Me­di­ta­ção na Ín­dia

Publico - Fugas - - FUGAS DOS LEITORES -

Nes­te lo­cal im­pe­ra­va o si­lên­cio e a tran­qui­li­da­de. Ro­de­a­do pe­la na­tu­re­za em to­do o seu es­plen­dor. Do pon­to mais al­to avis­ta­vam­se as ár­vo­res, os cam­pos e um ver­de con­tí­nuo, até ao ho­ri­zon­te. Pás­sa­ros. Não mui­tos. So­bre­tu­do uns ele­gan­tes cor­vos. Ple­nos de per­so­na­li­da­de. Con­vic­tos de que não só a ve­ge­ta­ção mas tam­bém aque­les edi­fí­ci­os lhes per­ten­ci­am.

O es­pa­ço é am­plo. Tem­plos, es­ca­da­ri­as, es­tá­tu­as, res­tau­ran­te, sa­las de me­di­ta­ção, o su­fi­ci­en­te pa­ra jus­ti­fi­car um dia in­tei­ro de per­ma­nên­cia nes­te gi­gan­tes­co tem­plo bu­dis­ta, si­tu­a­do a 70 qui­ló­me­tros, pa­ra nor­te, do cen­tro de Bom­baim, na Ín­dia.

Por aqui es­tá tu­do cal­mo. O si­lên­cio ape­nas é per­tur­ba­do pe­lo oca­si­o­nal ven­to, pe­lo on­du­lar das fo­lhas das ár­vo­res, pe­lo sal­ti­tar dos cor­vos, pe­lo de­am­bu­lar dos la­gar­tos por en­tre os ar­bus­tos e pe­las oca­si­o­nais chu­va­das, bre­ves mas mui­to in­ten­sas, tí­pi­cas do pe­río­do das mon­ções. O ca­lor im­pe­ra. A hu­mi­da­de tam­bém.

Glo­bal Vi­pas­sa­na Pa­go­da é a de­no­mi­na­ção des­te tem­plo bu­dis­ta, ré­pli­ca de um fa­mo­so tem­plo exis­ten­te na Bir­mâ­nia, Shwe­da­gon Paya, em Ran­gum.

Vi­si­tar um tem­plo bu­dis­ta, na Ín­dia, tam­bém não é sim­ples, tal a di­ver­si­da­de de deu­ses, de­mó­ni­os, ri­tu­ais, a mai­o­ria des­co­nhe­ci­dos das men­tes eu­ro­pei­as. As his­tó­ri­as e as epo­pei­as mi­le­na­res são inú­me­ras e in­trin­ca­das. Os tem­plos, fla­me­jan­te­men­te dou­ra­dos, nu­ma pro­fu­são de pi­ná­cu­los em di­rec­ção ao céu.

No pa­go­de prin­ci­pal, com ca­pa­ci­da­de pa­ra oi­to mil fiéis, sen­ta­dos no chão, de per­nas cru­za­das, só po­de en­trar quem pos­suir no seu cur­rí­cu­lo um cur­so de dez di­as de me­di­ta­ção. Nos pa­go­des se­cun­dá­ri­os, mais pe­que­nos, foi pos­sí­vel en­trar e efec­tu­ar três ses­sões de me­di­ta­ção, ao lon­go do dia, ori­en­ta­das por mon­ges que ex­pli­ca­vam os se­gre­dos des­ta me­di­ta­ção.

No in­te­ri­or do Glo­bal Vi­pas­sa­na Pa­go­da exis­tem alo­ja­men­tos on­de é pos­sí­vel per­ma­ne­cer ao lon­go de vá­ri­os di­as, num re­ti­ro de me­di­ta­ção bu­dis­ta, de­vi­da­men­te cer­ti­fi­ca­do. Es­te tem­plo tam­bém pos­sui, as­se­gu­ra­ram-nos, ver­da­dei­ras re­lí­qui­as de Bu­da, ofe­re­ci­das pe­lo go­ver­no do Sri Lan­ka.

Em 2018, o bu­dis­mo não é a re­li­gião prin­ci­pal dos in­di­a­nos, ape­sar de a ori­gem da re­li­gião bu­dis­ta es­tar pre­ci­sa­men­te na Ín­dia. A mai­o­ria pro­fes­sa a re­li­gião hin­du, se­guin­do-se a mu­çul­ma­na. O bu­dis­mo sur­ge em ter­cei­ro lu­gar, an­tes do jai­nis­mo, do cris­ti­a­nis­mo e do zo­ro­as­tris­mo.

O bu­dis­mo é um sis­te­ma re­li­gi­o­so e fi­lo­só­fi­co, fun­da­do pe­lo in­di­a­no Siddhartha Gau­ta­ma, mais co­nhe­ci­do por Bu­da, que vi­veu en­tre o ano 566 e o ano 483 a.C. No iní­cio, con­quis­tou mui­tos fiéis que tro­ca­ram o an­ti­go hin­duís­mo pe­lo no­vo bu­dis­mo mas, com o tem­po, a mai­o­ria re­gres­sa­ria ao hin­duís­mo, mui­tos con­ven­ci­dos que Bu­da não era mais do que a re­en­car­na­ção de Vish­nu, um dos prin­ci­pais deu­ses hin­dus.

De acor­do com Siddhartha Gau­ta­ma, o ob­jec­ti­vo do ho­mem se­ria atin­gir o Nir­va­na, um es­ta­do per­ma­nen­te e de­fi­ni­ti­vo de be­a­ti­tu­de, fe­li­ci­da­de e co­nhe­ci­men­to, ob­ti­do atra­vés de dis­ci­pli­na as­cé­ti­ca e da me­di­ta­ção, ex­tin­guin­do de­fi­ni­ti­va­men­te o so­fri­men­to hu­ma­no, de­si­de­ra­to al­can­ça­do por meio da su­pres­são do de­se­jo e da cons­ci­ên­cia in­di­vi­du­al.

Daí a im­por­tân­cia atri­buí­da à me­di­ta­ção no Glo­bal Vi­pas­sa­na Pa­go­da.

Pe­dro Mo­ta Cur­to

Ce­ná­rio pi­to­res­co da Fun­da­ção Cham­pa­li­maud cap­ta­do pe­la len­te do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.