Da Ci­da­de do Ca­bo até Jo­a­nes­bur­go

Publico - Fugas - - FUGAS DOS LEITORES -

Quan­do se che­ga à Ci­da­de do Ca­bo, em ple­no In­ver­no, nem pa­re­ce que se es­tá mes­mo em Áfri­ca. O ne­vo­ei­ro, os chu­vis­cos e uma sen­sa­ção de frio con­tras­tam com a ideia ro­mân­ti­ca dos cam­pos dou­ra­dos que se es­ten­dem até to­ca­rem no sol escaldante da sa­va­na. Não, dis­so não há na fa­mo­sa ci­da­de, mas, por sua vez, é-se ime­di­a­ta­men­te cum­pri­men­ta­do pe­la Ta­ble Moun­tain, que se er­gue no ca­bo mais lin­do do mun­do, co­mo se qui­ses­se es­prei­tar pa­ra o frí­gi­do Atlân­ti­co, e aí é abra­ça­da pe­las nu­vens cin­zen­tas e to­ca­da pe­lo oce­a­no.

No Ca­bo da Boa Es­pe­ran­ça re­cor­do-me dos ma­ri­nhei­ros por­tu­gue­ses que por ali pas­sa­ram ao olhar por en­tre a ve­ge­ta­ção e avis­tar a Vas­co da Ga­ma Cross, uma cruz bran­ca em ho­me­na­gem ao na­ve­gan­te lu­so. O car­ro an­da, olho atra­vés da ja­ne­la: gi­gan­tes­cas mon­ta­nhas sump­tu­o­sas ele­vam­se ao lar­go de to­da a cos­ta, o mar am­plia-se num azul es­cu­ro in­ces­san­te e ar­bus­tos com flores ama­re­las e ro­xas man­cham es­ta pai­sa­gem des­lum­bran­te. É de cor­tar a res­pi­ra­ção.

Da Ci­da­de do Ca­bo, na zo­na mais a oci­den­te do país, até às pla­ní­ci­es dou­ra­das que irei en­con­trar já per­to de Mo­çam­bi­que, o ce­ná­rio mu­da dras­ti­ca­men­te. Os aloés ve­ras e os cac­tos que ca­rac­te­ri­zam as ter­ras aus­trais afri­ca­nas sal­pi­cam um ce­ná­rio que ora mu­da de ala­ran­ja­do pa­ra um ver­de lu­xu­ri­an­te, ora de pi­nhei­ros pa­ra plan­ta­ções sem fim de ba­na­nei­ra.

Após três di­as de vi­a­gem in­ten­si­va, che­go a Dur­ban, ci­da­de cos­tei­ra on­de os co­quei­ros pros­pe­ram e o ca­lor se sen­te. No mer­ca­do, co­ra­ção da ci­da­de, as mu­lhe­res com sai­as de pa­no co­lo­ri­das equi­li­bram na ca­be­ça cai­xas enor­mes com pei­xe, os ta­lhan­tes gri­tam, a azá­fa­ma ins­ta­la-se na pe­le. No Her­bal Mar­ket en­con­trei uma ou­tra fa­ce­ta de Áfri­ca: o mís­ti­co mun­do da fei­ti­ça­ria. Nu­ma rua su­ja es­ten­dem-se inú­me­ras pe­que­nas bar­ra­cas on­de es­tão ex­pos­tos ma­ca­cos es­fo­la­dos e aber­tos, crâ­ni­os de vá­ri­os ani­mais e pós e po­ções que cu­ram to­do o ti­po de ma­les. O chei­ro é in­ten­so, os olha­res são re­pro­va­do­res: es­ta­mos qua­se co­mo que a tres­pas­sar uma pro­pri­e­da­de pri­va­da, pro­pri­e­da­de es­sa per­ten­cen­te só e uni­ca­men­te à co­mu­ni­da­de ne­gra. Sen­ti-me uma in­tru­sa, e, com mui­ta pe­na, vim­me em­bo­ra da­que­le que foi um dos lu­ga­res mais fas­ci­nan­te­men­te her­mé­ti­cos que já vi­si­tei.

Os qui­ló­me­tros con­ti­nu­am a con­tar. Atra­ves­so os cam­pos dou­ra­dos e as al­dei­as ru­rais da pe­que­na Su­a­zi­lân­dia até che­gar ao em­ble­má­ti­co Par­que Na­ci­o­nal Kru­ger. É nes­ta pla­ní­cie a per­der de vis­ta, por en­tre co­li­nas dou­ra­das e ar­bus­tos se­cos, que ha­bi­tam os big fi­ve: leão, bú­fa­lo, ele­fan­te, le­o­par­do e ri­no­ce­ron­te. Vai su­bin­do len­ta­men­te ao ho­ri­zon­te uma enor­me bo­la cor­de-ro­sa que con­tras­ta com a ter­ra es­cu­ra e as ár­vo­res nu­as: é o nas­cer do Sol na sa­va­na.

De­pois de sa­fa­ris com his­tó­ri­as pa­ra dar e ven­der, é ho­ra de se­guir pa­ra Jo­a­nes­bur­go. Aí des­co­bri uma me­tró­po­le mo­der­na, o gran­de co­ra­ção da Áfri­ca do Sul on­de os mu­rais co­lo­ri­dos que ce­le­bram he­róis co­mo Nel­son Man­de­la ou Mi­ri­am Ma­ke­ba dão vi­da a uma ci­da­de fre­né­ti­ca. Nas re­don­de­zas de Jo­burg es­ten­de-se até o olhar não po­der mais o Sowe­to, a mais fa­mo­sa das townships, com mais de qua­tro mi­lhões de ha­bi­tan­tes. Lá, de­bai­xo do sol suave, jo­gam cri­an­ças à bo­la e cor­rem miú­dos e ga­li­nhas por en­tre as bar­ra­cas de fo­lha de zin­co, es­ses la­bi­rin­tos sem fim co­ber­tos pe­la po­ei­ra do aban­do­no. No Sowe­to en­con­trei gen­te or­gu­lho­sa do seu bair­ro e que não de­sis­ti­rá tão fa­cil­men­te, gen­te for­te, de­di­ca­da, gen­te que nun­ca bai­xa­rá os bra­ços, que con­ti­nu­a­rá a cer­rar o pu­nho en­quan­to se­gue or­gu­lho­sa­men­te o seu que­ri­do Ma­di­ba.

“Po­des sair de Áfri­ca, mas

Áfri­ca não sai de ti”, e por is­so per­sis­te em mim a me­mó­ria das pai­sa­gens es­plen­do­ro­sas, des­de as mon­ta­nhas gran­di­o­sas até aos pe­que­nos char­cos da sa­va­na on­de os hi­po­pó­ta­mos pa­chor­ren­tos na­dam. Per­sis­te em mim um país com mui­tas fa­ce­tas, um país de ri­cos e de po­bres, com uma va­ri­e­da­de ét­ni­ca fas­ci­nan­te, um país de ar­ra­nha-céus e de bar­ra­cas. Mas es­sen­ci­al­men­te, per­sis­te em mim a me­mó­ria de um po­vo que, ape­sar do seu frá­gil pas­sa­do, faz tu­do pa­ra re­er­guer e fa­zer pros­pe­rar uma ter­ra tão, mas tão bo­ni­ta. Des­de a Ci­da­de do Ca­bo a Jo­a­nes­bur­go, a rain­bow na­ti­on sur­pre­en­de qu­em ou­sa ex­plo­rar os seus re­can­tos.

Matilde Al­vim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.