Ma­ria Jo­sé San­ta­na

Publico - Fugas - - ESPAÇO CRIATIVO BISCOITO -

O nap­pe­ron que de­co­ra a me­sa re­don­da é ape­nas o to­que fi­nal. Do abat-jour plan­ta­do num dos can­tos da sa­la até ao mó­vel guar­da-lou­ça, pas­san­do pe­las ca­dei­ras e pe­lo so­fá de cou­ro, tu­do ali nos trans­por­ta pa­ra uma ou­tra épo­ca. Tal­vez até pa­ra um es­pa­ço em par­ti­cu­lar: a ca­sa das nos­sas avós. E não é só pe­la de­co­ra­ção que o Es­pa­ço Cri­a­ti­vo Bis­coi­to quer le­var os seus cli­en­tes a vi­a­jar até às sa­las de an­ti­ga­men­te. Aqui, tu­do é ca­sei­ro. “E fei­to com mui­to amor”, acres­cen­ta Li­li­a­na Ca­chim, pro­pri­e­tá­ria do es­pa­ço, jun­ta­men­te com o seu ma­ri­do, Bru­no Ri­bei­ro. Si­tu­a­do no bair­ro tí­pi­co da Bei­ra Mar, bem no cen­tro de Avei­ro, o Cri­a­ti­vo Bis­coi­to nas­ceu do “ca­sa­men­to” dos so­nhos de Li­li­a­na e Bru­no.

Ela, pro­fis­si­o­nal de mar­ke­ting e blog­ger, an­da­va à pro­cu­ra de um es­pa­ço pa­ra fa­zer for­ma­ção na área da ali­men­ta­ção sau­dá­vel. “En­con­trei es­te es­pa­ço e foi amor à pri­mei­ra vis­com ta”, re­cor­da Li­li­a­na Ca­chim que, ao aper­ce­ber-se que aque­le rés-do-chão da Rua D. Jor­ge Len­cas­tre ti­nha “du­as sa­las e du­as por­tas de en­tra­da in­de­pen­den­tes”, de­ci­diu ali­ar o seu pro­jec­to ao do ma­ri­do. “O Bru­no ti­nha o sonho ter um wi­ne bar e es­te es­pa­ço per­mi­tia-nos ter as du­as coi­sas: ca­fe­ta­ria e es­pa­ço de workshops”, ex­pli­ca.

Ar­re­ga­ça­ram as man­gas e de­ram iní­cio a uma ver­da­dei­ra “cru­za­da”, com “al­gu­mas idas ao Por­to, a an­tiquá­ri­os, mui­ta pes­qui­sa na In­ter­net, mui­tas ho­ras a ne­go­ci­ar pre­ços”, re­cor­dam. “No fi­nal, quan­do co­lo­cá­mos to­dos os mó­veis no sí­tio, tu­do fez sen­ti­do”, faz ques­tão de no­tar Li­li­a­na Ca­chim, ao mes­mo tem­po que au­to­pro­cla­ma o Es­pa­ço Cri­a­ti­vo Bis­coi­to co­mo o “mais Ar­te No­va” dos ca­fés de Avei­ro. A quem o vi­si­ta é da­do o pri­vi­lé­gio de be­ber chá “em chá­ve­nas do iní­cio do sé­cu­lo XX, ou be­ber ca­fé em chá­ve­nas que se pou­sam em nap­pe­rons fei­tos à mão, al­guns com mais de 100 anos”, re­al­ça ain­da a pro­pri­e­tá­ria.

Na car­ta, tu­do pa­re­ce ser, igual­men­te, ge­nuí­no. “Com­pra­mos ali­men­tos fres­cos to­dos os di­as, fa­ze­mos os nos­sos pró­pri­os mo­lhos, os ham­búr­gue­res e as almôndegas são mol­da­dos à mão… É tu­do con­fec­ci­o­na­do co­mo em ca­sa dos nos­sos pais e avós, com amor”, as­se­gu­ram Li­li­a­na e Bru­no. E pro­va de que a apos­ta pas­sa por pro­du­tos fres­cos é o fac­to de uma par­te da car­ta ser sa­zo­nal, ou se­ja, fei­ta com pro­du­tos da épo­ca.

Re­fei­ções e pe­tis­cos ve­gan em des­ta­que

Ain­da que o me­nu apre­sen­te pro­pos­tas pa­ra to­dos os gos­tos, as es­tre­las da ca­sa re­si­dem nas op­ções ve­gan, es­pe­ci­al des­ta­que pa­ra o ham­búr­guer ve­gan em pão de al­gas ou a la­sa­nha de ve­ge­tais. Tam­bém há pro­pos­tas sem glú­ten, no­me­a­da­men­te um ham­búr­guer de fran­go sem glú­ten, e pra­tos mais tra­di­ci­o­nais (bacalhau com na­tas ou ar­roz de pa­to). Os pe­tis­cos são ou­tra das apos­tas for­tes da car­ta da ca­sa. Des­de o best-sel­ler re­quei­jão de Seia no for­no até às tá­bu­as de quei­jos e en­chi­dos, pas­san­do pe­la sa­la­da cri­a­ti­va ou pe­la alheira ve­gan com grão e es­pe­ci­a­ri­as, são vá­ri­as as op­ções dis­po­ní­veis. E nem os mais gu­lo­sos se po­dem quei­xar de não ter por on­de es­co­lher: ge­la­dos (que aqui se cha­mam ni­ce cre­am), bo­lo bri­ga­dei­ro, red vel­vet e brow­ni­es, são pre­sen­ça as­sí­dua na car­ta de do­ces — apre­sen­ta­da num qua­dro de lou­sa, es­cri­to a giz.

En­tre as be­bi­das com mais saí­da es­tão os chás da ca­sa (bran­co, ver­de, preto, ver­me­lho, fru­tos e os es­pe­ci­ais: bem-es­tar e de­tox), as cer­ve­jas ar­te­sa­nais e os vi­nhos. “Em ma­té­ria de vi­nhos, ten­ta­mos ter sem­pre pro­pos­tas di­fe­ren­tes da­que­las que há aqui à vol­ta; a ideia é que os cli­en­tes te­nham sem­pre aqui ex­pe­ri­ên­ci­as únicas”, des­ven­da Bru­no Ri­bei­ro, que é, tam­bém, pro­fun­do co­nhe­ce­dor da ar­te de fa­zer cock­tails. “Aqui, sa­em mui­to os cock­tails com gin e ten­to apos­tar em fru­tas e co­res di­fe­ren­tes”, acres­cen­ta. Não há li­mi­tes pa­ra a cri­a­ti­vi­da­de. Afi­nal de con­tas, es­te é um es­pa­ço que re­ser­va uma sa­la pa­ra que ela acon­te­ça: o es­pa­ço de workshops, que vai re­ce­ben­do vá­ri­os even­tos, mui­tos de­les com no­mes co­nhe­ci­dos da blo­gos­fe­ra — a sa­la, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 20 pes­so­as, tam­bém po­de ser adap­ta­da a es­pa­ço pa­ra jan­ta­res e even­tos reservados.

Es­tá, as­sim, ex­pli­ca­da a par­te do “cri­a­ti­vo” do no­me. E o bis­coi­to? “O ca­fé que aqui exis­tia, an­te­ri­or­men­te, cha­ma­va-se Bis­coi­to”, re­ve­la Li­li­a­na que, da­da a sua ex­pe­ri­ên­cia na área do mar­ke­ting, apu­rou que exis­ti­ri­am “van­ta­gens em man­ter uma as­so­ci­a­ção ao no­me an­te­ri­or”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.