“Ir­re­ve­rên­cia” à me­sa com Lu­ca Bor­di­no

Publico - Fugas - - MAXIME HOTEL -

Qu­an­do foi con­vi­da­do pa­ra fi­car à fren­te da co­zi­nha do Ma­xi­me Res­tau­ran­te Bar, Lu­ca Bor­di­no, nas­ci­do em Por­tu­gal fi­lho de mãe fran­ce­sa e pai ita­li­a­no, sen­tiu “um pe­so in­crí­vel nos om­bros”. Es­te é um es­pa­ço com his­tó­ria e ele que­ria que is­so fi­zes­se tam­bém par­te da sua co­zi­nha. “Te­nho uma ver­ten­te mui­to asiá­ti­ca e ita­li­a­na, mas não po­dia dei­xar de ter aqui os clás­si­cos”, diz. “Há qu­a­tro ge­ra­ções que co­nhe­ce­ram o Ma­xi­me, ape­sar de, du­ran­te es­se tem­po, es­te es­pa­ço ter si­do mui­tas coi­sas di­fe­ren­tes”.

A li­gar à me­mó­ria do pas­sa­do es­tá, por exem­plo, o pre­go. “O Ma­xi­me tinha um pre­go mui­to fa­mo­so, que era ser­vi­do às tan­tas da ma­nhã. Nós man­te­mos o pre­go Ma­xi­me’s Bon Vi­vant, mas acres­cen­tá­mos mais al­gu­mas coi­sas, rú­cu­la, ce­bo­la ca­ra­me­li­za­da, um mo­lho à por­tu­gue­sa, quei­jo da Ilha, uma mis­tu­ra de mos­tar­das.”

O pre­go faz par­te da car­ta de snacks e pra­tos le­ves (Bi­te

Me), ser­vi­da to­dos os di­as das 12h30 às 18h30 e aos domingos e se­gun­das das 19h30 às 23h, e que tem coi­sas co­mo Pump­kin Pas­si­on (cre­me de abó­bo­ra com tem­pu­ra de ve­ge­tais, 5€), Lou­dly Crun­chy (fran­go cro­can­te com mai­o­ne­se de sri­ra­cha,

7,5€), Are You Pe­e­king At Me, Chic­ken? (gui­o­sa de fran­go, gen­gi­bre e alho fran­cês, 6€) ou Mar­ti­ni Bi­joux (ca­ma­rões com Mar­ti­ni, ma­la­gue­ta, alho, li­ma e co­en­tros, 12€) ou ain­da tos­tas e san­duí­ches e as so­bre­me­sas, com pro­pos­tas co­mo All You Ne­ed is Cho­co­la­te (de­mi-cuit de cho­co­la­te, me­ren­gue de ma­la­gue­ta, ge­la­do ar­te­sa­nal de man­je­ri­cão e pi­men­ta da Ja­mai­ca, 7€), ou Bom­be Lis­bon­ne (me­ren­gue ita­li­a­no, mous­se de gin­ja, ma­ra­cu­já, fo­fo de ca­cau e mo­ran­go, 7€).

De ter­ça a quin­ta, en­tre as 19h e as 23h, en­tra em ce­na a car­ta de jan­tar (Tas­te Me), po­den­do-se pro­var, en­tre ou­tras coi­sas, um Raw Fe­ti­che (ce­vi­che de pei­xe bran­co, be­ter­ra­ba, sour cre­am e com­po­ta de ce­bo­la ro­xa, 12€), um Ma­gret Mad­ness (car­pac­cio de ma­gret de pa­to fu­ma­do, óleo de pi­nhão, pis­tá­cio ca­ra­me­li­za­do, ma­çã Granny Smith e pic­kle de ma­la­gue­ta ver­de, 13€). Os pra­tos prin­ci­pais po­dem ir de um Hid­den Se­cret (ag­no­lot­ti re­che­a­do com quei­jo de ca­bra, mo­lho de ce­nou­ra, ge­ma cu­ra­da, co­gu­me­los e par­me­são, 14€) a um Por­tu­gue­se Won­der­land (a ver­são de ba­ca­lhau à Brás de Lu­ca Bor­di­no, 15€).

“Per­ce­bi que an­da­vam à pro­cu­ra de uma pes­soa com um re­gis­to um bo­ca­do di­fe­ren­te”, ex­pli­ca Lu­ca, de 29 anos, que tra­ba­lhou com Igor Mar­ti­nho e com Cha­kall, e passou por Sin­ga­pu­ra, In­do­né­sia, Fi­li­pi­nas e No­va Ze­lân­dia. “Não es­ta­mos aqui pa­ra re­pe­tir o que to­da a gen­te faz. Os nos­sos cli­en­tes gos­tam de en­con­trar o que co­nhe­cem mas fei­to de ou­tra ma­nei­ra. Que­rem ir­re­ve­rên­cia.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.