Em ca­sa de fer­rei­ro

Publico - Fugas - - FINLÂNDIA -

A Fin­lân­dia co­nhe­ceu uma exis­tên­cia po­bre.

Eu não po­dia, nes­ta mi­nha vi­a­gem pe­lo sul, por es­te país on­de qua­se sem­pre se ou­ve fa­lar da La­pó­nia, do Pai Natal e das re­nas e de mui­to pou­co mais, ig­no­rar es­se pas­sa­do, as tra­di­ções, tão mar­ca­das a fer­ro, pa­ra os la­dos pa­ra on­de os meus pas­sos me con­du­zem.

Ago­ra que es­cre­vo, acre­di­to que, sem nun­ca ter olha­do pa­ra a mar­ca ou pa­ra o país em que foi fa­bri­ca­da, tam­bém eu pos­suo na mi­nha arrecadação ou na co­zi­nha uma te­sou­ra Fis­kars, com o seu fa­mo­so ca­bo cor de la­ran­ja, mais um pro­du­to de uma em­pre­sa que se en­con­tra en­tre as mais an­ti­gas do mun­do. Foi em 1641 que Carl Bills­ten fun­dou, em Billnäs, a fer­ra­ria, bem co­mo mui­tos dos edi­fí­ci­os do sé­cu­lo XVIII que con­ti­nu­am de pé na pe­que­na al­deia que é, ho­je, uma das mai­o­res atrac­ções do sul da Fin­lân­dia.

Não foi ape­nas Carl Bills­ten a es­ta­be­le­cer-se, du­ran­te es­se pe­río­do, no sul da Fin­lân­dia. No sé­cu­lo XVII che­ga­vam, a es­se sul re­mo­to, mui­tos fer­rei­ros. Da re­gião de Poh­ja (Po­jo em su­e­co), com as su­as vas­tas áre­as de flo­res­ta, com as su­as ro­tas aquá­ti­cas bem de­fi­ni­das, che­ga­va, por ou­tro la­do, a ma­dei­ra que acen­dia o fo­go da in­dús­tria do fer­ro na Fin­lân­dia.

O cen­tro de Poh­ja não faz acen­der em mim qual­quer sen­ti­men­to de ar­re­pen­di­men­to. Em Poh­ja, a vi­da cor­re de­va­gar, nes­se jei­ti­nho de pro­cis­são, co­mo num ber­ço que em­ba­la uma cri­an­ça. Há lu­ga­res pa­ra ver, pa­ra sen­tir, em Poh­ja.

E Poh­ja, pro­jec­tan­do-se con­tra o la­go ho­mó­ni­mo, o mai­or do sul da Fin­lân­dia, não es­tá a mais de 60 qui­ló­me­tros de Hel­sín­quia.

E, dei­tan­do um olho a Poh­ja, pa­re­ce es­tar tão lon­ge. As ma­ci­ei­ras es­ten­dem-se co­mo um mar, mal o Ou­to­no se anun­cia, uma mu­lher é elei­ta, sob o sig­no de mu­lher-ma­çã­do-ano, num Car­na­val que por es­tes la­dos tem lu­gar em Se­tem­bro.

Ob­ser­vo, na mi­nha so­li­dão, a igre­ja de St. La­wren­ce, a mai­or de to­das en­tre as que se­te que ain­da res­tam em Uu­si­maa Oci­den­tal da épo­ca me­di­e­val. Cons­truí­da em fi­nais do sé­cu­lo XV, con­tem­pla um in­te­ri­or par­ti­cu­lar­men­te in­te­res­san­te, com as su­as pa­re­des co­ber­tas de pin­tu­ras da bí­blia (sé­cu­lo XVI), a fór­mu­la en­con­tra­da pa­ra que a con­gre­ga­ção, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te anal­fa­be­ta nes­se tem­po, per­ce­bes­se a sua his­tó­ria – e é tam­bém uma bí­blia, a pri­mei­ra a ser im­pres­sa no país, em 1642, um dos mai­o­res te­sou­ros que a igre­ja abri­ga, ri­va­li­zan­do em im­por­tân­cia com um cru­ci­fi­xo e uma cruz em ma­dei­ra do sé­cu­lo XV.

Re­gres­so a Billnäs

Me­nos so­li­tá­rio, dis­pen­so al­gum do meu tem­po às mi­nas de cal­cá­rio (ain­da em ac­ti­vi­da­de) de Tyty­ri, com o seu mu­seu a 110 me­tros de pro­fun­di­da­de que ex­pli­ca co­mo era a vi­da dos mi­nei­ros em di­as de an­ta­nho, bem co­mo um hall que po­de ser uti­li­za­do pa­ra con­fe­rên­ci­as e on­de, por es­tra­nho que pos­sa pa­re­cer, a in­ter­net fun­ci­o­na bem. As mi­nas são a prin­ci­pal atrac­ção tu­rís­ti­ca da ci­da­de mas Poh­ja ha­ve­rá de car­re­gar sem­pre, ao lon­go dos tem­pos, es­se se­lo es­tam­pa­do no ros­to, de re­gião que con­cor­ria pa­ra o cres­ci­men­to das em­pre­sas do fer­ro, cor­tan­do e ca­na­li­zan­do lon­gos tron­cos de ár­vo­res pa­ra a pro­du­ção de car­vão.

E é nes­se mo­men­to que eu re­gres­so a Billnäs. Mas não por uma es­tra­da qual­quer. Já uti­li­za­da no sé­cu­lo XIV, a Es­tra­da do Rei li­ga­va Ber­gen a Es­to­col­mo via Os­lo, con­ti­nu­a­va até ao ar­qui­pé­la­go de Tur­ku, até Vy­borg e, mais pa­ra lá, uti­li­za­da por so­be­ra­nos, bis­pos e bur­gue­ses, ar­tis­tas e mi­li­ta­res, até St. Pe­ters­burg, na Rús­sia. A es­tra­da, pen­sa­da pa­ra tro­cas en­tre os cas­te­los de Tur­ku e de Vy­borg e pos­te­ri­or­men­te uti­li­za­da co­mo ro­ta da ma­la-pos­ta, pas­sa por Loh­ja, por Billnäs, por Fis­kars (num to­tal de mais de 500 qui­ló­me­tros em ter­ri­tó­rio fin­lan­dês) e é, na ver­da­de, uma das mais be­las da re­gião cos­tei­ra, dei­xan­do ver igre­jas me­di­e­vais, ci­da­des por­tuá­ri­as ou al­dei­as li­ga­das à his­tó­ria do fer­ro. E é por elas que vou gas­tan­do as úl­ti­mas ho­ras an­tes do re­gres­so a Hel­sín­quia (tam­bém in­te­gra a re­gião de Uu­si­maa, a mais po­vo­a­da do país), de­ten­do-me por úl­ti­mo em Fis­kars, nas su­as ru­as tão se­re­nas, tão or­gu­lho­sas des­se pas­sa­do e não me­nos do pre­sen­te – Fis­kars, fun­da­da no sé­cu­lo XVII, é o cen­tro da ar­te e do de­sign na Fin­lân­dia.

Se­rá que te­nho em ca­sa uma te­sou­ra des­sa mar­ca?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.