Sar­de­nha, um pos­tal com vi­da

Publico - Fugas - - FUGAS DOS LEITORES -

Sen­ta­da num mu­ro de pe­dra, es­pe­ra­va Fa­bri­zio, que nos da­ria as cha­ves do nos­so apar­ta­men­to, en­quan­to ob­ser­va­va com uma pon­ti­nha de in­cre­du­li­da­de e des­lum­bra­men­to a pai­sa­gem des­co­nhe­ci­da à mi­nha vol­ta, com o le­ve ba­ru­lho de fun­do das on­das a em­ba­te­rem nas ro­chas, me­tros abai­xo dos meus pés. Acho que ain­da não ti­nha in­te­ri­o­ri­za­do to­tal­men­te que es­ta­va ali, on­de pa­re­cia que tu­do, des­de o ar que res­pi­ra­va até ao chão que me su­por­ta­va, era di­fe­ren­te e, ao mes­mo tem­po, es­tra­nha­men­te fa­mi­li­ar, co­mo se ti­ves­se um eco da­que­la pai­sa­gem pre­sen­te na mi­nha me­mó­ria. En­tre­tan­to, Fa­bri­zio lá se fez apa­re­cer, do­bran­do cal­ma­men­te a cur­va na sua Ves­pa bran­ca e apre­sen­tan­do­se com um pe­di­do de des­cul­pas em in­glês ma­car­ró­ni­co e um gran­de sor­ri­so na ca­ra.

A vi­la era, de fac­to, mui­to bo­ni­ta, des­de o seu pe­que­no mas im­po­nen­te cas­te­lo lá no al­to, até às vi­e­las que pa­re­ci­am mul­ti­pli­car-se a ca­da pas­so da­do. O pe­que­no con­jun­to de ca­sas, de co­res vi­vas em tons ala­ran­ja­dos, en­con­tra­va-se vol­ta­do pa­ra a praia, lá em bai­xo. Es­ta ti­nha sem­pre uns pou­cos tu­ris­tas e um ou ou­tro lo­cal, mas nun­ca es­ta­va cheia, o que con­fir­mou a fe­liz sus­pei­ta de que a nos­sa vi­la ain­da não ti­nha si­do to­tal­men­te “des­co­ber­ta” (co­mo ti­nham si­do mui­tas ou­tras que vi­si­tá­mos a se­guir, cu­jas prai­as se tor­na­vam, por is­so mes­mo, qua­se im­pos­sí­veis de des­fru­tar). A mi­nha par­te fa­vo­ri­ta do dia era o pôr do Sol: aque­les fi­nais de tar­de pas­sa­dos na pis­ci­na, com um gru­po ale­gre e ba­ru­lhen­to de es­pa­nhóis ou umas cri­an­ças sor­ri­den­tes a cha­pi­nhar na água, to­dos a apro­vei­tar os úl­ti­mos rai­os de um sol que se ia es­con­den­do lan­gui­da­men­te no ho­ri­zon­te, dei­xa­ram sau­da­des.

Pas­sá­mos tam­bém uns di­as em Por­to Cer­vo, na Cos­ta Es­me­ral­da, de gran­de fa­ma, com prai­as, ru­as e es­pla­na­das mais chei­as, mas nem por is­so me­nos en­can­ta­do­ras. A vi­la não ti­nha a rus­ti­ci­da­de de Ca­tel­sar­do, mas com­pen­sa­va-o com umas prai­as lin­dís­si­mas, pro­va­vel­men­te as mais bo­ni­tas que já vi, que me fa­zi­am sen­tir co­mo se es­ti­ves­se a vi­ver num pos­tal.

Mas a Sar­de­nha não é só praia, e hou­ve um dia em que nos aven­tu­rá­mos mais pa­ra o meio da ilha, on­de aca­bá­mos por des­co­brir Nu­raghe San­tu An­ti­ne. O lo­cal es­ta­va repleto de va­ri­a­dís­si­mas cons­tru­ções pré-his­tó­ri­cas, co­mo an­tas e pe­que­nas ca­sas de pe­dra, que nun­ca dei­xam de me im­pres­si­o­nar. Acho im­pos­sí­vel não pen­sar em to­da a his­tó­ria con­ti­da na­que­las pa­re­des, não ques­ti­o­nar o que foi vi­vi­do na­que­le lo­cal, do qual na­da ou qua­se na­da sa­be­mos ao cer­to, mas que, ain­da as­sim, nos es­for­ça­mos por des­co­brir, com a pou­ca in­for­ma­ção que te­mos, co­mo se mon­tás­se­mos um puzz­le.

Num dos úl­ti­mos di­as de­ci­di­mos ir até à ilha de La Mad­da­le­na, vi­zi­nha da Sar­de­nha, a que se li­ga por uma pon­te. Aí en­con­trei mais um pe­que­no pa­raí­so. Des­cre­vê-lo, ad­mi­to, po­de so­ar es­te­re­o­ti­pa­do (praia se­mi­de­ser­ta, fi­na areia bran­ca, águas cris­ta­li­nas.), em­bo­ra sai­ba que era exac­ta­men­te is­so que pro­cu­ra­va na­que­la tar­de de fins de Agos­to. En­quan­to o sol já ia dan­do si­nais de que co­me­ça­va a afrou­xar e pre­pa­rá­va­mos as coi­sas pa­ra ir em­bo­ra, lem­bro­me de ten­tar fi­xar o mo­men­to em to­da a sua ple­ni­tu­de: um ve­lei­ro no ho­ri­zon­te, um ca­sal ale­mão a apro­vei­tar os úl­ti­mos ba­nhos de sol do Ve­rão an­tes de vol­tar pa­ra a sua ci­da­de fria e es­cu­ra, a cor do mar azul-tur­que­sa, mais in­ten­so no ho­ri­zon­te e su­a­ve jun­to à cos­ta, uma fa­mí­lia ita­li­a­na cu­ja con­ver­sa se faz ou­vir le­ve­men­te (co­mo é bom ou­vir ita­li­a­no!) e, mais uma vez, aque­la sen­sa­ção - a de vi­ver den­tro de um pos­tal.

Ana Tri­go

“Es­tou cer­to que ca­da pes­soa sen­te al­go di­fe­ren­te, pró­prio e úni­co, ao con­tem­plar a es­tra­da e a imen­si­dão, e is­so é ma­ra­vi­lho­so. Eu sin­to-me li­vre. E prin­ci­pal­men­te... vi­vo.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.