À es­pe­ra do lin­ce ibé­ri­co — e do fu­tu­ro

Publico - Fugas - - ALENTEJO -

Ain­da se es­pe­ra o re­gres­so do lin­ce ibé­ri­co no PNN e nin­guém pa­re­ce dis­pos­to a de­sis­tir, pe­lo me­nos se a quan­ti­da­de de par­ques de co­e­lhos mon­ta­dos ser­vir de in­di­ca­dor. “Há re­gis­tos de 1950, 1960, de cap­tu­ra de lin­ces aqui”, con­ta Di­o­go Nas­ci­men­to, jus­ti­fi­can­do o en­vol­vi­men­to do PNN com o pro­jec­to Li­fe+IberLin­ce, que de­sen­vol­ve o tra­ba­lho de pre­pa­rar os ter­ri­tó­ri­os ibé­ri­cos pa­ra vol­tar a re­ce­ber es­ta es­pé­cie que foi con­si­de­ra­da ex­tin­ta em Por­tu­gal no ano 2000. É aqui que en­tram os co­e­lhos bra­vos, que cons­ti­tu­em 80% da di­e­ta do lin­ce: a ideia é au­men­tar a den­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal dos pri­mei­ros, pa­ra po­der sus­ten­tar a ca­deia ali­men­tar dos se­gun­dos.

A cri­a­ção do PNN foi uma obri­ga­ção, as­su­me o pre­si­den­te da EDIA, Jo­sé Pe­dro Sa­le­ma, que se ten­ta le­var a sé­rio, co­mo mo­de­lo de uma ges­tão in­te­gra­da e sus­ten­ta­da do ter­ri­tó­rio do in­te­ri­or, em que as pre­o­cu­pa­ções am­bi­en­tais e a con­ser­va­ção da na­tu­re­za têm o pal­co prin­ci­pal. En­tre a aqui­si­ção da her­da­de, em 1997, e a da­ta da aber­tu­ra ao pú­bli­co do PNN, em 2006, fez-se a re­cu­pe­ra­ção in­te­gral da pro­pri­e­da­de, des­de a pai­sa­gem e fau­na ao mon­te. O res­to da sua vi­da tem si­do uma bus­ca pe­lo equi­lí­brio en­tre as prá­ti­cas agrí­co­las (ex­plo­ra­ção agro-flo­res­tal e pe­cuá­ria, so­bre­tu­do) e a con­ser­va­ção do lu­gar na sua di­men­são na­tu­ral e cul­tu­ral — afi­nal, tu­do es­tá li­ga­do.

É nes­te sen­ti­do que en­tra a ten­ta­ti­va de re­cu­pe­rar o lin­ce e tam­bém o ga­do au­tóc­to­ne. A ra­ça mer­to­len­ga faz par­te da tra­di­ção da her­da­de (e até te­ve uma das su­as pe­la­gens aqui apu­ra­da) mas, re­cen­te­men­te, in­tro­du­ziu-se tam­bém a gar­vo­ne­sa, que é a es­pé­cie bo­vi­na mais ame­a­ça­da em Por­tu­gal. Dos 400-450 exem­pla­res exis­ten­tes, 31 fa­zem par­te deste no­vo nú­cleo do PNN: não ve­mos ne­nhum ma­cho, di­zem­nos que são imen­sos co­mo bú­fa­los; as fê­me­as já im­pres­si­o­nam com o seu “ca­sa­co” cas­ta­nho-aver­me­lha­do. Ao to­do, são 140 ca­be­ças de ga­do no par­que, “pa­ra não ha­ver pres­são na flo­ra, na su­per­fí­cie” — es­tão em re­gi­me ex­ten­si­vo e es­tri­ta­men­te bi­o­ló­gi­co. “Se o nos­so ob­jec­ti­vo fos­se ape­nas a ren­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca te­ría­mos mui­tas mais”, re­co­nhe­ce Di­o­go Nas­ci­men­to.

Nes­ta pro­cu­ra de har­mo­nia, o PNN as­su­me-se tam­bém co­mo uma es­pé­cie de la­bo­ra­tó­rio. Pa­ra, por exem­plo, o es­tu­do do efeito das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas nos mon­ta­dos e a adap­ta­ção des­tes a elas. Em 200 hec­ta­res, de­sen­vol­ve-se, en­tão, o pro­jec­to Li­fe Mon­ta­do-Adapt. Em 200 hec­ta­res pre­co­ni­za-se, en­tão, o fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.