Ma­ria José San­ta­na

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA -

Cres­ceu a ver a avó ma­ter­na a cul­ti­var a ter­ra e ga­ran­tiu-lhe que um dia se­ria ele a tra­tar do ter­re­no. Na al­tu­ra, por for­ça da sua ten­ra ida­de, não o le­va­ram a sé­rio. Ho­je, já nin­guém du­vi­da da de­ter­mi­na­ção de Fá­bio

So­a­res em le­var avan­te es­sa pro­mes­sa. Aos 29 anos, pro­duz os mi­cro­le­gu­mes, ger­mi­na­dos e flo­res co­mes­tí­veis que abas­te­cem as co­zi­nhas de al­guns dos me­lho­res res­tau­ran­tes e ho­téis da re­gião Cen­tro. A par­tir da ter­ra da sua avó ma­ter­na, na Ga­fa­nha de Aquém, mu­ni­cí­pio de Ílha­vo, Fá­bio So­a­res cul­ti­va aqui­lo que já é uma mar­ca e que nem po­dia ter ou­tro no­me: Ter­ra d’Avó.

Mais do que um ne­gó­cio, en­ca­ra-o co­mo um projecto pes­so­al, um so­nho cons­truí­do li­te­ral­men­te com as su­as pró­pri­as mãos. “A mi­nha pri­mei­ra es­tu­fa foi fei­ta por mim, com a aju­da do meu pai”, re­cor­da. Fá­bio So­a­res tem mais du­as e con­fes­sa es­tar já a con­ge­mi­nar uma quar­ta. Pa­ra trás te­ve de dei­xar o cur­so de Bi­o­lo­gia na Uni­ver­si­da­de de Avei­ro. Per­ce­beu que en­tre o projecto Ter­ra d’Avó, a uni­ver­si­da­de e o em­pre­go em part-ti­me co­mo in­for­má­ti­co, “al­gu­ma coi­sa tinha de fi­car pa­ra trás”, apon­ta. “Co­mo pre­ci­sa­va de di­nhei­ro pa­ra con­ti­nu­ar a in­ves­tir, não po­dia dei­xar o em­pre­go. Por­tan­to, res­tou o cur­so”, con­ta, sem la­mú­ri­as tan­to mais por­que não afasta a pos­si­bi­li­da­de de um dia re­gres­sar à uni­ver­si­da­de.

Ho­je, Fá­bio So­a­res é um ver­da­dei­ro es­pe­ci­a­lis­ta na ar­te de cul­ti­vo de ger­mi­na­dos e mi­cro­le­gu­mes. Vi­ve ro­de­a­do de pe­que­nas cu­ve­tes de on­de bro­tam re­ben­tos de mos­tar­da frills, mos­tar­da red gi­ant, co­en­tros, en­dro e bor­ra­gem, en­tre ou­tros ger­mi­na­dos, bem co­mo ce­nou­ras baby ou to­ma­te cher­ry. Nou­tro re­can­to da es­tu­fa, quem dá nas vis­tas (e de que ma­nei­ra) são as flo­res co­mes­tí­veis, no­me­a­da­men­te amo­res-per­fei­tos, be­gó­ni­as, flor de man­je­ri­cão e ca­pu­chi­nhas. Fá­bio tra­ta de to­das elas com gran­de cui­da­do e “ze­ro” quí­mi­cos. “É agri­cul­tu­ra 100% bi­o­ló­gi­ca”, ga­ran­te o jo­vem ilha­ven­se, acres­cen­tan­do que “é pre­ci­so es­tar atento a to­dos os de­ta­lhes; à for­ma co­mo se re­ga, à ma­nei­ra co­mo o subs­tra­to é co­lo­ca­do”.

Pa­ra con­tar a his­tó­ria do projecto Ter­ra d’Avó é pre­ci­so re­cu­ar uns cin­co anos, al­tu­ra em que Fá­bio So­a­res ali­men­ta­va uma “gran­de pai­xão por er­vas aro­má­ti­cas”. Foi com elas que se lan­çou na aven­tu­ra de cri­ar a sua pró­pria pro­du­ção e ne­gó­cio. “As aro­má­ti­cas são um mun­do gi­gan­te mas em Por­tu­gal ain­da usa­mos mui­to pou­cas”, no­ta.

De­ci­diu apre­sen­tar o seu pro­du­to ao chef de um res­tau­ran­te de Avei­ro mas ce­do per­ce­beu que “não tinha es­ca­la pa­ra pro­du­zir gran­des quan­ti­da­des de aro­má­ti­cas e com­pe­tir com os pre­ços que eram pra­ti­ca­dos por ou­tros pro­du­to­res”, re­cor­da Fá­bio So­a­res. “O chef Armando Matos aca­bou por me de­sa­fi­ar a pro­du­zir ger­mi­na­dos, pois os que ele com­pra­va em gran­des su­per­fí­ci­es fi­ca­vam ra­pi­da­men­te es­tra­ga­dos”, acres­cen­ta, dan­do as­sim no­ta da­que­le que foi um mo­men­to de­ci­si­vo pa­ra o seu projecto. “Co­me­cei a pro­du­zir pa­ra ele, os sub­che­fes que es­ta­vam com o Armando fo­ram sain­do pa­ra ou­tros res­tau­ran­tes e le­va­ram o meu pro­du­to e a pa­la­vra foi pas­san­do”, pros­se­gue o jo­vem pro­du­tor, que há mui­to ul­tra­pas­sou as fron­tei­ras da re­gião. Por­to, Vi­seu e Coim­bra são al­gu­mas das re­giões vi­zi­nhas pa­ra as quais en­via, com re­gu­la­ri­da­de, en­co­men­das. Es­sen­ci­al­men­te pa­ra es­pa­ços de “al­ta co­zi­nha e res­tau­ran­tes de ho­téis”, mas com a cer­te­za de que a pro­cu­ra por es­tes pro­du­tos tem ten­dên­cia pa­ra se alas­trar, tam­bém, ao con­su­mi­dor co­mum. “Os ger­mi­na­dos, por exem­plo, já co­me­çam a ser mui­to pro­cu­ra­dos por­que são mui­to mais ri­cos em nu­tri­en­tes do que em es­ta­do adul­to”, ar­gu­men­ta.

So­nhos “de­se­nha­dos” num pe­que­no ca­der­no

Fá­bio So­a­res es­tá confiante no cres­ci­men­to do mer­ca­do e, por is­so mes­mo, não pá­ra de fa­zer pla­nos, de de­se­nhar no­vos pro­jec­tos no seu ca­der­no de elei­ção. “É um ob­jec­to fun­da­men­tal. É aqui que eu de­se­nho os meus so­nhos”, con­ta, a pro­pó­si­to da im­por­tân­cia do ob­jec­to que an­da sem­pre com ele, tal co­mo o te­le­mó­vel - fun­da­men­tal pa­ra “fa­lar com os cli­en­tes” e “ti­rar fotos” aos seus pro­du­tos - e a cha­ve da es­tu­fa. “Es­ta cha­ve re­pre­sen­ta um ob­jec­ti­vo al­can­ça­do, um mar­co em que mui­tos não acre­di­ta­vam”, vin­ca.

Em se­gun­do pla­no ti­ve­ram de fi­car ou­tras pai­xões, co­mo as vi­a­gens, por­que o tem­po ago­ra é qua­se to­do de­di­ca­do ao projecto Ter­ra d’Avó. “Mas as­sim que pu­der, vou até ao Rei­no Uni­do, Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e Es­pa­nha, on­de es­tão mui­tas es­tu­fas que que­ro vi­si­tar”, re­ve­la. En­tre os des­ti­nos de elei­ção es­tá tam­bém a Ásia, fun­da­men­tal­men­te pe­la “va­ri­e­da­de de plan­tas” que lá exis­tem.

O seu des­por­to de elei­ção, o surf, tam­bém é ago­ra uma ac­ti­vi­da­de pa­ra a qual tem ca­da vez me­nos tem­po. “Ado­ro o mar, amo sur­far, mas co­mo pas­so tan­to tem­po aqui é di­fí­cil. E o pro­ble­ma é que qu­an­do te­nho tem­po li­vre, o mar po­de não es­tar bom pa­ra sur­far”, de­sa­ba­fa. Her­dou o jei­to pa­ra as on­das de um tio pa­ter­no e só não sen­te mais pe­na por as su­as es­tu­fas o obri­ga­rem a dei­xar a pran­cha en­cos­ta­da à pa­re­de por­que den­tro de­las é pos­sí­vel ou­vir o mar. “Es­tão a ou­vir? É as­sim em mui­tos di­as”, re­pa­ra, de­pois de des­li­gar os ven­ti­la­do­res e sub­me­ter a es­tu­fa a um si­lên­cio ab­so­lu­to - da Ga­fa­nha de Aquém ao mar são pou­co mais de seis qui­ló­me­tros em li­nha rec­ta. “É o que me vai va­len­do e ins­pi­ran­do: ou­vir o mar en­quan­to es­tou a tra­ba­lhar”, re­ma­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.