His­tó­ri­as em fras­cos e ti­ge­las de loi­ça

Publico - Fugas - - GASTRONOMIA -

O por­tão da ga­ra­gem es­tá es­can­ca­ra­do. Aos pou­cos, co­mo nu­ma inau­gu­ra­ção pom­po­sa, afas­ta-se o pa­no ver­de e des­ta­pa-se um Vol­vo Ama­zon azu­lão, mo­de­lo mo­der­no quan­do fa­bri­ca­do en­tre 1956 e 1970, pri­mei­ro Vol­vo com car­ro­ça­ria do es­ti­lo bar­ca­ça, du­as en­tra­das de ar ovais à fren­te e ai­le­rons tra­sei­ros pro­lon­ga­dos que ter­mi­nam co­mo a pon­ta de uma bar­ba­ta­na. José Luís No­ro­nha sor­ri ao recordar mo­men­tos da sua ju­ven­tu­de ao vo­lan­te do Ama­zon, tra­vão de mão à es­quer­da e ou­tros de­ta­lhes de­li­ci­o­sos. O clás­si­co ocu­pa sen­si­vel­men­te um ter­ço da ga­ra­gem. No res­to man­dam as abó­bo­ras gi­gan­tes ver­des e cor­de-la­ran­ja vi­vo e os sa­cos de re­de chei­i­nhos de mar­me­los.

Qual das me­mó­ri­as a mais in­ten­sa? A res­pos­ta (ain­da) não es­tá na pon­ta da lín­gua de José, que de­ci­diu per­pe­tu­ar o chei­ro e os sa­bo­res da mar­me­la­da, das com­po­tas, das ge­lei­as e dos bis­coi­tos que se fa­zi­am quan­do era miú­do. “São as mi­nhas me­mó­ri­as”, su­bli­nha. “Os chei­ros e os sa­bo­res são os mes­mos por­que os pro­du­tos são os mes­mos tam­bém”, ex­pli­ca o cri­a­dor da mar­ca Me­mó­ri­as, es­pe­ci­a­lis­ta em mar­me­la­das, ge­leia de mar­me­lo e com­po­tas de ce­re­ja, amei­xa (bran­ca e ver­me­lha), fi­go, abó­bo­ra, ma­çã, pê­ra, pês­se­go, chi­la, to­ma­te, mir­ti­lo e fram­bo­e­sa, pa­ra além dos bis­coi­tos de mi­lho e de tri­go. “Em vez de es­cre­ver as mi­nhas me­mó­ri­as e de as edi­tar em li­vro, dei­xo-as em fras­cos e ti­ge­las.”

A azá­fa­ma e o chei­ro a mar­me­los co­zi­dos inun­da to­das as di­vi­sões do rés-do-chão da ca­sa de fa­mí­lia que já foi “um pa­lhei­ro”, “a zo­na do por­co aqui e da va­ca ali”, apon­ta José, ro­dan­do o bra­ço co­mo o pon­tei­ro de um re­ló­gio, re­cu­an­do no tem­po em que a “com­po­ta ca­sei­ra era fei­ta por pes­so­as”, “aos pe­da­ços, clás­si­ca”. É as­sim que a man­tém. Tra­di­ci­o­nal. “Há qu­em fa­ça com cas­ca, que al­te­ra a cor. Es­ta é mais cla­ri­nha.”

A co­zi­nha pa­re­ce o fos­so de uma or­ques­tra em afi­na­ções. Fá­ti­ma Bran­co é a úni­ca fun­ci­o­ná­ria efec­ti­va. Tra­ba­lha aqui há 14 anos. “Quan­do há pro­du­ção cha­ma­mos pes­so­as a di­as”, diz. Fi­li­pa, Ro­sa e Car­mo, ba­tas xa­drez e lu­vas de tra­ba­lho cal­ça­das — por­que a com­bi­na­ção de fa­ca e mar­me­los não é ma­cia — não pa­ram, cir­cu­lam en­tre ta­re­fas: cor­tar os mar­me­los em qua­tro par­tes, des­cas­cá-los e ge­rir o en­che/es­va­zia das me­ga­pa­ne­las va­po­ro­sas en­tre co­a­do­res e um pas­se vi­te, uma es­pé­cie de ro­da do le­me des­te na­vio. “À an­ti­ga”, vai-se re­pe­tin­do pe­la co­zi­nha — co­mo o mi­lho dos bis­coi­tos que ain­da é moí­do num moi­nho jun­to ao ri­bei­ro. “As pes­so­as ago­ra abre­vi­am mui­to. Co­zem o mar­me­lo, pas­sam-lhe a va­ri­nha má­gi­ca e fi­ca um cre­me. Os mar­me­los aqui são ra­la­dos à mão no pas­se vi­te”, ex­pli­ca Fá­ti­ma. “Di­zem que é is­so que faz a di­fe­ren­ça.” Is­so “e o mar­me­lo”. Es­ta equi­pa po­dia usar “um mar­me­lo mui­to gran­de, mui­to li­si­nho e ma­cio”, mas “a mar­me­la­da não fi­ca­va tão sa­bo­ro­sa”. Fá­ti­ma e as su­as aju-

FO­TOS: AN­DRÉ RODRIGUES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.