Um res­tau­ran­te que mos­tra a ou­tra ver­são de Pris­cos

Publico - Fugas - - O ROCHEDO - José Au­gus­to Mo­rei­ra

Pro­du­tos fres­cos e com evi­den­tes preocupações de ori­gem e qua­li­da­de num res­tau­ran­te que de­sa­fia cri­té­ri­os e con­ven­ções

O no­me de Pris­cos põe-nos em res­pei­to. A pa­ró­quia que deu a co­nhe­cer uma das mais fas­ci­nan­tes fi­gu­ras da cu­li­ná­ria na­ci­o­nal não guar­da me­mó­ria do cé­le­bre aba­de ou das su­as re­cei­tas, mas bas­ta a evo­ca­ção do no­me pa­ra es­pe­vi­tar o pa­la­to, cri­ar cu­ri­o­si­da­de e ex­pec­ta­ti­va gas­tro­nó­mi­ca.

É em Pris­cos que es­tá O Ro­che­do, uma ca­sa de fei­ções mo­der­nas, que ofe­re­ce pro­du­tos fres­cos e com evi­den­tes preocupações de ori­gem e qua­li­da­de. Du­as sa­las am­plas

(uma em cave), bem pos­tas e aco­lhe­do­ras e ape­la­ti­vo con­tex­to de res­tau­ran­te, se bem que a ca­sa se apre­sen­te tam­bém co­mo ma­ris­quei­ra e snack bar.

E per­ce­be-se lo­go à pri­mei­ra im­pres­são que por trás des­sa ape­la­ti­va fa­ce de res­tau­ran­te há to­da a al­ma, es­pí­ri­to e di­nâ­mi­ca de snack. Nem ras­to ou me­mó­ria do aba­de ou das su­as ela­bo­ra­das re­cei­tas, a ofer­ta pri­vi­le­gia a in­ter­ven­ção cu­li­ná­ria mí­ni­ma e a par­tir de mariscos, peixes e car­nes gre­lha­das.

A co­zi­nha de ta­cho fi­ca-se pe­lo ar­roz de mariscos e a cal­dei­ra­da de peixes, sen­do que as­sa­dos ou ou­tros pra­tos da cu­li­ná­ria re­gi­o­nal tam­bém po­dem apa­re­cer em di­as fes­ti­vos ou por en­co­men­da an­te­ci­pa­da. Há, no en­tan­to, os ar­ro­zes cal­do­sos que acom­pa­nham a ge­ne­ra­li­da­de dos pra­tos pa­ra com­pro­var a com­pe­tên­cia nos fo­gões e as ap­ti­dões cu­li­ná­ri­as da ca­sa. Per­fei­tos, fei­tos ao mo­men­to e ser­vi­dos em ta­chi­nhos de fer­ro.

Pou­co con­ven­ci­o­nal é tam­bém a car­ta. Uma pe­que­na en­ca­der­na­ção em pa­pel bri­lhan­te e lu­xu­o­so, que co­me­ça pe­las so­bre­me­sas. Con­ti­nua de­pois pe­las car­nes, peixes, mariscos e alon­ga-se nas pro­pos­tas de vi­nhos, que, mes­mo sen­do ex­ten­sas, em pou­co re­flec­tem a gran­de va­ri­e­da­de que se vê ex­pos­ta por am­bas as sa­las ao jei­to de de­co­ra­ção.

É o ca­so da sala prin­ci­pal on­de, lo­go à en­tra­da e por ci­ma da con­vi­da­ti­va vi­tri­na fri­go­rí­fi­ca com peixes e mariscos, se in­si­nua gran­de va­ri­e­da­de de cham­pa­nhes, in­cluin­do al­guns dos mais co­nhe­ci­dos e re­pu­ta­dos ró­tu­los.

A pri­mei­ra evi­dên­cia é a de que há ma­té­ria e qua­li­da­de, mes­mo que ao ar­re­pio das con­ven­ções e cri­té­rio. Qua­li­da­de co­mo a do “Pre­sun­to” (5€), que foi ser­vi­do lo­go de iní­cio, em quan­ti­da­de ge­ne­ro­sa de fa­ti­as em cor­te gros­sei­ro à mo­da tra­di­ci­o­nal mi­nho­ta, em con­tras­te com o cri­té­rio dos “Qu­ei­ji­nhos” (2€) que o com­ple­men­ta­vam. Fla­men­go do ti­po mais bá­si­co em cu­bi­nhos ole­a­dos com azei­te e oré­gãos.

Os pes­ca­dos, in­for­ma­ram, são di­a­ri­a­men­te es­co­lhi­dos nas lo­tas de Pó­voa de Var­zim e/ou An­gei­ras, co­mo atesta a fres­cu­ra lu­mi­no­sa de quan­to se dá a mos­trar na vi­tri­na fri­go­rí­fi­ca. De­li­ci­o­so o ca­ma­rão da cos­ta, que li­te­ral­men­te se de­vo­rou en­quan­to eram pre­pa­ra­dos os fi­le­tes de pes­ca­da. Co­ze­du­ra mí­ni­ma e sa­bor a ma­re­sia, mes­mo que te­nha ha­vi­do o cui­da­do de in­for­mar que eram da pes­ca­ria da vés­pe­ra e não o te­nham in­cluí­do na con­ta fi­nal.

Pri­mo­ro­sos os “Fi­le­tes de pes­ca­da dou­ra­da” (16€), em três su­cu­len­tos na­cos do lom­bo do pei­xe e fri­tu­ra im­pe­cá­vel e es­cor­ri­da em fi­na co­ber­tu­ra de ovo e fa­ri­nha. Acom­pa­nha­ram com ba­ta­ta fri­ta — de pa­li­tos es­cor­ri­dos cor­ta­dos na ho­ra —, ta­chi­nho de ar­roz bran­co e se­co, e vis­to­sa sa­la­da com to­ma­te, al­fa­ces e pe­pi­no.

Es­go­ta­do o pei­xe-ga­lo fri­to, foi pro­pos­ta a al­ter­na­ti­va em ro­do­va­lho (22€). Pei­xe em ti­ras de fri­tu­ra exem­plar (ex­te­ri­or cro­can­te e car­ne su­cu­len­ta), a con­ven­cer lo­go pe­los aro­mas gu­lo­sos mas com o com­ple­men­to do ar­roz malandro (em ta­chi­nho, cla­ro!) de to­ma­te com grelos e ovas de pei­xe. Co­zi­nha pura!

Pa­ra lá da va­ri­e­da­de de mariscos (sa­pa­tei­ra, amêi­jo­as, la­gos­ta, la­va­gan­te e ca­ma­rões), com pre­ços a va­ri­ar por qui­lo e con­so­an­te as pre­pa­ra­ções, a ofer­ta de peixes co­mo ro­ba­lo, ro­do­va­lho, cher­ne ou tam­bo­ril alar­ga-se ain­da aos ba­ca­lhaus — à la­ga­rei­ro e re­che­a­do (fri­to com ce­bo­la­da) — e pol­vo.

Quan­to às car­nes, do lom­bo ou da va­zia, são pro­pos­tas em pos­ta (12,50€), bi­fe à Ro­che­do (12,50€), cos­te­le­tão (14€). Op­tá­mos pe­lo “Na­co de boi” (13/26€), que che­gou à me­sa cor­ta­do em ti­ras lar­gas de tex­tu­ra ma­cia e ave­lu­da­da, car­ne de cor púrpura car­re­ga­da, su­cu­len­ta e sa­bor con­cen­tra­do. Um pri­vi­lé­gio, tan­to pe­la qua­li­da­de da car­ne co­mo pe­lo ri­gor de con­fec­ção. Acom­pa­nhou com ba­ta­ta a mur­ro com azei­te e alho e fei­jão ver­de co­zi­do.

Ofer­ta de so­bre­me­sas cor­ri­quei­ra, com tar­te de ma­çã acei­tá­vel e o pu­dim (4€) que é bem uma ou­tra ver­são do Aba­de de Pris­cos.

Em es­pa­ço am­plo, com de­co­ra­ção e apre­sen­ta­ção mo­der­nas, mo­bi­liá­rio con­for­tá­vel e bai­xe­la atrac­ti­va que lhe con­fe­rem ares de res­tau­ran­te fi­dal­go, o Ro­che­do não es­con­de o es­pí­ri­to, a al­ma e a di­nâ­mi­ca de snack , que lhe mar­cam o ca­rác­ter, do ser­vi­ço à ofer­ta cu­li­ná­ria. E, a par da fres­cu­ra e qua­li­da­de dos pro­du­tos, es­sa é a sua mar­ca iden­ti­tá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.