Ma­ra Gonçalves

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Com­ple­tou 60 anos há du­as se­ma­nas e ce­le­brou-os co­mo mais gos­ta: me­sas far­tas de pe­tis­cos e a ca­sa re­che­a­da de ami­gos. A gas­tro­no­mia é pa­ra Adri­a­na Frei­re uma pai­xão de cri­an­ça — e é ne­la que o per­cur­so pro­fis­si­o­nal tem tan­tas ve­zes de­sem­bo­ca­do. Na fo­to­gra­fia, na edi­ção de li­vros, na cri­a­ção da Co­zi­nha Po­pu­lar da Mou­ra­ria ou, mais re­cen­te­men­te, na lu­ta por uma ci­da­de que se­ja ca­paz de se ali­men­tar a si pró­pria. Diz ter co­me­ça­do a co­zi­nhar aos oi­to anos: fa­zia “bo­los em ta­chi­nhos pa­ra os bap­ti­za­dos das bo­ne­cas”. Mas é a co­mu­nhão in­tré­pi­da à me­sa, que in­ve­ja­va nas fa­mí­li­as gran­des dos ami­gos de in­fân­cia, que a atrai des­de sem­pre no mun­do da co­mi­da. O am­bi­en­te de fes­ta, o ba­ru­lho, a con­fu­são. A par­ti­lha. Ain­da que ul­ti­ma­men­te mal te­nha tem­po pa­ra co­mer em ca­sa ou pre­pa­rar jan­ta­ra­das, a des­pen­sa man­tém-se re­che­a­da. “Dá-me um cer­to con­for­to, acho que me equi­li­bra um bo­ca­di­nho.”

É no ter­ra­ço da Co­zi­nha Po­pu­lar da Mou­ra­ria que nos en­con­tra­mos com Adri­a­na, ao iní­cio da tar­de. En­tre re­fei­ções, a ca­sa pa­re­ce ago­ra ador­me­ci­da nu­ma pe­num­bra quen­te e si­len­ci­o­sa, mas foi aque­le ve­lho pra­zer de

“ter mui­ta gen­te à me­sa” que es­te­ve na ori­gem do pro­jec­to so­ci­al, em 2012. A gas­tro­no­mia, acres­cen­ta, es­tá tam­bém “mui­to li­ga­da às me­mó­ri­as e aos afec­tos”, por­me­nor “trans­ver­sal a to­das as cul­tu­ras e lín­guas”. E Adri­a­na que­ria ter uma ca­sa cheia que aju­das­se a dar ru­mo à di­ver­si­da­de do bair­ro que a aco­lheu há mais de 30 anos: os his­tó­ri­cos da Mou­ra­ria e as no­vas co­mu­ni­da­des emi­gran­tes, os velhos e os no­vos, os po­bres e os ri­cos. “Já ti­ve­mos si­tu­a­ções in­crí­veis em que as pes­so­as mais im­pro­vá­veis de se apro­xi­ma­rem aca­ba­ram a ex­pe­ri­men­tar os pra­tos uns dos ou­tros”, con­ta. “Há mai­or pra­zer do que pro­vo­car is­so?”

Ao fim de cin­co anos e meio, o pro­jec­to con­ti­nua a cres­cer. “Es­tou cá pa­ra man­ter a al­ma, mas te­mos de ser ca­da vez mais pro­fis­si­o­nais e evo­luir na ver­ten­te de ne­gó­cio.” Re­co­nhe­ce que só as­sim con­se­gui­rão “agre­gar mais pes­so­as nes­ta fa­mí­lia”. Gen­te do bair­ro que quer lan­çar-se no sec­tor e pre­ci­sa de uma mão. E gen­te de fo­ra que, ao vir jan­tar, “con­tri­bui pa­ra que se­ja pos­sí­vel mu­dar a vi­da de ou­tros”. A Co­zi­nha Po­pu­lar da Mou­ra­ria não é bem um res­tau­ran­te nem um “pro­jec­to de ca­ri­da­de”. É mais do que is­so. “Que­re­mos mu­dar a vi­da às pes­so­as, mas en­si­nan­do-as e pu­xan­do-as pa­ra aqui.” Ape­sar de “não ser fá­cil”, a as­so­ci­a­ção não dá si­nais de abran­dar. De­pois do quiosque, das hor­tas e das fru­tas, pre­pa­ra-se pa­ra abrir uma es­co­la e plan­tar uma ci­da­de.

Pa­vor ao té­dio

Adri­a­na é as­sim mes­mo: nun­ca con­se­gue pa­rar qui­e­ta mui­to tem­po. Há sem­pre mais uma ideia, um pro­jec­to, um de­sa­fio, uma ar­te a que ati­rar as mãos e ex­pe­ri­men­tar. Nas Cal­das da Rai­nha, on­de nas­ceu, o Mu­seu Jo­sé Ma­lhoa foi co­mo uma se­gun­da ca­sa. Em Tor­res Vedras, pa­ra on­de se mu­dou com a fa­mí­lia aos 12 anos, des­co­bre o ci­ne­ma e a fo­to­gra­fia. En­tre­tan­to, dá-se o 25 de Abril e as au­las tor­nam-se in­sig­ni­fi­can­tes perante a re­vo­lu­ção. De re­pen­te, ha­via uma con­vul­são de no­vas pos­si­bi­li­da­des cul­tu­rais pa­ra or­ga­ni­zar na as­so­ci­a­ção de es­tu­dan­tes. Fi­cou “da­na­di­nha” por vir pa­ra Lis­boa. “Sou­be que ha­via um exa­me de ad­mis­são à [es­co­la] An­tó­nio Ar­roio e foi as­sim que vim mais de­pres­sa”, re­cor­da. Ain­da foi pro­fes­so­ra de Edu­ca­ção Vi­su­al du­ran­te al­guns anos, até a atrac­ção pe­la ca­pi­tal vol­tar a ata­car no au­ge dos anos 1980. Es­ta­va no­va­men­te “tu­do a acon­te­cer em Lis­boa” e ela sen­tia-se “fo­ra do pro­ces­so”.

“Com a ida­de uma pes­soa vai pen­san­do um bo­ca­di­nho na­qui­lo que é e che­guei à con­clu­são que te­nho um pa­vor imen­so ao té­dio e à nor­ma­li­da­de”, diz. Na­da lhe dá mais “pi­ca” do que “co­me­çar al­gu­ma coi­sa do ze­ro”. En­che inú­me­ros “ca­der­ni­nhos” de idei­as e so­nhos que de­pois aca­ba qua­se sem­pre por per­der, es­que­ci­da do lu­gar on­de os guar­da, diz, a rir.

Mas mui­tos pla­nos fi­cam por ali a re­mo­er, a pai­rar num fu­tu­ro que nun­ca che­ga pa­ra tan­ta coi­sa.

É as­sim que, aos 30, Adri­a­na regressa a Lis­boa pa­ra se rein­ven­tar co­mo fo­tó­gra­fa, re­cu­pe­ran­do a pai­xão da ado­les­cên­cia. Ti­nha “uns ami­gos que co­nhe­ci­am o Ál­va­ro Ro­sen­do”, da Ga­le­ria Mo­nu­men­tal, e ela foi ofe­re­cer-se pa­ra ser as­sis­ten­te de­le, re­cor­da. Anos mais tar­de, já na re­vis­ta Ma­rie Clai­re, pu­bli­ca as primeiras fo­to­gra­fi­as de gas­tro­no­mia — e os pri­mei­ros tex­tos, ain­da com o pseu­dó­ni­mo Cla­ra Cas­te­lo. “Ti­nha a ma­nia que sa­bia um bo­ca­di­nho [da área] por­que ti­nha os li­vros da Ma­ria de Lour­des Mo­des­to e do Pan­ta­gru­el, que eram as mi­nhas bí­bli­as”, ri-se. Mas ti­nha “ver­go­nha” de as­si­nar os tex­tos por­que “sa­bia o que era es­cre­ver”. Pou­co de­pois, nas­ce a von­ta­de de fa­zer li­vros de co­zi­nha. An­dou “a cha­te­ar” o Gon­ça­lo Bu­lho­sa, da Ofi­ci­na do Li­vro, até que veio o con­vi­te: fa­zer a fo­to­gra­fia e a edi­ção d’A Mi­nha Co­zi­nha, de He­le­na Sa­ca­du­ra Ca­bral. De­pois os li­vros de João Car­los Sil­va, do pro­gra­ma Na Ro­ça com os Ta­chos. “Ca­da li­vro era um de­sa­fio e di­ver­tia-me imen­so.” Foi por mui­to pou­co que não lan­çou uma edi­to­ra es­pe­ci­a­li­za­da em gas­tro­no­mia. Ho­je qua­se dei­xou de com­prá-los. “Já não aguen­to, to­da a gen­te pu­bli­cou um.”

Ac­tu­al­men­te já não fo­to­gra­fa. To­da a ener­gia es­tá alo­ca­da na as­so­ci­a­ção. “O meu tra­ba­lho é a mi­nha vi­da”, diz pa­ra jus­ti­fi­car um per­cur­so sem in­ter­rup­to­res que in­ter­ca­lem o la­do pes­so­al e o pro­fis­si­o­nal. No rés-do-chão que já se adi­vi­nha en­tre as obras do ou­tro la­do da rua, Adri­a­na quer abrir uma es­co­la. Mais ce­do ou mais tar­de, era aí que o pro­jec­to da Co­zi­nha Po­pu­lar da Mou­ra­ria te­ria de aca­bar por­que, acre­di­ta, “só a edu­ca­ção mu­da o mun­do”. Quer dis­po­ni­bi­li­zar cursos pa­ra graú­dos, pa­ra con­ti­nu­ar a dar opor­tu­ni­da­de a quem quer se­guir co­zi­nha e não tem mei­os pa­ra is­so, mas pen­sa ca­da vez mais nas cri­an­ças. É com elas que mais quer tra­ba­lhar. “Ve­jo-as no Jar­dim da Cer­ca da Gra­ça a jo­gar à bo­la com la­ran­jas ain­da ver­des. Quan­do plan­ta­rem uma ár­vo­re e vi­rem o tem­po que le­va a cres­cer e a dar a pri­mei­ra la­ran­ja, não vão olhá-la da mes­ma ma­nei­ra.”

É lá fo­ra, en­tre os fru­tos e as hor­tas da ci­da­de, que se tri­lha ul­ti­ma­men­te a mo­ti­va­ção de Adri­a­na. “Acho que o meu pa­pel ago­ra é con­quis­tar ter­ri­tó­rio.” É es­sa a sua pró­xi­ma lu­ta: “trans­for­mar Lis­boa nu­ma ci­da­de co­mes­tí­vel”. A ini­ci­a­ti­va Mui­ta Fru­ta — que co­lhe e trans­for­ma os fru­tos das ár­vo­res da ci­da­de — é o pri­mei­ro pas­so. Mas Adri­a­na quer que se apos­te na agri­cul­tu­ra urbana e se re­pen­sem os es­pa­ços pú­bli­cos. No fun­do, diz, quer trans­for­mar “as ci­da­des em ca­sas”. Em es­pa­ços de que as pes­so­as pos­sam apro­pri­ar-se e sen­tir co­mo seus. É o que quer dei­xar co­mo le­ga­do. “Acho que te­nho de dei­xar al­gu­ma coi­sa fei­ta, por mui­to pou­co que se­ja. Acho que de­ve­mos acres­cen­tar al­gu­ma coi­sa pa­ra os ou­tros usu­fruí­rem a se­guir.” Nem que se­ja uma me­sa re­ple­ta de igua­ri­as com al­ma e es­pe­ran­ça num fu­tu­ro di­fe­ren­te. Ou um jar­dim que se po­de fruir e co­mer.

FOTOS: RITA RO­DRI­GUES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.