Res­pos­ta rá­pi­da

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Gos­ta­va de vi­ver num mun­do sem fron­tei­ras?

Acho que sim. Ne­nhum ou­tro ani­mal de­se­nha li­nhas e fron­tei­ras co­mo nós de­se­nha­mos. Re­ve­lam as par­tes me­nos bo­as das pes­so­as, as coi­sas mais tri­bais e mais te­mí­veis. As fron­tei­ras cau­sam mui­to so­fri­men­to, e do pon­to de vis­ta eco­nó­mi­co tra­zem mui­ta ine­fi­ci­ên­cia tam­bém. Por­que é que as pes­so­as não se po­dem mo­vi­men­tar pa­ra on­de há pro­cu­ra de tra­ba­lho? Mas, en­fim, tam­bém sou re­a­lis­ta ao pen­sar nas fron­tei­ras co­mo a for­ma em que os hu­ma­nos con­se­gui­ram cri­ar or­dem e iden­ti­da­de.

Os tra­ta­dos não de­vi­am ser­vir pa­ra is­so?

As na­ções ci­vi­li­za­das as­si­nam to­dos os tra­ta­dos. Nós pro­me­te­mos que va­mos pro­te­ger as pes­so­as que fo­gem da vi­o­lên­cia, mas de­pois ve­mos as pes­so­as a fu­gir da

Sí­ria e os paí­ses di­zem, “ok, nós as­si­ná­mos, mas ago­ra não que­re­mos fa­zê-lo, não po­de­mos fa­zê-lo”. E co­mo têm ver­go­nha de man­dar as pes­so­as pa­ra trás, pa­gam a ou­tros paí­ses me­nos ‘ci­vi­li­za­dos’ pa­ra as re­ce­ber. Mes­mo ten­do con­ven­ções e leis, con­ti­nu­a­mos a ser tri­bais na for­ma co­mo li­da­mos com os tra­ta­dos.

Os pro­gra­mas são edi­to­ri­ais?

Não é es­se o meu ob­jec­ti­vo. A mi­nha es­pe­ran­ça é que es­tes pro­gra­mas fa­çam as pes­so­as es­tar mais aler­tas, mais aten­tas. E eu ve­jo que es­tão quan­do uso o crowd­sour­cing, as pes­so­as co­mo fon­tes. O mais im­por­tan­te pa­ra mim é ter a cer­te­za de que as his­tó­ri­as são ve­rí­di­cas. Eu já cres­ci co­mo uma cri­an­ça da in­ter­net, ha­bi­tu­a­da fa­zer per­gun­tas. E se per­gun­to qual é o me­lhor sí­tio pa­ra co­mer, por­que não pos­so per­gun­tar so­bre as coi­sas mais im­por­tan­tes que há pa­ra re­por­tar em Hong Kong, por exem­plo? As pes­so­as que­rem con­tri­buir, que­rem fa­zer par­te des­tes pro­jec­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.