E aí a areia ga­nha emo­ção

Publico - Fugas - - BRASIL -

“En­tão, fe­liz Na­tal pa­ra vo­cês”, ati­ra Ge­nil­son ao vo­lan­te. Mais va­le ar­ru­mar já o gra­ce­jo ób­vio, não sem uma úl­ti­ma al­fi­ne­ta­da: “aten­ção, os ha­bi­tan­tes são na­ta­len­ses, não pa­pás No­el”. O con­tras­te com a pai­sa­gem dos úl­ti­mos di­as é ab­so­lu­to. O si­lên­cio pá­ra brus­ca­men­te, co­mo se am­pli­fi­cas­se tu­do o que ago­ra atra­ves­sa a ja­ne­la da car­ri­nha. Des­li­ga­ram o mu­te, de re­pen­te, e não de­mos por is­so. A ci­da­de pa­re­ce um co­los­so de dentes afi­a­dos con­tra o céu, a pon­te uma mon­ta­nha so­bre o rio Po­ten­gi — er­gue-se 55 me­tros aci­ma das águas na zo­na cen­tral, pre­ci­sa o guia Ge­nil­son, Gel, “co­mo o de pôr no ca­be­lo que já não te­nho”. Re­ce­be-nos um trân­si­to caó­ti­co que, à en­tra­da na ci­da­de, é mes­mo um pá­ra-ar­ran­ca pe­la ave­ni­da que se ia alar­gar a três fai­xas pa­ra o Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de Fu­te­bol e que, qua­tro anos de­pois, ain­da es­tá por con­cluir.

Do por­to, sa­em car­guei­ros com te­tris de con­ten­to­res. Na­tal é a se­gun­da mai­or ex­por­ta­do­ra de ca­ma­rão, de­pois de For­ta­le­za. Mas da­qui tam­bém sa­em to­ne­la­das de fru­tas pa­ra a Eu­ro­pa, sal, açú­car, pei­xe. Con­ti­nua a ser um dos prin­ci­pais mo­to­res eco­nó­mi­cos da ci­da­de, a par do “tu­ris­mo e do pes­ca­do”, vai con­tan­do Gel en­quan­to atra­ves­sa­mos a zo­na mais an­ti­ga de Na­tal, da Ri­bei­ra à Ci­da­de Al­ta. Fun­da­da no fi­nal do sé­cu­lo XVI nes­te mor­ro so­bre o rio, são os bair­ros que con­ser­vam os edi­fí­ci­os mais an­ti­gos, al­guns de ar­qui­tec­tu­ra co­lo­ni­al por­tu­gue­sa, en­go­li­dos pe­la con­fu­são de trân­si­to e de pai­néis in­for­ma­ti­vos de to­das as co­res so­bre os pré­di­os mais re­cen­tes. Pa­ra­mos na Pra­ça An­dré Al­bu­quer­que pa­ra es­prei­tar a Igre­ja Ma­triz e es­ti­car as per­nas pe­las ru­as. Não mui­to lon­ge fi­cam os edi­fí­ci­os que di­vi­di­am os três po­de­res na ci­da­de: o tri­bu­nal, a as­sem­bleia mu­ni­ci­pal e a pre­fei­tu­ra. Mas os sons de uma ma­ni­fes­ta­ção atra­em-nos na di­rec­ção opos­ta. De­ze­nas de agen­tes de saúde ves­ti­dos com t-shirts azuis exi­gem o “cor­rec­ti­vo sa­la­ri­al que o pre­fei­to pro­me­teu e não cum­priu”.

Se­gui­mos vi­a­gem ao som do “car­ro do ovo” — “30 ovos da gran­ja por 10 re­ais”, gri­ta o al­ti­fa­lan­te so­bre o te­ja­di­lho do car­ro mi­nús­cu­lo, cai­xas em­pi­lha­das no ban­co de trás. Pró­xi­ma pa­ra­gem: praia da Pon­ta Ne­gra, do ou­tro la­do da ci­da­de. Atra­ves­sa­mos o qua­dri­cu­la­do de lo­jas da Ci­da­de Al­ta. Ali ao fun­do, fi­cam as mais ca­ras, no bair­ro de Pe­tró­po­lis, apon­ta Gel. E aqui, no cen­tro co­mer­ci­al Midway Mall, os ma­ri­dos e na­mo­ra­dos vão sem­pre des­co­brir uma tra­du­ção mais acer­ta­da pa­ra por­tu­guês do Bra­sil. “Me dei mal”, ri-se Gel. Os ar­ra­nha-céus vão-se su­ce­den­do, en­quan­to à nos­sa es­quer­da já se vê o Par­que das Du­nas, o “se­gun­do mai­or par­que ur­ba­no do país”. “Se não ti­ves­se a ve­ge­ta­ção, so­ter­ra­va Na­tal uns três me­tros de al­tu­ra.” É pos­sí­vel per­cor­rer o par­que por uma das três tri­lhas, ape­nas com um guia ou bió­lo­go. E, quem sa­be, en­con­trar o la­gar­to-de-fo­lhi­ço, um dos mais pe­que­nos rép­teis do mun­do. “Aqui é a for­mi­ga que co­me o la­gar­to.”

Cá de ci­ma, já se vê a praia e o Mor­ro do Ca­re­ca lá ao fun­do, na cur­va da baía. Pa­re­ce que um gi­gan­te pas­sou com um pen­te-ze­ro pe­la nu­ca da co­li­na, dei­xan­do uma es­tra­da de areia en­tre a ve­ge­ta­ção. An­tes pas­sa­vam por ali to­dos os mo­to­res, su­bia-se lá ci­ma pa­ra vis­tas pa­no­râ­mi­cas so­bre a ci­da­de, des­ci­am os miú­dos “à mi­la­ne­sa”. Mas a nu­ca des­pi­da foi fi­can­do côn­ca­va, ca­da vez com me­nos areia. E des­de 1984 que é proi­bi­do su­bir. O Mor­ro do Ca­re­ca, no en­tan­to, man­tém-se um dos pos­tais tu­rís­ti­cos da ci­da­de e os ve­ra­ne­an­tes aco­to­ve­lam-se pa­ra ti­rar fo­to­gra­fi­as lá em bai­xo.

Ou­tro­ra, a ma­ta atlân­ti­ca que co­bre o Par­que das Du­nas che­ga­va até aqui, alon­gan­do-se pe­la cos­ta. Mas a ci­da­de foi-se in­tro­me­ten­do, com fo­me de praia. Ho­je, con­cen­tram­se no bair­ro de Pon­ta Ne­gra cer­ca de “80% dos hotéis e pou­sa­das de Na­tal”. É a praia “mais tu­rís­ti­ca”, vai avi­san­do Gel. Con­fes­sa que pre­fe­re a tran­qui­li­da­de da praia do For­te, jun­to ao For­te dos Reis Ma­gos, na pon­ta opos­ta da or­la da ci­da­de. “Não tem tan­to ven­de­dor, os pre­ços são mais bai­xos, tem mais areia e as ro­chas cri­am uma pis­ci­na na­tu­ral na ma­ré bai­xa”, enu­me­ra quan­do pas­sa­mos por ela mais tar­de.

Fi­ca a su­ges­tão. Ago­ra é na Pon­ta Ne­gra que es­ta­mos e é es­te o úni­co are­al à dis­tân­cia de uma curta ca­mi­nha­da a par­tir da mai­o­ria dos hotéis. Por is­so, é a mais tu­rís­ti­ca, di­zia Gel. E, por is­so, é um cor­re-cor­re de ven­de­do­res. Não, obri­ga­do. Não, obri­ga­do. Não, obri­ga­do. É qua­se pre­ci­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.