La­mas­sa: um res­tau­ran­te ita­li­a­no no Es­to­ril co­mo os res­tau­ran­tes ita­li­a­nos que só exis­tem nos fil­mes

Publico - Fugas - - O GATO DAS BOTAS - Mi­guel Es­te­ves Car­do­so

O res­tau­ran­te de que vou fa­lar pa­re­ce um de­va­neio. Mas, ao con­trá­rio do pub per­fei­to que Orwell des­cre­veu só pa­ra re­ma­tar que não exis­tia, es­te res­tau­ran­te exis­te.

Cha­ma-se La­mas­sa e fi­ca no Es­to­ril, en­tre a Ave­ni­da dos Bom­bei­ros Vo­lun­tá­ri­os e o Va­le de San­ta Ri­ta. Bas­ta des­cer a rua pa­ra es­tar no ex­ce­len­te Su­per­mer­ca­do Tra­di­ci­o­nal on­de o se­nhor Rui, che­fe de char­cu­ta­ria e quei­jos, é, de to­das as que co­nhe­ci, a pes­soa que mais sa­be de - tu­do.

O La­mas­sa é o res­tau­ran­te per­fei­to. É mui­to pe­que­no mas tem tu­do o que se pos­sa que­rer. Ro­mi­na La­mas­sa faz e re­cheia as mais ma­ra­vi­lho­sas mas­sas fres­cas que já pro­vei. É uma co­zi­nhei­ra de gran­de re­quin­te - uma qua­li­da­de ca­da vez mais ra­ra.

O La­mas­sa é ela, ita­li­a­na, ve­te­ri­ná­ria, o ma­ri­do, por­tu­guês, bió­lo­go, e uma ami­ga de­les, ita­li­a­na, ar­qui­tec­ta. São sim­pa­tiquís­si­mos mas pro­fis­si­o­na­lís­si­mos tam­bém. O am­bi­en­te é ge­nui­na­men­te des­con­traí­do mas tu­do fun­ci­o­na lin­da­men­te. Não há des­cul­pas nem en­co­lhe­res de om­bros.

Há qua­tro me­sas pe­que­nas

- e che­gam. Os pre­ços são ir­re­cu­sá­veis. Por 13 ou 14 eu­ros com­pra-se um pra­to cheio de pre­ci­o­si­da­des, com os ra­vi­o­li com co­gu­me­los que é im­pos­sí­vel dei­xar de co­mer.

A es­co­lha de vi­nhos é ori­gi­nal, com uma am­pli­tu­de ca­ti­van­te. O ma­ra­vi­lho­so Ver­de­lho ori­gi­nal 2017 da Ilha do Pi­co, fei­to por An­tó­nio Ma­ça­ni­ta, cus­tou 24 eu­ros - qua­se o mes­mo que cus­ta nu­ma gar­ra­fei­ra.

Têm vi­nhos ita­li­a­nos e por­tu­gue­ses bem es­co­lhi­dos, com to­da a ga­ma dos vi­nhos da Ade­ga de Colares, pois cla­ro.

A co­zi­nha de Ro­mi­na La­mas­sa é a mais di­fí­cil de to­das: é ele­var a sim­pli­ci­da­de às al­tu­ras. As mas­sas não têm on­de se es­con­der, os re­chei­os não fa­zem ba­to­ta. Ela ar­ris­ca tu­do e so­mos nós que saí­mos a ga­nhar.

Ela é da­que­las ra­ras gran­des co­zi­nhei­ras que não se li­mi­tam a re­de­fi­nir. Não, ela de­fi­ne. To­me­mos, co­mo exem­plo, a pan­na cot­ta.A pan­na cot­ta de Ro­mi­na La­mas­sa é uma obra-pri­ma por­que é, tam­bém, a úni­ca ver­da­dei­ra pan­na cot­ta. As ou­tras, ao pé des­ta, são to­das imi­ta­ções de­fi­ci­en­tes.

Se quer con­ti­nu­ar a apre­ci­ar a pan­na cot­ta de ou­tros res­tau­ran­tes por es­se mun­do fo­ra não caia na as­nei­ra de pro­var a que ser­vem no La­mas­sa. Nun­ca mais con­se­gui­rá gos­tar de ou­tra.

Eu, an­tes de ir ao La­mas­sa, gos­ta­va de to­das as ver­sões da pan­na cot­ta. Ago­ra só con­si­go co­mer a do La­mas­sa.

O que é que tem de tão es­pe­ci­al? Em pri­mei­ro lu­gar es­tá a lim­pís­si­ma sim­pli­ci­da­de das na­tas, só sub­til­men­te ado­ça­das pa­ra se per­ce­ber a sua aci­dez que, por sua vez, le­van­tam o es­plen­dor da com­po­ta car­re­ga­da de fram­bo­e­sas, ado­ça­das mi­ni­ma­men­te pa­ra dei­xar pas­sar o sa­bor es­ton­te­an­te das fram­bo­e­sas.

A pri­mei­ra vez que al­mo­çá­mos no La­mas­sa, a Ma­ria João e eu não con­se­gui­mos pa­rar de co­mer. Ain­da ho­je es­tou pa­ra sa­ber o que se pas­sou. Man­dá­mos vir pra­to após pra­to de mas­sas di­fe­ren­tes. As nos­sas pa­pi­las gus­ta­ti­vas es­ta­vam em es­ta­do de cho­que: quem di­ria que uma me­ra mas­sa fres­ca po­dia sa­ber tão bem?

Co­me­mos cin­co pra­ta­das de mas­sa e de­pois, quan­do di­vi­di­mos a pri­mei­ra pan­na cot­ta, ti­ve­mos de pe­dir uma pa­ra ca­da um - e de­pois re­pe­tir, até não con­se­guir­mos le­van­tar-nos das ca­dei­ras. Foi co­mo se ti­vés­se­mos si­do pos­suí­dos pe­lo di­a­bo da gu­la. E o “co­mo se” é co­mo quem diz: fo­mos mes­mo pos­suí­dos.

Até ir ao La­mas­sa eu ti­nha uma vi­são con­des­cen­den­te das mas­sas fres­cas, co­mo se fos­sem umas amu­se-bou­ches. Ago­ra sei que não é as­sim.

Um pra­to de ra­vi­o­li de Ta­leg­gio, car­re­ga­do de uma­mi aman­tei­ga­do, dei­ta-nos por ter­ra co­mo se fo­ra um en­so­pa­do de bor­re­go.

Em mais ne­nhum res­tau­ran­te se po­dem co­mer es­tas mas­sas. Pa­ra quem quer ti­rar fé­ri­as das mas­sas há ou­tros pra­tos ita­li­a­nos, im­pe­ca­vel­men­te re­a­li­za­dos.

Quan­do se co­me tão bem co­mo no La­mas­sa é na­tu­ral que nos sin­ta­mos bem e que o am­bi­en­te se re­co­men­de. Só que o am­bi­en­te no La­mas­sa é ver­da­dei­ra­men­te hos­pi­ta­lei­ro e ín­ti­mo.

É co­mo al­mo­çar em ca­sa de gran­des ami­gos que já nos co­nhe­cem tão bem que não é pre­ci­so es­tar sem­pre a fa­lar. Aqui­lo é a ca­sa de um ca­sal que nos re­ce­be com a ad­mi­rá­vel sim­pli­ci­da­de da co­zi­nha que pra­ti­cam.

Se­rá que no fu­tu­ro to­dos os res­tau­ran­tes po­de­rão ser as­sim, mais fa­mi­li­a­res ain­da do que os an­ti­gos? Deus quei­ra que sim - mas pri­mei­ro é pre­ci­so con­ven­cer Deus a ir ao La­mas­sa.

RUI GAUDÊNCIO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.