O Por­to é o “ra­to” que co­me o quei­jo do Dou­ro

Publico - Fugas - - VINHOS -

Ál­va­ro Do­min­gues pu­bli­cou no pas­sa­do do­min­go, no PÚ­BLI­CO, um ex­tra­or­di­ná­rio en­saio: “De­sem­pa­ra­dos- Pa­ra uma ge­o­gra­fia emo­ci­o­nal do in­te­ri­or”. Um zo­om hi­per-re­a­lis­ta so­bre os cha­ma­dos “ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de”. De­via ser de lei­tu­ra obri­ga­tó­ria, pa­ra se per­ce­ber co­mo che­gá­mos até aqui, com uma gran­de par­te do país a pe­nar por ter ca­lha­do “no la­do er­ra­do do ma­pa”.

Ape­nas uma ci­ta­ção: “O ci­clo vi­ci­o­so - emi­gra­ção, en­ve­lhe­ci­men­to, que­bra da na­ta­li­da­de, des­po­vo­a­men­to, es­cas­sez de ofer­ta de em­pre­go -, dei­xou a mai­o­ria do país em es­ta­do de co­ma. A ra­pi­dez do pro­ces­so pro­vo­cou um cer­to ator­do­a­men­to. Che­ga a haver es­co­las no­vas pa­ra alu­nos que não há; sem os ser­vi­ços de apoio aos ido­sos que são ca­da vez mais, e mais fra­gi­li­za­dos e ain­da mais ido­sos. O pa­ra­do­xo é que mes­mo on­de há in­ves­ti­men­tos agrí­co­las for­tes - Dou­ro Vi­nha­tei­ro, pe­rí­me­tros de re­ga do Mi­ra e do Al­que­va -, a saí­da de po­pu­la­ção con­ti­nua e o em­pre­go não apa­re­ce.”

O pa­ra­do­xo do Dou­ro, sem­pre o pa­ra­do­xo, o mes­mo que du­ran­te mui­to tem­po se ex­pli­ca­va com a fi­gu­ra do ra­to e do quei­jo, co­mo lem­bra­va num de­ba­te re­cen­te An­tó­nio Ma­ga­lhães, o res­pon­sá­vel pe­la vi­ti­cul­tu­ra da Tay­lor’s e das ou­tras em­pre­sas do gru­po Flad­ga­te Part­nership. O quei­jo era a ri­que­za do Dou­ro, o seu vi­nho; o ra­to era o “in­glês”, o co­mer­ci­an­te que com­pra­va e ven­dia o vi­nho e só ia ao Dou­ro na vin­di­ma.

Ain­da há quem in­sis­ta que a cul­pa de o Dou­ro ser uma re­gião ri­ca ha­bi­ta­da por po­bres e ve­lhos con­ti­nua a ser do pa­pão “in­glês”. Não fa­ço par­te des­se gru­po. Hou­ve um tem­po, quan­do a re­gião vi­via só do vi­nho do

Por­to e o ne­gó­cio era do­mi­na­do por fa­mí­li­as bri­tâ­ni­cas, em que es­se cha­vão po­dia fa­zer al­gum sen­ti­do. Eram elas que ti­nham o po­der de de­fi­nir os pre­ços. Foi, ba­si­ca­men­te, pa­ra com­ba­ter es­se po­der que nas­ceu a Ca­sa do Dou­ro. Ao in­ter­vir no mer­ca­do, com­pran­do os vi­nhos que não se ven­di­am, evi­ta­va as­sim uma mai­or de­gra­da­ção dos pre­ços. Mas um dia a Ca­sa do Dou­ro quis ser ela pró­pria o “ra­to” e pas­sar tam­bém a pro­du­zir e a ven­der vi­nho, atra­vés da Re­al Com­pa­nha Ve­lha. Com­prou 40% da em­pre­sa, pe­los qu­ais pa­gou 9,6 mi­lhões de con­tos, nun­ca re­ti­rou qual­quer di­vi­den­do e aca­bou com a lín­gua de fo­ra, as­fi­xi­a­da em dí­vi­das. A gu­la dá nis­to. A pro­pó­si­to: o que é fei­to des­ses 40% da Re­al Com­pa­nhia Ve­lha?

Há uns 30 anos, a re­gião pas­sou a fa­zer vi­nho tran­qui­lo. O ne­gó­cio di­ver­si­fi­cou-se, en­tra­ram no­vos ope­ra­do­res e deu-se o bo­om do tu­ris­mo. Mes­mo as­sim, o pa­ra­do­xo con­ti­nua imu­tá­vel. Mas, ago­ra, já não po­de­mos cul­par só o “in­glês”. Dos cin­co gran­des co­los­sos do ne­gó­cio do vi­nho no Dou­ro, dois são in­gle­ses (Sy­ming­ton e Flad­ga­te Part­nership), um é fran­cês (Gran Cruz), ou­tro é ve­ne­zu­e­la­no (So­ge­vi­nus) e ou­tro é por­tu­guês (So­gra­pe).

Te­nho uma te­se so­bre o pa­ra­do­xo do Dou­ro. Na mi­nha opi­nião, o “ra­to” mo­rou sem­pre no Por­to e fa­lou sem­pre vá­ri­as lín­guas, por­tu­guês in­cluí­do. Pa­ra o Dou­ro (co­mo pa­ra Trás-osMon­tes), o cen­tra­lis­mo do Por­to é mui­to pi­or do que o cen­tra­lis­mo de Lis­boa. A tu­te­la dos vi­nhos do Dou­ro e Por­to nun­ca es­te­ve ver­da­dei­ra­men­te em Lis­boa. Na ca­pi­tal nin­guém per­ce­be na­da de vi­nho. O ne­gó­cio foi sem­pre tu­te­la­do a par­tir do Por­to. Ain­da ho­je. É o ei­xo Por­to-Gaia, com o seu di­rec­tó­rio, que de­ci­de os des­ti­nos do Dou­ro e que ava­li­za as es­co­lhas po­lí­ti­cas. O “ra­to” an­da en­tre a Ri­bei­ra (um pou­co mais aci­ma, na ver­da­de) e o cais de Gaia.

A des­gra­ça do Dou­ro re­si­de nos pre­ços mi­se­rá­veis que são pa­gos pe­las uvas e pe­los vi­nhos. Os du­ri­en­ses vi­vem, es­sen­ci­al­men­te, das uvas e do vi­nho e, se o que re­ce­bem não dá pa­ra pa­gar as des­pe­sas, é nor­mal que emi­grem em bus­ca de uma vi­da me­lhor. Não há ex­pli­ca­ção pos­sí­vel pa­ra se con­ti­nu­ar a pa­gar 30 ou 40 cên­ti­mos por ca­da qui­lo de uvas pro­du­zi­das na re­gião, quan­do, por exem­plo, se pa­ga mais de um eu­ro por ca­da qui­lo de uvas de Al­va­ri­nho em Mon­ção-Mel­ga­ço. O cus­to re­al de pro­du­ção de um qui­lo de uvas no Dou­ro, que é uma re­gião de mon­ta­nha, an­da en­tre os 70 e os 90 cên­ti­mos. Pa­ra não te­rem pre­juí­zo, era es­te o va­lor que os agri­cul­to­res de­vi­am re­ce­ber. Mas de­vi­am re­ce­ber mais, por­que não bas­ta tra­ba­lhar pa­ra não ter pre­juí­zo. Quem tem uma vi­nha, her­da­da ou com­pra­da, de­via po­der ga­nhar di­nhei­ro com ela e, des­sa for­ma, ter uma vi­da dig­na e po­der pa­gar jus­ta­men­te aos as­sa­la­ri­a­dos. As gran­des em­pre­sas não ven­dem vi­nho ape­nas pa­ra pa­gar as des­pe­sas. Ven­dem pa­ra ga­nhar di­nhei­ro. Um agri­cul­tor que ga­nha di­nhei­ro é um emi­gran­te a me­nos e mais uma fon­te de mão-de-obra pa­ra a re­gião.

De quem é a cul­pa dos pre­ços bai­xos? Do mer­ca­do, res­pon­dem sem­pre as gran­des em­pre­sas, co­mo se o mer­ca­do fos­se uma coi­sa abs­trac­ta, co­mo se elas pró­pri­as não in­flu­en­ci­as­sem o mer­ca­do. Se há um des­fa­sa­men­to en­tre a ofer­ta e a pro­cu­ra, en­tão re­sol­va-se es­se des­fa­sa­men­to.

Não é pos­sí­vel im­por pre­ços ad­mi­nis­tra­ti­vos, mas po­de-se in­tro­du­zir me­ca­nis­mos que aju­dem a cor­ri­gir os pre­ços. E é sem­pre pos­sí­vel ser-se mais jus­to e ge­ne­ro­so e, com o exem­plo, in­flu­en­ci­ar o mer­ca­do.

O mer­ca­do tem as cos­tas lar­gas, mas não foi o mer­ca­do que, por exem­plo, le­vou o IVDP, há uns anos, a di­mi­nuir a quan­ti­da­de de “be­ne­fí­cio” por hec­ta­re (au­to­ri­za­ção pa­ra pro­du­zir vi­nho do Por­to) às vi­nhas com as le­tras mais bai­xas. A me­di­da, to­ma­da em no­me da qua­li­da­de e sem qual­quer con­tra­par­ti­da pa­ra os atin­gi­dos, be­ne­fi­ci­ou so­bre­tu­do os pro­pri­e­tá­ri­os das quin­tas mai­o­res, si­tu­a­das jun­to ao rio, e ace­le­rou ain­da mais a de­ser­ti­fi­ca­ção e a po­bre­za das al­dei­as dos al­tos, que fo­ram sem­pre as prin­ci­pais for­ne­ce­do­ras de mão-de-obra da re­gião.

Foi o “ra­to” do Por­to. O mes­mo “ra­to” que co­lo­cou Ma­nu­el Ca­bral co­mo pre­si­den­te do IVDP e que, atra­vés de­le, foi re­ver­ten­do a re­gi­o­na­li­za­ção des­te ins­ti­tu­to, cen­tra­li­zan­do-o de no­vo no

Por­to. É ad­mis­sí­vel que não ha­ja uma fei­ri­nha, um Wi­ne Day, uma coi­si­nha chi­que ti­po sun­set party no Dou­ro, o lo­cal on­de se pro­duz o vi­nho, e se con­ti­nue a in­ves­tir for­tu­nas ape­nas no Por­to? (Ah, es­te ano fi­ze­ram uma re­ga­ta!) Os tu­ris­tas es­tão no Por­to e, se os tu­ris­tas com­pra­rem vi­nho, quem ga­nha, são os du­ri­en­ses, con­tra­ar­gu­men­ta o di­rec­tó­rio do Por­toGaia. É um pa­tus­co, es­te “ra­to”. Sem­pre a zom­bar.

PAU­LO RIC­CA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.