Al­gu­mas es­pé­ci­es fo­ram in­tro­du­zi­das pe­lo ho­mem, ou­tras aca­ba­ram por des­co­brir es­ta im­por­tan­te zo­na hú­mi­da

Publico - Fugas - - HOLANDA -

Mar­ga Klei­nen­berg é ges­to­ra de pro­jec­tos e guia tu­ris­tas por Al­me­re, in­di­can­do-lhes al­guns dos exem­plos mais notáveis do ar­ro­jo ar­qui­tec­tó­ni­co que di­fe­ren­tes pro­fis­si­o­nais lan­ça­ram so­bre o pla­no ge­ral e ur­ba­ni­za­ção con­ce­bi­do por Rem Ko­o­lha­as e Flo­ris Al­ke­ma­de, que es­ti­ve­ram à fren­te de uma equi­pa de 12 pes­so­as res­pon­sá­veis pe­lo mas­ter­plan de Al­me­re. Aqui “a ar­qui­tec­tu­ra é uma com­bi­na­ção dos anos 1980 e 90 com edi­fí­ci­os mui­to mo­der­nos”, sin­te­ti­za. “A ci­da­de apre­sen­ta-se co­mo um exem­plo glo­bal de ar­qui­tec­tu­ra mo­der­na”, se­ja atra­vés de edi­fí­ci­os pú­bli­cos ou pri­va­dos, de ha­bi­ta­ção, co­mér­cio ou ser­vi­ços, pra­ças pú­bli­cas ou in­fra-es­tru­tu­ras vi­tais pa­ra uma ci­da­de des­ta di­men­são, sa­li­en­ta. “Al­me­re apren­deu com os er­ros e as bo­as prá­ti­cas do res­to do país. Há mui­ta gen­te que aca­ba por não gos­tar do re­sul­ta­do. Di­zem que aca­ba por não ter aque­le as­pec­to aco­lhe­dor das ca­sas an­ti­gas e pra­ças his­tó­ri­cas de Ames­ter­dão, Har­le­em ou Utre­cht, por exem­plo.” Ele­ge co­mo fa­vo­ri­tos o edi­fí­cio The Wa­ve e o da bi­bli­o­te­ca mu­ni­ci­pal. Mas co­mo su­ges­tão aos tu­ris­tas alar­ga a es­co­lha ao por­to de Al­me­re, ao Ho­me­rus­quar­ter, ao Filmwijk e a Flo­ri­a­de — es­ta úl­ti­ma se­rá pal­co de uma ex­po­si­ção mun­di­al de co­mi­da e agri­cul­tu­ra em 2022, mas já tem for­ma e con­teú­do su­fi­ci­en­te pa­ra ser vi­si­ta­da. O edi­fí­cio mais des­va­lo­ri­za­do se­rá o te­a­tro lo­cal. “Pen­so que é um edi­fí­cio bo­ni­to, mas a mai­o­ria dos ha­bi­tan­tes de Al­me­re não gos­ta de­le. Tem li­nhas pen­sa­das, agu­das, com pers­pec­ti­vas de enor­me be­le­za, um pou­co cu­bis­ta, trans­pa­ren­te, nu­ma óp­ti­ma lo­ca­li­za­ção, per­to da água. Te­nho pe­na que a mai­o­ria não par­ti­lhe des­ta opi­nião”, afir­ma.

Al­me­re é as­sim, “ou­sa­da, ex­cên­tri­ca, es­tra­nha e des­te­mi­da”, acres­cen­ta. “É pre­ci­so ter mui­ta co­ra­gem pa­ra se apre­sen­tar co­mo exem­plo ao res­to do país”, jus­ti­fi­ca. “Tam­bém é per­se­ve­ran­te, te­ve de lutar e con­ti­nua a com­ba­ter uma ima­gem de feia, abor­re­ci­da e me­ra for­ne­ce­do­ra de ha­bi­ta­ção pa­ra fa­mí­li­as jo­vens. É uma ima­gem cri­a­da mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por quem nun­ca vi­si­tou Al­me­re. E a es­ses eu di­go: ve­nham ver com os pró­pri­os olhos. Ou en­tão ca­lem-se.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.