de atalho, mu­dar o as­pec­to ini­ci­al do lo­gin, etc, mas is­to faz de­le al­ta­men­te cus­to­mi­zá­vel e um dos pon­tos mais for­tes que ofe­re­ce. As apli­ca­ções de­sen­vol­vi­das pe­lo KDE, e pa­ra o KDE, são ro­bus­tas e fa­zem bom uso dos re­cur­sos do sis­te­ma: o Spec­ta­cle é uma poderosa fer­ra­men­ta pa­ra scre­enshots que con­si­de­ro a mais com­ple­ta pa­ra Linux; o Kri­ta foi de­sen­vol­vi­do pa­ra cri­a­ção de ilus­tra­ções e tam­bém ser­ve pa­ra edi­tar fo­to­gra­fi­as; o KDEn­li­ve é um dos melhores edi­to­res de ví­deo pa­ra Linux; o Di­gi­kam or­ga­ni­za fotos di­gi­tais com re­cur­so a eti­que­tas e tem vá­ri­as op­ções que fa­zem de­le um dos melhores, se­não o me­lhor pro­gra­ma do género pa­ra Linux; o KDE Par­ti­ti­on Ma­na­ger per­mi­te ge­rir dis­cos, par­ti­ções e sis­te­mas de ficheiros de for­ma sim­ples; o Akre­ga­tor é um lei­tor de fe­eds de no­ti­ci­as que uso e pa­ra mim é o mais prá­ti­co. Es­tas e ou­tras apli­ca­ções não se des­ti­nam ape­nas ao KDE e po­dem ser ins­ta­la­das nou­tros am­bi­en­tes gráficos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.