Dei­xei o cha­péu em ca­sa, e ago­ra?

Publico - Fugas - - ALMATY -

E se, por ra­zões ge­o­po­lí­ti­cas, ou ou­tras me­nos ex­plí­ci­tas, fos­se de­ci­di­da a trans­fe­rên­cia da ca­pi­tal por­tu­gue­sa de Lis­boa pa­ra Frei­xo­de-Es­pa­da-à-Cin­ta? Foi al­go mais ou me­nos com­pa­rá­vel o que acon­te­ceu há exac­ta­men­te vin­te anos, quan­do, após a de­sa­gre­ga­ção da URSS e a de­cla­ra­ção de in­de­pen­dên­cia do Ca­za­quis­tão, se de­ci­diu a mu­dan­ça da ca­pi­tal do país pa­ra a vi­zi­nhan­ça da pe­que­na e anó­ni­ma Ak­mo­la, mais de mil qui­ló­me­tros pa­ra nor­te, no meio da es­te­pe. Al­maty, no ex­tre­mo sul do ter­ri­tó­rio, vi­zi­nha das fron­tei­ras com o Quir­guí­zia e o Uz­be­quis­tão, per­deu o es­ta­tu­to de ca­pi­tal, mas con­ti­nua ser a mai­or ci­da­de do Ca­za­quis­tão, a mais po­pu­lo­sa (bas­tan­te mais do que As­ta­na, a nova ca­pi­tal), e, so­bre­tu­do, man­tém a es­ti­má­vel con­di­ção de re­ser­va cul­tu­ral do país, com os seus mais de trin­ta mu­seus, in­cluin­do o mai­or mu­seu de be­las ar­tes do Ca­za­quis­tão e um ou­tro de­di­ca­do a “li­vros ra­ros” e com um im­pres­si­o­nan­te acer­vo de cin­co mil edi­ções. Não me­nos re­le­van­te é a au­ra da cena te­a­tral da ci­da­de, que aco­lheu, du­ran­te a Se­gun­da Gran­de Gu­er­ra, en­ce­na­do­res, ac­to­res e ou­tra gen­te das ar­tes e das le­tras de Ki­ev, Mos­co­vo e São Pe­ters­bur­go.

Trans­fe­riu-se a ad­mi­nis­tra­ção pa­ra a es­te­pe e a mu­dan­ça não pa­re­ce de to­do mal num país que foi de nó­ma­das — Ca­za­quis­tão po­de tra­du­zir-se mais ou me­nos por ter­ra de an­da­ri­lhos. A his­tó­ria do que fi­cou pa­ra trás, uma cor­ren­te­za de an­dan­ças por in­fi­ni­tas es­te­pes e de­ser­tos que fi­gu­ra­vam, tam­bém, nos in­trin­ca­dos ma­pas da Ro­ta da Se­da, guar­da-a, em tes­te­mu­nhos ma­te­ri­ais, ar­te­fac­tos e elu­ci­da­ções re­tros­pec­ti­vas, o Mu­seu Cen­tral do Ca­za­quis­tão, lá pa­ra as ban­das do an­ti­go pa­lá­cio pre­si­den­ci­al. Não que Al­maty se­ja um(a) Ve­lho(a) do Restelo, en­ca­fu­a­do(a) em me­mó­ri­as de mu­seu ou em re­ve­ren­ci­ais si­lên­ci­os de sa­cris­tia. A Al­ma-Ata dos idos so­vié­ti­cos vi­ve no (e do) pre­sen­te e se não se ar­ma em fu­tu­ris­ta high-te­ch, co­mo As­ta­na, o que por ali se vi­ve tem mui­to de la­bor he­do­nis­ta. Os seus mo­ra­do­res ar­ti­cu­lam tra­ba­lho, ge­ra­ção de ri­que­za, es­tu­dam (é uma ci­da­de uni­ver­si­tá­ria, com o seu ela­bo­ra­do te­a­tro de li­vra­lha­da e exa­mes) e ain­da ar­ran­jam tem­po pa­ra ar­tes, la­ze­res e co­po­fo­ni­as — por (qua­se) to­da a par­te en­con­tra­mos es­pla­na­das, be­los ca­fés e ba­res, me­nos es­tá­ti­cos ou re­vi­va­lis­tas do que de fran­co tim­bre con­tem­po­râ­neo. E, por uma vez, uma ma­ni­fes­ta­ção de fu­tu­ris­mo: o no­vís­si­mo Me­tro, pa­ra já com ape­nas uma li­nha, tem uma es­ta­ção com uma at­mos­fe­ra “es­pa­ci­al”. É a es­ta­ção Bay­ko­nur, que evo­ca a fa­mo­sa ba­se so­vié­ti­ca de lan­ça­men­to de veí­cu­los ae­ro­es­pa­ci­ais lo­ca­li­za­da no Su­do­es­te do país. Além das ma­té­ri­as ar­qui­tec­tó­ni­cas, os pas­sa­gei­ros po­dem ad­mi­rar con­ti­nu­a­men­te nu­ma pro­jec­ção gi­gan­te, ao fun­do da es­ta­ção, fil­ma­gens do lan­ça­men­to de fo­gue­tões.

Pa­ra o fo­ras­tei­ro, as atrac­ções lo­cais em Al­maty são mui­to mais do que is­so: têm co­ta­ção uni­ver­sal. E são me­ni­nas pa­ra se­du­zir sen­si­bi­li- da­des va­ri­a­das: pen­se-se no de­di­ca­do aman­te da na­tu­re­za, no idó­la­tra va­ga­men­te pan­teís­ta de pa­no­ra­mas de ca­len­dá­rio com pi­cos ne­va­dos e flo­res­tas nos so­pés, no afi­ci­o­na­do dos des­por­tos de In­ver­no — es­qui, pa­ti­na­gem, al­pi­nis­mo, etc. —, mas tam­bém na­que­les in­ve­te­ra­dos cu­ri­o­sos pe­lo le­ga­do ar­qui­tec­tó­ni­co so­vié­ti­co, ape­nas um pou­co me­nos ri­co que o da sua con­gé­ne­re Bi­ch­kek, a ca­pi­tal do vi­zi­nho Quir­guí­zia.

Na ter­ra da gran­de ma­çã

An­tes da co­lo­ni­za­ção rus­sa, Al­maty era um lu­gar de exí­lio. Na ver­da­de, as dis­tân­ci­as no Ca­za­quis­tão — fre­quen­te­men­te per­cor­ri­das em vi­a­gens por ter­ra que exi­gem quin­ze, vin­te ou mais ho­ras — ain­da nos pa­re­cem ru­mo a lu­ga­res de exí­lio. Na­da com­pa­ra­do, ain­da as­sim, com os tem­pos em que Trotsky foi exi­la­do de Mos­co­vo e con­fi­na­do ao os­tra­cis­mo de Al­maty, há exac­ta­men­te 90 anos, em 1928. A ca­pi­tal da URSS fi­ca­va a mui­tos di­as de vi­a­gem, a uns qua­tro mil qui­ló­me­tros, e o lu­ga­re­jo era um pu­nha­do de ru­as en­la­me­a­das e cães va­di­os, afec­ta­do por ma­lá­ria e le­pra, à es­pe­ra de um mi­la­gre que lhe per­mi­tis­se de­sa­fi­ar o des­ti­no — o que vi­ria a acon­te­cer sob a for­ma da ins­ta­la­ção, ali, do go­ver­no do Ca­za­quis­tão so­vié­ti­co e da che­ga­da da li­nha fér­rea, que até es­sa al­tu­ra ter­mi­na­va em Frun­ze, co­mo se cha­ma­va nes­sa al­tu­ra a ca­pi­tal da Quir­guí­zia.

Nas ime­di­a­ções ha­via es­te­pe, mas tam­bém ter­re­nos fér­teis e uma va­rie-

DR

O no­vís­si­mo Me­tro, pa­ra já com ape­nas uma li­nha, tem uma es­ta­ção com uma at­mos­fe­ra “es­pa­ci­al”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.