Luí­sa Pinto

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Ter vis­to a sé­rie do­cu­men­tal Bor­ders, que as­si­na na pla­ta­for­ma Vox, ser no­me­a­da pa­ra os Emmys na ca­te­go­ria de do­cu­men­tá­rio e ví­deo jor­na­lis­mo po­de­ria ser con­si­de­ra­do um pon­to já mui­to al­to da ain­da cur­ta car­rei­ra de John Har­ris, um nor­te­a­me­ri­ca­no li­cen­ci­a­do em re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais, que gos­ta de ma­pas “des­de que era pe­que­ni­no” e que apren­deu atra­vés dos tu­to­ri­ais da in­ter­net a fa­zer edi­ção de ví­de­os e ani­ma­ções grá­fi­cas. Mas quan­do John Har­ris es­te­ve um des­tes di­as em Ma­to­si­nhos, no âm­bi­to da se­gun­da mos­tra de Ci­ne­ma de Vi­a­gens e Aven­tu­ras, or­ga­ni­za­da pe­la Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e pe­la agência No­mad, pa­ra mos­trar um do­cu­men­tá­rio so­bre o Mus­tang, dei­xou bem cla­ro que não é is­so que o ani­ma. Pa­ra ele, o que é mais im­por­tan­te é dei­xar uma men­sa­gem no Fa­ce­bo­ok ou no Ins­ta­gram aos seus se­gui­do­res e ter cen­te­nas de res­pos­tas com su­ges­tões de as­pec­tos, ca­rac­te­rís­ti­cas e lu­ga­res que de­ve do­cu­men­tar em de­ter­mi­na­do país.

“Sim, tem pi­a­da que pes­so­as que fun­ci­o­nam co­mo ga­te­ke­e­pers se in­te­res­sem pe­los te­mas que eu mos­tro. Mas fi­co ain­da mais em­pol­ga­do quan­do ve­jo que as pes­so­as que vi­vem nos sí­ti­os que vou vi­si­tar que­re­rem aju­dar­me a con­tar a his­tó­ria. Is­so sim é emo­ci­o­nan­te”, ex­pli­ca. John Har­ris tem con­ta­do mui­tas his­tó­ri­as. E não ten­ci­o­na pa­rar tão ce­do.

Ac­tu­al­men­te es­tá na Colôm­bia a pro­du­zir uma sé­rie de cin­co do­cu­men­tá­ri­os. Quan­do ater­rou em Bo­go­tá (de­pois de uma es­ta­dia de uma se­ma­na em Por­tu­gal on­de acom­pa­nhou a mu­lher, Isa­bel Har­ris, uma vlog­ger de vi­a­gens e co­mi­da a fa­zer uma sé­rie so­bre Por­tu­gal que vai ser di­vul­ga­da na pla­ta­for­ma Ea­ters do You Tu­be) já le­va­va os guiões bem de­se­nha­dos, após mui­ta pes­qui­sa.

An­tes da Colôm­bia es­te­ve em Hong Kong – e o re­sul­ta­do fo­ram cin­co ví­de­os, de te­mas tão dís­pa­res co­mo “a for­ma co­mo Feng Shui de­se­nhou o sky­li­ne de Hong Kong”, ou “co­mo é vi­ver em ca­sas do ta­ma­nho de gai­o­las”. Um país ou uma ci­da­de de ca­da vez. E só no fim de um ci­clo de epi­só­di­os é que se sa­be qual é o des­ti­no da se­guin­te. Es­ta é a se­gun­da sé­rie da Vox Bor­ders. A pri­mei­ra – e que o le­vou à short list dos Emmys, le­vou-nos às fron­tei­ras en­tre o Ne­pal e a Chi­na, o México e a Gu­a­te­ma­la, Es­pa­nha e Mar­ro­cos, Ja­pão e Co­reia do Nor­te, Hai­ti e Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na e ain­da ao Ár­ti­co, pa­ra do­cu­men­tar os pla­nos dos rus­sos pa­ra cri­ar um no­vo oce­a­no.

“O ob­jec­ti­vo é con­tar as his­tó­ri­as hu­ma­nas que es­tão por de­trás de ca­da li­nha de fron­tei­ra”, diz John Har­ris, que ad­mi­te ter si­do aba­la­do pe­la in­ten­si­da­de com que es­sa li­nha ad­mi­nis­tra­ti­va po­de im­pac­tar mi­lha­res de pes­so­as na fron­tei­ra dos Es­ta­dos Uni­dos com o México. “Vi­vi em Ti­ju­a­na (México) du­ran­te dois anos, na al­tu­ra do li­ceu. Foi o pri­mei­ro mo­men­to em que per­ce­bi que ha­via dra­mas ver­da­dei­ros nu­ma fron­tei­ra, e to­do o con­fli­to e ener­gia que po­de exis­tir ao lon­go de uma li­nha”, diz John Har­ris.

A de­ci­são foi ti­rar um cur­so de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e foi com o di­plo­ma na mão e um fi­lho re­cém-nas­ci­do nos bra­ços que che­gou a Washing­ton há cin­co anos. Pre­ten­dia pro­cu­rar em­pre­go na área da di­plo­ma­cia, e até fez uma es­pe­ci­a­li­za­ção em re­so­lu­ção de con­fli­tos. Mas aca­bou ra­pi­da­men­te por per­ce­ber que po­dia ser mais útil na ani­ma­ção de gra­fis­mos, usan­do to­da a sabedoria que be­beu da in­ter­net, nu­ma em­pre­sa que aca­ba­va de ser fun­da­da, a Vox.

“Se nós le­var­mos às pes­so­as con­teú­do pes­so­al re­le­van­te, elas não se in­te­res­sam só por ga­ti­nhos”, in­sis­te. E dá co­mo exem­plo um dos pri­mei­ros ví­de­os que fez pa­ra a Vox. “Era uma ani­ma­ção on­de ten­ta­va ex­pli­car o con­fli­to na Sí­ria, e aju­dar as pes­so­as a vi­su­a­li­zar atra­vés de ma­pas e gra­fis­mos o que é es­ta­va em cau­sa na­que­le con­fli­to”, re­cor­da Har­ris. O ví­deo foi vis­to cen­te­nas de mi­lha­res de ve­zes. “As pes­so­as que­rem sa­ber”, in­sis­te.

Mas o so­nho de Har­ris não era fi­car atrás de uma se­cre­tá­ria a fa­zer ani­ma­ção de ví­deo. Quan­do su­ge­riu aos seus edi­to­res que gos­ta­ria de ir a Cu­ba fa­zer uma sé­rie de re­por­ta­gens sa­bia que es­ta­va a es­ti­car a cor­da num tes­te que ti­nha tu­do pa­ra cor­rer mal. “O or­ça­men­to era di­mi­nu­to. Era só eu, a mi­nha câ­ma­ra e o meu com­pu­ta­dor. Eu sou uma es­pé­cie de one-man-band, to­co to­dos os ins­tru­men­tos: gos­to de fil­mar, de edi­tar e de fa­zer ani­ma­ção”, brin­ca.

A ex­pe­ri­ên­cia de Cu­ba cor­reu bem. Se­guiu-se o Rio de Ja­nei­ro (e em­pe­nhou-se em mos­trar a po­bre­za que as au­to­ri­da­des es­ta­vam a es­con­der a qu­em a vi­si­tas­se du­ran­te os Jo­gos Olím­pi­cos), e de­pois aven­tu­rou-se em Is­ra­el. “Foi de­pois dis­so que a Vox acei­tou a mi­nha pro­pos­ta de fa­zer a pri­mei­ra sé­rie de Bor­ders. Ago­ra já va­mos na se­gun­da. E não sei on­de é que is­to vai pa­rar”. Sa­be, pe­lo me­nos, enu­me­rar al­guns paí­ses on­de gos­ta­ria mui­to de ir: Indonésia, Ín­dia e Chipre. John Har­ris diz que ago­ra é ca­da vez me­nos cen­tra­lis­ta, por­que pre­ci­sa ca­da vez mais de uma equi­pa que o aju­de na pro­du­ção e in­ves­ti­ga­ção. Mas no ter­re­no con­ti­nua a es­tar so­zi­nho.

Pre­pa­ra-se em ca­sa, lê mui­to, faz per­gun­tas, res­pon­de a cen­te­nas de emails, e vai pa­ra o ter­re­no, mais ao me­nos uma se­ma­na. “É o tem­po de fol­ga que a mi­nha mu­lher me dá”, diz, meio a brin­car, meio a sé­rio. Mas a ver­da­de é que o fac­to de te­rem dois fi­lhos, e de um de­les, o mais ve­lho, ser au­tis­ta, aca­ba mes­mo por con­di­ci­o­nar o tra­ba­lho que faz. “Mas con­di­ci­o­na pe­la po­si­ti­va”, re­fe­re. John Har­ris diz que o fi­lho lhe faz mui­tas per­gun­tas, e que quer sa­ber tu­do so­bre tu­do. “Por exem­plo, dos fi­os de te­le­fo­ne, por­que es­tão no ar, co­mo fun­ci­o­nam, e per­gun­ta e per­gun­ta e per­gun­ta. E eu te­nho de ex­pli­car. O meu fi­lho en­si­nou­me a ex­pli­car as coi­sas de for­ma efi­ci­en­te”, ad­mi­te.

Mas a fa­mí­lia tam­bém o aju­dou a per­ce­ber os dra­mas hu­ma­nos. “Vi na fron­tei­ra do Te­xas a for­ma co­mo se­pa­ra­ram um pai e fi­lho, que vi­nham das Hon­du­ras. Co­mo pai, aque­la si­tu­a­ção afec­tou-me de uma ma­nei­ra no­va. Não é só jor­na­lis­mo, é vi­da re­al”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.