Tem no­me de ave mas não voa: é um bar­co e mo­ve-se a ener­gia so­lar

No­va pro­pos­ta de pas­sei­os na ria de Aveiro faz-se a bor­do de uma em­bar­ca­ção eco­ló­gi­ca e si­len­ci­o­sa. E o me­lhor de tu­do? Na­ve­ga ao lon­go de ca­nais e es­tei­ros me­nos co­nhe­ci­dos. Ma­ria Jo­sé San­ta­na (tex­to) e Pau­lo Pi­men­ta (fotos)

Publico - Fugas - - AVEIRO -

água. Do mo­tor, nem um si­nal. Si­lên­cio ab­so­lu­to — tão ab­so­lu­to que quan­do nos cru­za­mos com uma ou ou­tra lan­cha mo­vi­da a mo­tor de com­bus­tão não con­se­gui­mos es­con­der o sor­ri­so ama­re­lo. A pro­pul­são do Gai­vi­nha é as­se­gu­ra­da por um mo­tor eléc­tri­co, mo­vi­do por se­te ba­te­ri­as ali­men­ta­das por seis pai­néis so­la­res. “Tem uma au­to­no­mia pa­ra no­ve ho­ras a na­ve­gar, sem car­re­gar”, acres­cen­ta o nos­so guia.

Ou­tra das gran­des mais-va­li­as des­te pe­que­no bar­co — ain­da as­sim, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 10 pes­so­as — re­si­de nas ca­rac­te­rís­ti­cas do seu cas­co: com um ca­la­do de ape­nas 40 cen­tí­me­tros, con­se­gue ir a zo­nas da la­gu­na avei­ren­se inal­can­çá­veis a mui­tas em­bar­ca­ções. O re­sul­ta­do? Po­de­rá na­ve­gar por es­tei­ros e ca­nais que pou­cos co­nhe­cem e avis­tar pai­sa­gens na­tu­rais sur­pre­en­den­tes.

Ti­ve­mos a sor­te de par­ti­lhar es­ta aven­tu­ra a bor­do do Gai­vi­nha com vá­ri­os bió­lo­gos da Uni­ver­si­da­de de Aveiro, al­guns de­les bas­tan­te ha­bi­tu­a­dos a an­dar por aque­las águas a de­sen­vol­ver tra­ba­lho de cam­po. “Mas em pas­seio é sem­pre me­lhor. E ain­da mais com um bar­co mo­vi­do a ener­gia so­lar”, afi­an­ça Si­ze­nan­do Abreu, um dos in­ves­ti­ga­do­res con­vi­da­dos pa­ra a vi­a­gem do pri­mei­ro do­min­go des­te Ve­rão. Jun­ta­men­te com ele vi­e­ram tam­bém Ân­ge­la Cu­nha, He­le­na Silva e Sér­gio Mar­ques. E Cris­ti­na An­çã, téc­ni­ca de ra­di­o­lo­gia, que veio por ar­ras­to, de­sa­fi­a­da pe­la ami­ga He­le­na — ain­da bem, pen­sa­mos nós: as­sim já não so­mos os úni­cos pou­co en­ten­di­dos na ma­té­ria. “No fun­do, so­mos to­dos apre­ci­a­do­res da be­le­za da ria”, re­su­me Ân­ge­la.

Fei­tas as apre­sen­ta­ções, pros­se­gui­mos vi­a­gem, en­tran­do pe­la la­gu­na aden­tro (tal­vez o ter­mo nun­ca te­nha fei­to tan­to sen­ti­do), lon­ge dos prin­ci­pais ca­nais. “Es­te é es­tei­ro do Gra­ma­to e pa­ra na­ve­gar aqui é pre­ci­so pe­rí­cia”, no­ta Ga­bri­el Con­cei­ção, com hu­mor. À fal­ta de si­na­li­za­ção ma­rí­ti­ma, en­ter­ra­ram-se uns paus no fun­do pa­ra iden­ti­fi­car as zo­nas de pe­ri­go — é uma es­pé­cie de si­na­li­za­ção fei­ta por e pa­ra ma­ri­nhei­ros “re­si­den­tes”. “Es­ta­mos com ape­nas um metro de pro­fun­di­da­de”, aler­ta o skip­per, nu­ma al­tu­ra em que co­me­ça­mos, tam­bém, a avis­tar as pri­mei­ras aves (a pri­mei­ra que iden­ti­fi­cá­mos foi uma gar­ça cin­zen­ta) e ou­tras coi­sas mais — um tan­to ou quan­to ex­cên­tri­cas. Al­gu­mas das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.