No par­que Pan­fi­lov, um dos mui­tos par­ques e jar­dins que povoam Al­maty, um fron­do­so ar­vo­re­do lan­ça som­bra so­bre os rel­va­dos

Publico - Fugas - - ALMATY -

Ásia Cen­tral. À bei­ra do Par­que Pan­fi­lov, o Mu­seu de Ins­tru­men­tos Mu­si­cais glo­ri­fi­ca uma pa­nó­plia de ins­tru­men­tos — a co­lec­ção reú­ne mais de um mi­lhar — que fo­ram que­ri­dos por nó­ma­das que já não exis­tem. Há qu­em to­que dom­bra, o ins­tru­men­to de du­as cor­das ain­da mui­to popular na Ásia Cen­tral, mas a mú­si­ca que mais se ou­ve pa­re­ce ser a do K-pop lo­cal, bom imi­ta­dor do ori­gi­nal sul-co­re­a­no e de gran­de su­ces­so en­tre a ju­ven­tu­de ur­ba­na ca­za­que, que a olho nu pou­co se dis­tin­gue das su­as con­gé­ne­res eu­ro­pei­as — nos mo­dos de ves­tir, nos com­por­ta­men­tos, nos gos­tos e pa­drões de con­su­mo.

A Go­gol põe-nos à por­ta do par­que Pan­fi­lov, on­de um fron­do­so ar­vo­re­do lan­ça som­bra so­bre os rel­va­dos. É um dos mui­tos par­ques e jar­dins que povoam Al­maty e que são uma he­ran­ça do ur­ba­nis­no so­vié­ti­co. A som­bra é, aliás, per­ma­nen­te com­pa­nhia do ca­mi­nhan­te, aqui co­mo em Bi­ch­kek e Tas­ch­kent, ou­tras ci­da­des da Ásia Cen­tral mar­ca­das pe­lo ti­po de pla­ni­fi­ca­ção ur­ba­na so­vié­ti­ca e ple­nas de es­pa­ços ver­des. Ja­mais se an­da ao sol: pa­ra­le­los às ave­ni­das há am­plos pas­sei­os som­bre­a­dos por gran­des ár­vo­res, e em pra­ti­ca­men­te to­dos os quar­tei­rões, nu­ma ma­lha ur­ba­na de­se­nha­da em qua­drí­cu­la, po­de­mos ca­mi­nhar, dis­tan­tes do ruí­do do trá­fe­go au­to­mó­vel, por ru­e­las imer­sas em man­chas ge­ne­ro­sas de som­bra que se­pa­ram os edi­fí­ci­os ha­bi­ta­ci­o­nais. É uma das mais amá­veis ima­gens de Al­maty: com tan­to ar­vo­re­do, po­de­mos es­que­cer o cha­péu em ca­sa ou no quar­to do ho­tel e fi­car des­can­sa­dos, que só nos cru­za­men­tos ha­ve­rá ra­zão pa­ra al­guém se quei­xar do sol.

Mas so­bre­vém uma de­cep­ção nes­te pas­seio pe­lo par­que Pan­fi­lov, fa­mo­so pe­lo me­mo­ri­al ao sa­cri­fí­cio ca­za­que na Se­gun­da Gran­de Gu­er­ra, ex­pres­so sob a for­ma de uma cha­ma “eter­na” e de mo­nu­men­tais es­cul­tu­ras re­a­lis­tas: a or­to­do­xa Zhen­kov, a Ca­te­dral da As­cen­são, um dos íco­nes da ci­da­de, es­tá mer­gu­lha­da em obras de re­no­va­ção, co­ber­ta de an­dai­mes. Só uma par­te das cú­pu­las bri­lha ao sol. Os gran­des pai­néis que du­ran­te a in­ter­ven­ção ro­dei­am o tem­plo, fran­co exem­plar da ar­qui­tec­tu­ra re­li­gi­o­sa rus­sa, são uma mo­des­ta com­pen­sa­ção pa­ra as ex­pec­ta­ti­vas do vi­si­tan­te. À vol­ta, man­tém-se o fre­ne­sim ca­rac­te­rís­ti­co dos es­pa­ços pú­bli­cos de Al­maty, qui­os­ques de fast-fo­od, ge­la­ta­ri­as, ven­de­do­res am­bu­lan­tes, brin­que­dos pa­ra alu­gar e ven­der e cri­an­ça­da em jú­bi­lo, ou­tra mú­si­ca que mui­to se ou­ve nos jar­dins e par­ques de Al­maty.

Um ba­zar da Ásia Cen­tral

Ao ba­zar se po­de ir ca­mi­nhan­do pe­la Push­kin, a mes­ma rua que vai dar à mes­qui­ta cen­tral, cu­ja en­tra­da re­pro­duz um es­ti­lo ar­qui­tec­tó­ni­co popular na Ásia Cen­tral, co­nhe­ci­do so­bre­tu­do no Tur­kes­tan (uma ci­da­de his­tó­ri­ca do Sul do Ca­za­quis­tão) e, su­per­la­ti­va­men­te, em Bukha­ra e Sa­mar­can­da, no Uz­be­quis­tão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.