Se­bas­tião Al­mei­da

Publico - Fugas - - PHARMÁCIA MUSICAL -

Quem en­tra nu­ma far­má­cia es­pe­ra en­con­trar o re­cei­tuá­rio ade­qua­do pa­ra cu­rar as ma­lei­tas do cor­po e da men­te. Hu­go Fer­nan­des, de 42 anos, é o ho­mem por trás do bal­cão de uma an­ti­ga la­van­da­ria trans­for­ma­da em mi­ni-sa­la de con­cer­tos que tam­bém é bar. Não é far­ma­cêu­ti­co, mas de uma coi­sa tem a cer­te­za: “A mú­si­ca é me­di­ci­na pa­ra a al­ma”. E é is­so que re­cei­ta a quem o vi­si­ta no 43 da Rua Da­mas­ce­no Mon­tei­ro, aos An­jos. A sua Phar­má­cia Mu­si­cal es­tá ali de ser­vi­ço, noi­te fo­ra, des­de Se­tem­bro, e, en­tre vi­nhos e pe­tis­cos, ser­ve-se mú­si­ca. No seu can­ti­nho “sen­te-se tu­do, es­cu­ta-se tu­do”.

Vi­o­lon­ce­lis­ta de pro­fis­são, sem­pre quis abrir um es­pa­ço cul­tu­ral. Mas foi nu­ma far­má­cia de­sac­ti­va­da da Pe­nha de Fran­ça, em Lis­boa, que o so­nho ga­nhou for­ma. Os ar­má­ri­os e bal­cão que lá en­con­trou atraí­ram-no, ain­da sem sa­ber o des­ti­no que lhes da­ria. Con­se­guiu-os a uma se­nho­ra por um pre­ço bom. Mas, quan­do se de­pa­rou com a la­van­da­ria de­vo­lu­ta, per­ce­beu que ti­nha des­co­ber­to o sí­tio cer­to. A de­co­ra­ção tam­bém já a ti­nha. E o no­me, es­se, saiu-lhe dos fras­cos âm­bar ain­da guar­da­dos nos ar­má­ri­os an­ti­gos da far­má­cia. Se­gun­do ele, “con­ti­nham to­dos os in­gre­di­en­tes pa­ra cri­ar es­te es­pa­ço”.

De­sen­ga­ne-se o lei­tor que vem so­men­te à pro­cu­ra de um tex­to so­bre um no­vo bar na ci­da­de. Es­ta Phar­má­cia tam­bém o é, mas no es­pa­ço de Hu­go há mui­to mais do que is­so. E, co­mo tal, es­tas pa­la­vras têm co­mo mis­são fa­zer jus ao gos­tar de um mú­si­co pe­la mú­si­ca, que se ma­te­ri­a­li­zou em for­ma de bar.

Em­bo­ra se­ja mú­si­co clás­si­co, to­ca “mui­tos es­ti­los di­fe­ren­tes”. Es­sa ver­sa­ti­li­da­de, diz, en­car­re­gou-se de o cru­zar com ami­gos mú­si­cos de to­dos os es­ti­los. De ami­gos e co­nhe­ci­dos che­ga-lhe, en­tão, a ma­té­ri­a­pri­ma que en­can­ta cli­en­te­la e vi­zi­nhos. Con­vi­da-os pa­ra to­car por

ca­chets sim­bó­li­cos. E foi as­sim que, há di­as, se pro­por­ci­o­nou um se­rão na com­pa­nhia de mú­si­cos co­mo Noél Gon­za­lez e Ja­cob Her­nan­dez, dois me­xi­ca­nos no­me­a­dos pa­ra um Grammy por mú­si­cas que in­te­gram a ban­da so­no­ra do fil­me Fri­da.

Os cli­en­tes vêm pa­ra es­cu­tar mú­si­ca. E quan­do é dia de con­cer­to, nor­mal­men­te há um jan­tar con­di­zen­te a acom­pa­nhar. Es­se re­pas­to “po­de ter uma li­ga­ção te­má­ti­ca com o país de ori­gem dos mú­si­cos”, afir­ma. Se­rá o ca­so do pró­xi­mo do­min­go, em que ser­vi­rá co­mi­da gui­ne­en­se a pre­tex­to do con­cer­to de dois ir­mãos que são na­tu­rais des­se país.

Des­de que abriu, sen­te que co­me­çou a exis­tir um cir­cui­to mu­si­cal na zo­na. “Há mais dois ou três sí­ti­os que tam­bém fa­zem con­cer­tos e is­so é bom”, con­si­de­ra. O seu es­pa­ço é uma mon­tra pa­ra ar­tis­tas de qua­li­da­de que ain­da não con­se­gui­ram che­gar aos gran­des pal­cos. Mas, mais que tu­do, a Phar­má­cia Mu­si­cal exis­te pa­ra “cri­ar en­vol­vên­cia com as pes­so­as”. Pa­ra o fu­tu­ro, Hu­go quer im­ple­men­tar uma re­de de cir­cu­la­ção de pro­jec­tos mu­si­cais por ou­tros ba­res do país, mas as idei­as não se fi­cam por ai.

A pen­sar nos que vi­vem ali per­to, tam­bém quer lan­çar uma sé­rie de

workshops pa­ra pais e fi­lhos. A ideia é en­vol­ver os lo­cais pa­ra “sen­ti­rem que o bar tam­bém é de­les e po­de­rem par­ti­lhar com ou­tros o que qui­se­rem”. Re­co­nhe­ce que es­tas ini­ci­a­ti­vas já exis­tem nou­tros lo­cais, mas a sua va­lia é es­ta­rem mes­mo à por­ta de ca­sa de pes­so­as que, se ca­lhar, “não têm aces­so ou que não sa­bem que exis­tem”.

Pa­ra pi­car qual­quer coi­sa, ao som de um bom con­cer­to, há pe­tis­cos que vão dos qua­tro aos oi­to eu­ros. O vi­nho, diz Hu­go, tam­bém é bom. Com a aju­da de um ami­go enó­lo­go ela­bo­rou uma pe­que­na car­ta com al­gu­mas su­ges­tões que não de­frau­dam. E por­que nem só de re­cei­tas mu­si­cais é fei­ta es­ta far­má­cia, ha­ve­rá pa­ra bre­ve uma car­ta de cock­tails ela­bo­ra­da por uma ami­ga ale­mã. O fo­co na cri­a­ção das be­bi­das es­ta­rá na re­la­ção en­tre a mú­si­ca e as far­má­ci­as. Afi­nal de con­tas, am­bas são ca­pa­zes de cu­rar ou fa­zer sen­tir me­lhor em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções.

O cock­tail Cla­rify Milk Pun­ch (8?) de­mo­ra qua­tro di­as a ser pre­pa­ra­do e le­va vá­ri­as be­bi­das es­pi­ri­tu­o­sas e es­pe­ci­a­ri­as. “Pas­sa por vá­ri­os pro­ces­sos e é ho­mo­ge­nei­za­do com lei­te quen­te que de­pois é fil­tra­do”, ex­pli­ca o pro­pri­e­tá­rio. Daí re­sul­ta um lí­qui­do ama­re­lo que é um “cock­tail de me­mó­ri­as”. De ca­da vez que se dá um tra­go, é-se in­va­di­do por “sen­sa­ções e chei­ros di­fe­ren­tes”, as­se­gu­ra Hu­go. “Vai­nos bus­car re­cor­da­ções.”

Hu­go trans­por­ta me­mó­ri­as em ca­da ges­to, no­ta ou pro­jec­to mu­si­cal que pro­põe. Pa­ra ele, qual­quer lu­gar é fei­to de afec­to e de pes­so­as. Es­ta Phar­má­cia só exis­ti­rá “quan­do to­dos os sen­ti­res fluí­rem em pre­sen­ça”. En­quan­to não são im­ple­men­ta­dos to­dos os pro­jec­tos que quer pa­ra o es­pa­ço, há pa­ra ver uma ex­po­si­ção de ilus­tra­ção do ca­na­di­a­no Pi­er­re Pratt que es­ta­rá pa­ten­te, pe­lo me­nos, du­ran­te mais uma se­ma­na.

A mú­si­ca con­ti­nu­a­rá a eco­ar das pa­re­des da an­ti­ga la­van­da­ria trans­for­ma­da em bar. Ao an­ti­go bal­cão de far­má­cia que apro­vei­tou pa­ra o es­pa­ço, o gra­mo­fo­ne que an­tes ti­nha em ca­sa ain­da gi­ra li­ber­tan­do me­lo­di­as. Pa­ra acom­pa­nhar, na­da co­mo um bom vi­nho cri­te­ri­o­sa­men­te se­lec­ci­o­na­do pa­ra a oca­sião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.