A Un­ba­bel é uma star­tup por­tu­gue­sa que oferece uma pla­ta­for­ma que com­bi­na tra­du­ção au­to­má­ti­ca e hu­ma­na.

NO­ME DA EM­PRE­SA: UN­BA­BEL QU­AN­DO FOI CRI­A­DA: 2013 FUNDADORES: VAS­CO PE­DRO, JOÃO GRA­ÇA, BRU­NO SIL­VA, HU­GO SIL­VA, SOFIA PESSANHA MIS­SÃO: AJU­DAR NA CRI­A­ÇÃO DE UMA IN­TER­NET MAIS IN­CLU­SI­VA, ON­DE O CON­TEÚ­DO ES­TÁ DIS­PO­NÍ­VEL EM TO­DAS AS LÍN­GUAS SI­TE: UN­BA­BEL.COM

PC Guia - - ÍNDICE -

A Un­ba­bel foi cri­a­da em 2013 e «co­me­çou nu­ma vi­a­gem de surf a Al­je­zur», dis­se à PCGuia, Vas­co Pe­dro (na fo­to, em bai­xo), co-fun­da­dor e CEO da star­tup. O res­pon­sá­vel ex­pli­cou que é dou­tou­ra­do nu­ma área re­la­ci­o­na­da com a lin­gua­gem, as­sim co­mo o ac­tu­al

CTO e co-fun­da­dor João Gra­ça, e que a ideia sur­giu em con­ver­sa: «Du­ran­te es­sa vi­a­gem fa­lá­mos so­bre co­mo a tra­du­ção au­to­má­ti­ca ain­da não ti­nha si­do ca­paz de re­sol­ver, de for­ma con­fiá­vel, ques­tões bá­si­cas da co­mu­ni­ca­ção en­tre pes­so­as. Du­ran­te o Ve­rão fi­ze­mos pro­tó­ti­pos de al­gu­mas so­lu­ções e co­me­çá­mos a cons­truir o pro­du­to que é a Un­ba­bel ho­je». Vas­co Pe­dro sa­li­en­tou que o ob­jec­ti­vo da star­tup por­tu­gue­sa é «fa­zer par­te da cri­a­ção de uma in­ter­net mais in­clu­si­va, on­de to­do o con­teú­do es­tá dis­po­ní­vel a to­dos, in­de­pen­den­te­men­te da sua lín­gua na­ti­va». Além dis­so, a ideia é ofe­re­cer «às em­pre­sas e aos seus cli­en­tes a ca­pa­ci­da­de de se com­pre­en­de­rem mu­tu­a­men­te» atra­vés da com­bi­na­ção da ex­pe­ri­ên­cia hu­ma­na com a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al (IA) dis­po­ni­bi­li­zan­do uma pla­ta­for­ma que «com­bi­na tra­du­ção au­to­má­ti­ca que é com­ple­men­ta­da pe­la pós-edi­ção hu­ma­na».

INOVAR NA TRA­DU­ÇÃO

«A Un­ba­bel tem pau­ta­do a sua ac­tu­a­ção por uma pro­cu­ra in­ten­si­va de so­lu­ções ino­va­do­ras sus­cep­tí­veis de res­pon­de­rem aos de­sa­fi­os do sec­tor da tra­du­ção e às ne­ces­si­da­des dos seus cli­en­tes num mer­ca­do ex­tre­ma­men­te di­nâ­mi­co», es­cla­re­ceu. Fer­ra­men­tas de «tra­du­ção gra­tui­tas de pou­ca con­fi­an­ça» e «tra­du­ção hu­ma­na pro­fis­si­o­nal que não é ca­paz dar res­pos­ta à ve­lo­ci­da­de exi­gi­da pe­las em­pre­sas e com cus­tos ele­va­dos», fo­ram os de­sa­fi­os en­con­tra­dos pe­los fundadores da star­tup. Se­gun­do Vas­co Pe­dro, é aqui que Un­ba­bel se di­fe­ren­cia. A em­pre­sa oferece uma so­lu­ção que, gra­ças à co­la­bo­ra­ção ho­mem-má­qui­na «au­men­ta a ve­lo­ci­da­de de entrega de tra­ba­lho, a um cus­to bas­tan­te menor e sem com­pro­me­ter a res­pec­ti­va qua­li­da­de». O em­pre­en­de­dor sa­li­en­tou ain­da que es­ta fer­ra­men­ta é «ino­va­do­ra» e que «re­pre­sen­ta uma dis­rup­ção, tan­to em ma­té­ria da in­dús­tria de tra­du­ção tra­di­ci­o­nal, co­mo em res­pos­tas que re­cor­rem ape­nas à tra­du­ção au­to­má­ti­ca co­mo o Go­o­gle Trans­la­te».

CRES­CER EM NO­VOS MER­CA­DOS

A Un­ba­bel dis­po­ni­bi­li­za o ser­vi­ço em 29 lín­guas, con­ta com mais de cem mil tra­du­to­res e es­tá pre­sen­te nos EUA e na Eu­ro­pa. Os Es­ta­dos Uni­dos são, cla­ra­men­te, uma apos­ta pa­ra a star­tup por­tu­gue­sa que abriu no pas­sa­do mês de Abril um es­cri­tó­rio em São Fran­cis­co. «O no­vo es­cri­tó­rio ser­ve pa­ra a es­tar­mos mais pró­xi­mos de cli­en­tes co­mo o Fa­ce­bo­ok, a Un­der Ar­mour, a Microsoft e a Lo­gi­te­ch», dis­se o CEO, que es­cla­re­ceu ain­da que «não há na­da me­lhor do que es­tar no ter­re­no nu­ma ci­da­de que é um gran­de po­lo de ta­len­to téc­ni­co e de ino­va­ção». Qu­an­to ao fu­tu­ro, a Un­ba­bel prepara-se pa­ra lan­çar um no­vo pro­du­to de «le­gen­da­gem de vídeos cur­tos» que es­tá ago­ra «em ver­são early ac­cess pa­ra al­gu­mas em­pre­sas», re­ve­lou Vas­co Pe­dro. Já do pon­to de vis­ta das ven­das, a área de apoio ao cli­en­te re­pre­sen­ta «80% do ne­gó­cio» da star­tup mas a ideia é di­ver­si­fi­car e in­ves­tir nas «áre­as de vi­a­gens, ga­ming e big te­ch». E já pa­ra o ano, em 2020, «o ob­jec­ti­vo é che­gar à Ásia» e «em 2023, a me­ta é a en­tra­da em bol­sa», acres­cen­tou o res­pon­sá­vel da Un­ba­bel.

A star­tup por­tu­gue­sa oferece uma pla­ta­for­ma que com­bi­na tra­du­ção au­to­má­ti­ca e hu­ma­na. A Un­ba­bel quer aju­dar a tor­nar os con­teú­dos aces­sí­veis em to­das as lín­guas. A Un­ba­bel foi re­cen­te­men­te elei­ta a ter­cei­ra me­lhor star­tup da Eu­ro­pa na com­pe­ti­ção Te­ch5.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.