Ilha de Ja­co: quan­do o sa­gra­do se jun­ta a es­tra­das es­bu­ra­ca­das

Publico - Fugas - - FUGAS DOS LEITORES -

Es­te ano, as fé­ri­as fo­ram pas­sa­das em Ti­mor-Les­te. Uma vi­a­gem em fa­mí­lia há mui­to so­nha­da e até ago­ra adi­a­da. Co­mo se­ria im­pos­sí­vel co­nhe­cer o país to­do, ele­ge­mos al­guns lo­cais que, pa­ra nós, eram vi­si­ta obri­ga­tó­ria, en­tre eles a ilha de Ja­co.

Saí­mos de Dí­li no dia se­guin­te ao da nos­sa che­ga­da, a con­du­zir­mos um car­ro com o vo­lan­te à di­rei­ta e mu­dan­ças au­to­má­ti­cas. Tu­do di­fe­ren­te do que es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos, pe­lo que, con­cen­tra­dos na con­du­ção, ig­no­rá­mos os avi­sos de que a es­tra­da es­ta­va em mau es­ta­do. Bau­cau fi­ca a pou­co mais de 120 qui­ló­me­tros de Dí­li, con­tu­do, de­mo­rá­mos cer­ca de qua­tro ho­ras a che­gar. A es­tra­da era pi­or do que es­pe­rá­va­mos, es­trei­ta e cheia de bu­ra­cos. Mo­tas e mi­cro­le­tes (ca­mi­o­ne­tas de trans­por­te de pas­sa­gei­ros) pas­sa­vam por nós a ve­lo­ci­da­des que nos pa­re­ci­am ver­ti­gi­no­sas. Nas mo­tos se­guem fa­mí­li­as in­tei­ras. O pai, que con­duz, uma cri­an­ça à fren­te e ou­tra en­ta­la­da en­tre o pai e a mãe, es­ta, por ve­zes, mon­ta­da à ama­zo­na. Não con­se­gui­mos dei­xar de nos sur­pre­en­der com a de­co­ra­ção das mi­cro­le­tes, com re­pre­sen­ta­ções di­ver­sas, des­de as Spi­ce Girls a Je­sus Cris­to. Por ve­zes, no to­po se­guem pas­sa­gei­ros e ma­las e, mais ra­ra­men­te, ca­bri­tos. A ca­da cur­va ou so­la­van­co te­me­mos que cai­am e ater­rem na es­tra­da à nos­sa fren­te, mas vol­tam sem­pre a equi­li­brar­se. Re­ve­za­mo-nos ao vo­lan­te do car­ro e os ou­tros pas­sa­gei­ros vão as­si­na­lan­do os obs­tá­cu­los: bu­ra­co, ber­ma, mota, pe­dras, ga­lo, cão, bú­fa­lo…

Che­ga­mos a Bau­cau, al­mo­ça­mos no res­tau­ran­te Amá­lia e re­to­ma­mos a vi­a­gem. O nos­so guia avi­sa-nos que a dis­tân­cia ago­ra é me­nor, em­bo­ra a es­tra­da es­te­ja em pi­or es­ta­do. Cus­ta-nos a acre­di­tar, mas é ver­da­de. Quan­do che­ga­mos à Pou­sa­da de Tu­tu­a­la já es­tá es­cu­ro. Es­ta­mos tão can­sa­dos que jan­ta­mos e va­mos dor­mir.

No ou­tro dia, acor­da­mos ce­do e, quan­do saí­mos dos quar­tos, sus­te­mos a res­pi­ra­ção com a vis­ta: a pou­sa­da es­tá si­tu­a­da num pro­mon­tó­rio e, à vol­ta, es­ten­de-se o mar en­qua­dra­do por en­cos­tas ver­de­jan­tes. O jar­dim tem vá­ri­as ár­vo­res por on­de pas­sei­am pe­que­nos ma­ca­cos. A cus­to par­ti­mos. A dis­tân­cia ago­ra é bas­tan­te mais cur­ta e a es­tra­da, em ter­ra ba­ti­da, faz­se bem. Che­ga­mos à fren­te da ilha de Ja­co, on­de pes­ca­do­res aguar­dam os vi­si­tan­tes. Pei­xes de vá­ri­os ta­ma­nhos e co­res es­tão pen­du­ra­dos nas ár­vo­res. Es­co­lhe­mos dois, um ver­me­lho e ou­tro a lem­brar um ro­ba­lo, e lo­go de­pois so­mos le­va­dos por um dos pes­ca­do­res à ilha de Ja­co. Um es­trei­to ca­nal se­pa­ra Ti­mor des­ta ilha que pa­re­ce ter­mi­nar num ex­ten­so are­al bran­co que cir­cun­da o cen­tro, de um ver­de lu­xu­ri­an­te. So­mos as pri­mei­ras pes­so­as a lá che­gar. Ao lon­go do dia os pes­ca­do­res tra­rão ou­tras pes­so­as, pe­que­nos gru­pos que se dis­per­sam ao lon­go do are­al. A areia é mui­to fi­na e a água é azul opa­la, trans­pa­ren­te e mor­na. Quan­do mer­gu­lha­mos, ve­mos co­rais e pei­xes de vá­ri­as co­res e ta­ma­nhos.

Por vol­ta do meio-dia, o pes­ca­dor re­gres­sa. Traz os dois pei­xes gre­lha­dos, tem­pe­ra­dos ape­nas com sal e pou­sa­dos em fo­lhas de pal­mei­ra so­bre um rec­tân­gu­lo de plás­ti­co. Co­me­mos os pei­xes com as mãos, acom­pa­nha­dos por pão e água que tí­nha­mos tra­zi­do. O sol quei­ma. Pro­cu­ra­mos a som­bra das ár­vo­res, mas o ca­lor aper­ta. Mer­gu­lha­mos e vol­ta­mos a sur­pre­en­der-nos com a cor dos pei­xes e a for­ma dos co­rais. A meio da tar­de, os pes­ca­do­res re­gres­sam pa­ra le­var as pes­so­as de vol­ta. É com pe­na que per­ce­be­mos que o dia es­tá a aca­bar e que te­mos de re­gres­sar. Sa­be­mos que é a mis­tu­ra da es­tra­da es­bu­ra­ca­da, do ca­rác­ter sa­gra­do e da proi­bi­ção de per­noi­ta na ilha que a man­tém de­ser­ta e sel­va­gem. Úni­ca. Es­pe­ra­mos um dia lá vol­tar e en­con­trá-la as­sim.

Ana Var­gas @ce­si­nha: “Era o meu pri­mei­ro dia co­nhe­cen­do Mon­te­vi­deo, Uru­guai. An­dan­do pe­la praia de Car­ras­co vi que as li­nhas con­ver­gi­am pa­ra o mes­mo lu­gar. Re­sol­vi re­gis­tar com a mi­nha som­bra mes­mo, pa­ra ter de re­cor­da­ção: ‘eu es­ti­ve aqui’”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.