A ma­la­gue­ta que quer “dar pi­ca a Por­tu­gal”

Publico - Fugas - - GASTRONOMIA -

“Há aqui um ta­lho que ven­de imen­so” e “vai bem com car­ne” não são fra­ses que as­so­ci­e­mos a do­ces ou com­po­tas. O in­gre­di­en­te prin­ci­pal é tu­do me­nos pa­cí­fi­co, o no­me do pro­jec­to é uma pro­vo­ca­ção e a “mis­são” tra­duz mui­to da sua fi­lo­so­fia. O do­ce de ma­la­gue­ta Mal­cri­a­do quer “dar pi­ca a Por­tu­gal”.

Ma­la­gue­ta. Es­ta­mos to­dos a fa­lar da mes­ma coi­sa. Subs­tan­ti­vo fe­mi­ni­no: “Ar­bus­to da fa­mí­lia das so­la­ná­ce­as, que pro­duz co­mo fru­to um pi­men­to de for­ma­to oblon­go”. “As pes­so­as con­ti­nu­am a fi­car sur­pre­en­di­das por ser do­ce”, diz João Re­be­lo, 31 anos. “À par­ti­da, não faz sen­ti­do”, pa­la­vra de Jo­a­na Lo­pes, tam­bém 31. “Já vi­mos imen­sos do­ces de ou­tras coi­sas com ma­la­gue­ta, do­ce de abó­bo­ra com ma­la­gue­ta... do­ce de mo­ran­go com ma­la­gue­ta... mas fal­ta­va al­gu­ma au­dá­cia. A mai­o­ria das pes­so­as não pen­sa num do­ce com um bi­fe ou com um ham­búr­guer. O Mal­cri­a­do não é pa­ra o pe­que­no-al­mo­ço. O Mal­cri­a­do é pa­ra ser co­mi­do com uma car­ne for­te.”

O Mal­cri­a­do, di­zem os seus in­ven­to­res, “é um as­sal­to aos sen­ti­dos, são du­as cha­pa­das na ca­ra e um pon­ta­pé no ra­bo a ca­da gar­fa­da”. O Mal­cri­a­do é, no li­mi­te, uma per­so­na­gem com uma his­tó­ria.

“Eu nas­ci no país do vi­nho. O meu pai faz vi­nho co­mo o meu avô fa­zia. Os meus ti­os, os ami­gos e até o meu vi­zi­nho, to­dos eles fa­zem vi­nho. Mas des­de que eu sou pe­que­no e pus de la­do as chu­pe­tas, que eu so­nha­va em cres­cer pa­ra plan­tar ma­la­gue­tas. E quan­do o dia che­gou em que eu ti­ve que fa­zer vi­nho, nun­ca me en­tu­si­as­mou nem achei in­te­res­san­te. Mes­mo sem nin­guém sa­ber, se­gui a so­nhar so­zi­nho que ain­da, um dia qual­quer, eu ia fa­zer pi­can­te. Por en­tre as vi­nhas plan­tei es­sa plan­ta proi­bi­da, e em noi­tes de lua cheia, mes­mo an­tes da vin­di­ma, eu saía pe­la ja­ne­la, e ia co­lher a mais be­la da ma­la­gue­ta es­con­di­da. Pus-lhe sal e a aguar­den­te, que o meu pai ti­nha no la­gar, e guar­dei tu­do num bar­ril dos que nin­guém ia usar. E as­sim um ano pas­sou, sem nin­guém des­con­fi­ar que eu es­ta­va a fa­zer o pi­can­te, que me atre­vi a so­nhar. Um dia meu pai lem­brou-se, tal­vez por cu­ri­o­si­da­de, de pro­var da­que­le bar­ril, por tan­to tem­po ig­no­ra­do, e mes­mo co­mi­go ao la­do, pôs o de­do na tor­nei­ra, eu per­ma­ne­ci ca­la­do, ele pro­vou des­con­fi­a­do:

— F ****** ! C ****** ! Dis­se.

— O que é is­to aqui guar­da­do. — Não ti­nha no­me, meu pai. Mas ago­ra é Mal­cri­a­do!

Vi­la Re­al. A Fu­gas foi re­ce­bi­da na La­te­ral, agên­cia de cri­a­ti­vos on­de tu­do acon­te­ceu há mais ou me­nos cin­co anos, en­tre qua­tro ami­gos e um ter­re­no. Nin­guém per­ce­bia na­da de agri­cul­tu­ra, de do­ces ou de ma­la­gue­tas. Foi uma “ideia ma­lu­ca”, re­cor­da Jo­a­na. Se­me­a­ram ma­la­gue­tas. An­da­vam à pro­cu­ra de um mo­lho pi­can­te — ain­da an­dam. “En­tre­ti­dos”, o Da­ni­el, de Bor­be­la, e a mãe, “que fa­zia com­po­tas”, fi­ze­ram “um do­ce num fras­qui­nho”. “Ain­da não tí­nha­mos o mo­lho e já tí­nha­mos o do­ce”, re­cor­da João, que co­me­çou “a dar uma de agri­cul­tor ao fim do dia”.

Ten­ta­ram “não sei quan­tas es­pé­ci­es” e escolheram a ma­la­gue­ta Cai­e­na e a ma­la­gue­ta Por­tu­gue­sa. Jo­a­na e João fa­lam de “qua­tro mil pés”. “Mes­mo pe­din­do a ami­gos pa­ra apa­nhar ma­la­gue­tas, não con­se­gui­mos apa­nhar tu­do”, as­su­me Jo­a­na. “Pro­du­zi­mos mais do que po­de­mos apa­nhar. Uma pes­soa sen­ta-se ali uma ho­ra a apa­nhar ma­la­gue­tas”, com­ple­ta João, lem­bran­do que se tra­ta de um fru­to “mui­to pro­du­ti­vo”, prin­ci­pal­men­te no pri­mei­ro ano. “Po­de­mos pas­sar o In­ver­no a co­lher até a pri­mei­ra ge­a­da”, ex­pli­ca. Por is­so, e por ha­ver um excedente e mui­ta “pol­pa pa­ra tra­ba­lhar”, a co­lhei­ta é fei­ta de dois em dois anos. Tam­bém por­que es­ta­mos a fa­lar de um pro­jec­to “pe­que­ni­no”. “É um hobby au­to-sus­ten­tá­vel que não de­sen­vol­ve­mos a tem­po in­tei­ro, mas que va­mos de­sen­vol­ven­do ao lon­go do tem­po”, di­zem.

De­pois de co­lhi­da, a ma­la­gue­ta fres­ca é ime­di­a­ta­men­te tri­tu­ra­da e con­ser­va­da em aguar­den­te ví­ni­ca, 77 graus de vo­lu­me de ál­co­ol, “a mes­ma que é usa­da no Vi­nho do Por­to — o pro­du­to fi­nal não tem ál­co­ol. “E fi­ca a en­ve­lhe­cer”, di­zem os po­li­va­len­tes João e Jo­a­na, res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção, trans­for­ma­ção, mar­ke­ting e ven­das do Mal­cri­a­do, com uma me­da­lha No­vas Idei­as Acre­di­ta Por­tu­gal e um pla­no de lan­çar no mer­ca­do o sal pi­can­te, já na for­ja.

Tra­di­ci­o­nal q.b., o Mal­cri­a­do é con­fec­ci­o­na­do com a aju­da de uma co­zi­nha do­més­ti­ca de­vi­da­men­te li­cen­ci­a­da e uma pa­ne­la. “A coi­sa mais in­dus­tri­a­li­za­da que te­mos é uma va­ri­nha má­gi­ca de can­ti­na e uma má­qui­na que man­dá­mos vir da Chi­na que nos per­mi­te en­cher os fras­cos um a um sem su­jar tu­do e com as do­ses cor­rec­tas”, ex­pli­ca João Re­be­lo. Às tan­tas, e de­pois de co­lo­ca­do no pre­pa­ra­do “o tru­que” (que é re­ti­ra­do no fim da re­cei­ta), a ma­la­gue­ta é co­zi­nha­da “mui­to, mui­to len­ta­men­te” até atin­gir o pon­to de açú­car. O Mal­cri­a­do, po­de ler-se no fras­qui­nho de 65ml (cin­co eu­ros), “é ide­al pa­ra acom­pa­nhar com quei­jos e en­chi­dos, uti­li­zar em re­fo­ga­dos pa­ra ar­roz malandro de to­ma­te ou ma­ris­co, tem­pe­ro de car­nes, acom­pa­nha­men­to de piz­zas, pas­tas, ham­búr­gue­res, fran­ce­si­nhas, ca­ma­rão e dar uso à imaginação.”

“O meu pai já co­meu com pão-de­ló e Quei­jo da Ser­ra”, brin­ca Jo­a­na. “À co­lher era ter­rí­vel”, diz, mui­to a sé­rio, João. O Mal­cri­a­do é bom pa­ra pi­car en­tre ami­gos. L.O.C.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.