“Os re­sul­ta­dos dos res­tau­ran­tes não de­pen­dem de mim”

Publico - Fugas - - ENTREVISTA -

Re­cor­des de au­di­ên­ci­as, fe­nó­me­no te­le­vi­si­vo, ca­pas de re­vis­tas atrás de ca­pas de re­vis­tas. O que ex­pli­ca o su­ces­so de Lju­bo­mir no Pe­sa­de­lo na Co­zi­nha?

Por­que é que achas que a fi­gu­ra te­le­vi­si­va que cri­as­te tem tan­to su­ces­so?

Por­que sou eu. Quem me co­nhe­ce sa­be que sou eu, pu­ro e du­ro. Só que não gos­to de ver as coi­sas fo­ra do sí­tio, não gos­to de ver pes­so­as pa­ra­das, in­co­mo­da-me o ser hu­ma­no, acho que é uma pre­gui­ça, uma les­ma, que cria mui­to ra­pi­da­men­te há­bi­tos.

Al­guém me dis­se ou­tro dia, aos gri­tos na rua, ‘que­ro ser co­zi­nhei­ro co­mo tu’, achei fi­xe, mas che­guei a ca­sa e ba­teu-me aque­la mer­da, ‘que­res ser co­zi­nhei­ro co­mo eu?’. A quan­tas pes­so­as já ou­vi di­zer que que­rem ser co­mo um gran­de mú­si­co ou um gran­de es­cri­tor, o que é que fi­ze­ram pa­ra is­so acon­te­cer? Pen­sam is­so na­que­le se­gun­do e o há­bi­to do cé­re­bro de les­ma faz com que aque­la mer­da se es­que­ça no dia se­guin­te. Se que­res ser, con­se­gues ser. Eu quis ser um gran­de co­zi­nhei­ro, quis ser uma pes­soa li­vre, cur­tir a pu­ta da vi­da co­mo ela é, que­ro ter to­da a li­ber­da­de, sou um anar­ca to­tal, a mi­nha lei é pa­ra mim, eu pra­ti­co-a. Se as pes­soa que­rem ser uma coi­sa têm que ser to­dos os di­as bons, pra­ti­car es­sa mer­da di­a­ri­a­men­te, repetir is­so pa­ra ti, co­me­çar a acor­dar uma ho­ra mais ce­do, ou dez mi­nu­tos mais ce­do, pa­ra co­me­çar a atin­gir os ob­jec­ti­vos. Nun­ca nin­guém vai ser bom por­que gri­ta que quer ser bom, tens que ser um gran­de lu­ta­dor. E is­so é um chip que tem que mu­dar den­tro das ca­be­ças das pes­so­as, que se tor­nam aqui­lo que que­rem ser.

E tu gos­tas des­se mo­men­to em que fa­zes mu­dar a ca­be­ça das pes­so­as?

O que mais gos­to é des­blo­que­ar es­sa mer­da. Re­sul­ta­dos dos res­tau­ran­tes? Não de­pen­dem de mim, da mi­nha emen­ta, não de­pen­dem mi­ni­ma­men­te do tra­ba­lho que eu fiz, só de­pen­dem das pes­so­as que es­tão lá. Al­gu­mas têm ca­pa­ci­da­de, al­gu­mas des­blo­quei­am. O meu mai­or ob­jec­ti­vo é ser um ser hu­ma­no, há pes­so­as que vão ao psi­có­lo­go du­ran­te qua­tro anos, pa­gam con­sul­tas, ain­da vão le­var com os com­pri­mi­dos, mas é o psi­có­lo­go que as vai aju­dar? Eu no mí­ni­mo di­go ‘es­tás a ser um es­tú­pi­do, es­tás a gas­tar di­nhei­ro no psi­có­lo­go, só tens que ba­ter com a ca­be­ça con­tra a pa­re­de, san­grar um bo­ca­di­nho pa­ra per­ce­ber que es­tás com a ca­be­ça to­da fo­di­da. Não é pre­ci­so ir lá qua­tro anos, se qui­se­res eu aju­do-te, em­pur­ro-te a ca­be­ça con­tra a pa­re­de ra­pi­da­men­te, pa­ra per­ce­be­res.’ Eu gos­to des­ta ma­nei­ra de li­dar com pes­so­as, te­ra­pi­as de cho­que, é um tra­ba­lho mais de emo­ções do que pro­pri­a­men­te de co­zi­nha, pe­go nas pes­so­as, ana­li­so­as pro­fun­da­men­te.

O que to­ca as pes­so­as é que ao mes­mo tem­po que és bru­to pa­re­ces ge­nui­na­men­te pre­o­cu­pa­do com elas.

Li­go-me às pes­so­as, dou-me to­do ali pa­ra elas, mas não pos­so na­mo­rá­las lo­go no iní­cio, nem pos­so nem que­ro, nem sei se va­le a pe­na. No ou­tro dia ia ma­tan­do um ra­paz, do­no de um res­tau­ran­te, por­que não con­se­gui acor­dá-lo. In­ves­ti­mos 50 mil eu­ros ne­le, a de­co­rar o res­tau­ran­te, a pô-lo mes­mo im­pe­cá­vel, ele nem me dis­se obri­ga­do, apa­nhei três mo­ças daquelas coi­ta­das que ga­nham 400 eu­ros, tra­ba­lham há 46 anos na­que­le res­tau­ran­te que era do avô de­le, ele é um pu­to com 25 anos, nas­ceu num ber­ço, só que ago­ra tra­ta-as mal, ape­te­ci­a­me ma­tar o ga­jo, dei um so­co num cai­xo­te, ia ba­ter-lhe, agar­ram-me, ‘não po­des’, ‘não pos­so porquê?’.

Es­tou-me a bor­ri­far pa­ra o res­tau­ran­te na­que­le mo­men­to, que­ro é que aque­las pes­so­as te­nham al­go de me­lhor, um ob­jec­ti­vo, um fu­tu­ro me­lhor. Ado­ra­va que to­dos os res­tau­ran­tes re­sul­tas­sem mas te­nho no­ção que tal­vez me­ta­de re­sul­te. Os ou­tros são de pes­so­as que não fa­zem cli­que. Na­que­les di­as em que es­tão co­mi­go acham que es­tá tu­do óp­ti­mo. E eu per­gun­to-lhes ‘acor­das­te 10 mi­nu­tos mais ce­do, vais fa­zer al­gu­ma coi­sa?’.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.