Clás­si­co e com gla­mour, co­mo era a gran­de res­tau­ra­ção

Publico - Fugas - - MARQUÊS DE MARIALVA - José Au­gus­to Mo­rei­ra

No cen­tro de Can­ta­nhe­de, o Marquês pre­ser­va o es­ti­lo e a co­zi­nha de ins­pi­ra­ção fran­ce­sa com que se des­ta­cou nas úl­ti­mas dé­ca­das do sé­cu­lo pas­sa­do

O ar no­bre e re­quin­ta­do não es­tá só na ca­sa apa­la­ça­da e no am­bi­en­te de es­ti­lo clás­si­co e pro­ven­çal. Tam­bém a dis­po­si­ção in­te­ri­or, a de­co­ra­ção, o ser­vi­ço e a car­ta re­me­tem pa­ra es­se gla­mo­ro­so con­tex­to da res­tau­ra­ção fran­ce­sa de me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do, que in­flu­en­ci­ou o mun­do in­tei­ro e é ain­da ho­je si­nó­ni­mo de qua­li­da­de e sím­bo­lo da al­ta co­zi­nha.

Por aí an­dou José Car­los

Gu­er­ra, “du­ran­te mais de uma dé­ca­da a apren­der e a co­nhe­cer um vas­to e apu­ra­do mun­do de ofer­tas e de sa­bo­res, fa­zen­do car­rei­ra em al­guns pon­tos gas­tro­nó­mi­cos pa­ri­si­en­ses on­de se cri­a­vam os mais re­quin­ta­dos gour­mets do pla­ne­ta cu­li­ná­rio”. Na apre­sen­ta­ção do Marquês de Ma­ri­al­va, ex­pli­ca-se ain­da que “qu­an­do re­gres­sou a Por­tu­gal, a ter­ras da Bair­ra­da, abriu o res­tau­ran­te, cu­jo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo foi, e ain­da é, uma ho­me­na­gem à ge­nuí­na co­zi­nha da re­gião”.

Foi em 1975, com o pre­ci­o­so apoio da mu­lher, Ar­min­da

Di­nis, ins­ta­lan­do o res­tau­ran­te bem no cen­tro de Can­ta­nhe­de, num edi­fí­cio apa­la­ça­do e com es­ta­ci­o­na­men­to pri­va­ti­vo. É no pi­so de en­tra­da que es­tá o sa­lão prin­ci­pal, com ca­pa­ci­da­de pa­ra três a qu­a­tro de­ze­nas de co­men­sais, em es­pa­ço de­sa­fo­ga­do e de­vi­da­men­te ata­vi­a­do. No mes­mo pi­so co­e­xis­tem ain­da mais du­as pe­que­nas sa­las, pa­ra con­tex­tos mais re­ser­va­dos ou par­ti­cu­la­res, e um am­plo sa­lão no pi­so su­pe­ri­or e vo­ca­ci­o­na­do pa­ra ce­le­bra­ções co­lec­ti­vas.

O am­bi­en­te clás­si­co e aco­lhe­dor da de­co­ra­ção e mo­bi­liá­rio é ain­da re­for­ça­do pe­la cre­pi­tan­te la­rei­ra de fun­do, com o úni­co se­não pa­ra a fal­ta de apoio lom­bar nas ca­dei­ras com as­sen­to em ve­lu­do cor de púr­pu­ra que nos ca­lha­ram.

De gran­de fa­ma e re­co­nhe­ci­men­to nas dé­ca­das que se se­gui­ram à aber­tu­ra e até à vi­ra­gem do sé­cu­lo, o res­tau­ran­te pa­re­ce re­sis­tir ao tem­po e man­ter to­das as ca­rac­te­rís­ti­cas ini­ci­ais. O des­ta­que con­ti­nua no bou­quet de en­tra­das, um ce­ná­rio que re­me­te pa­ra o uni­ver­so da ar­te sur­re­a­lis­ta, com os múl­ti­plos pro­du­tos in­crus­ta­dos num gi­gan­tes­co re­po­lho e umas fa­cas de co­zi­nha ne­le es­pe­ta­das pa­ra que ca­da um se sir­va a con­ten­to.

É am­pla a pro­pos­ta de en­tra­das (umas vin­te), on­de se des­ta­cam as pa­ta­nis­cas, mor­ce­la e fa­ri­nhei­ra as­sa­das, os­tras e ca­ma­rão ao na­tu­ral, tá­bu­as de quei­jos ou de en­chi­dos ou o cock­tail de me­lão com gam­bas, com pre­ços que vão dos cin­co aos 15 eu­ros.

As os­tras, gor­das, da ria de

Avei­ro (10 eu­ros, seis uni­da­des) são ser­vi­das com uma flu­te de es­pu­man­te (Blanc de Blancs, da Ade­ga de Can­ta­nhe­de), que lhes re­for­çam a fres­cu­ra e sa­bor ma­ri­nho. As mi­ni­pa­ta­nis­cas de ba­ca­lhau (7,50 eu­ros), são de pri­mo­ro­sa exe­cu­ção, es­cor­ri­das, cro­can­tes e sa­bo­ro­sas, e tam­bém o clás­si­co cock­tail de me­lão com gam­bas e mai­o­ne­se (10 eu­ros) re­me­te pa­ra o uni­ver­so da mais re­quin­ta­da res­tau­ra­ção.

Es­tra­nha é mes­mo a “Ban­de­ja de en­tra­das Marquês” (12,50 eu­ros/ pes­soa), co­mo se cha­ma o tal bou­quet on­de apa­re­ce meio quei­jo fla­men­go e um chou­ri­ço in­tei­ro, à mis­tu­ra com quei­jo de Ni­za e do Ra­ba­çal, fa­ti­as de pre­sun­to, de me­lão e ain­da ro­de­las de ana­nás. En­che o olho, mas o que mais se des­ta­ca é o re­po­lho e as fa­cas ne­le es­pe­ta­das!

Nos pei­xes, a lis­ta pro­põe o ba­ca­lhau à la­ga­rei­ro com ba­ta­ta a mur­ro, sal­mão ou cher­ne gre­lha­dos, es­pe­ta­das de gam­bas e de fru­tos do mar, ar­roz de tam­bo­ril com gam­bas (15/15,50 eu­ros), e ain­da gam­bas ti­gre jum­bo gre­lha­das (60 eu­ros/kg).

Da ofer­ta do dia, pe­diu-se o ro­ba­lo gre­lha­do, que che­gou à me­sa em pos­ta sim­ples, na com­pa­nhia de fei­jão-ver­de, ba­ta­ta e ce­nou­ra co­zi­das. Pro­du­to cor­rec­to e exe­cu­ção sim­ples sem des­lum­brar ou com­pli­car. Pro­vou­se ain­da o ba­ca­lhau à la­ga­rei­ro, em pos­ta mé­dia, de cu­ra rá­pi­da, que igual­men­te não des­lum­brou.

Mais alar­ga­da é a lis­ta de pro­pos­tas pa­ra as car­nes, que se es­ten­de da vi­te­la as­sa­da em vi­nho tin­to ao os­so­bu­co e fon­due, pas­san­do pe­lo ca­bri­to as­sa­do, chan­fa­na à Bair­ra­da e ro­jões à Marquês (17,50/20 eu­ros).

Ex­pe­ri­men­tou-se a chan­fa­na, que se mos­trou en­vol­ven­te e sa­bo­ro­sa e em pre­pa­ra­ção competente, mas a pe­dir um fa­ri­ná­ceo ade­qua­do que lhe ab­sor­ves­se os sa­bo­res, ao con­trá­rio da qua­li­da­de da ba­ta­ta que acom­pa­nha­va.

Já no ca­bri­to as­sa­do à pa­dei­ro des­ta­ca­va-se a qua­li­da­de das ba­ta­tas e a sua en­vol­vên­cia com o mo­lho do as­sa­do, bem co­mo o competente ar­roz do for­no com miú­dos que acom­pa­nha­va. O mes­mo já não se po­de­rá di­zer em re­la­ção ao ca­bri­to, sen­sa­bo­rão e a dei­xar a sen­sa­ção de fal­ta de for­no que lhe des­ta­cas­se as gor­du­ras e pro­por­ci­o­nas­se a ne­ces­sá­ria cro­cân­cia.

Nas so­bre­me­sas, a ofer­ta é igual­men­te alar­ga­da, com uma de­ze­na de pro­pos­tas que vão das fa­ró­fi­as com cre­me in­glês aos clás­si­cos ar­roz-do­ce, lei­te-cre­me quei­ma­do, cre­pe re­che­a­do ou pu­dim de ovos com ca­ra­me­lo. Pro­vou-se ape­nas o lei­te-cre­me, que cum­priu a fun­ção.

Re­gis­to ain­da pa­ra a abran­gên­cia da car­ta de vi­nhos, que quer co­brir to­das as re­giões com es­co­lhas de qua­li­da­de mas aca­ba por não des­ta­car, co­mo se­ria de es­pe­rar, os gran­des vi­nhos da Bair­ra­da

A par do ser­vi­ço à car­ta, são ac­tu­al­men­te pro­pos­tos dois me­nus (30? ca­da), ba­si­ca­men­te com­pos­tos por to­da a ofer­ta de en­tra­das e so­bre­me­sas. No ca­so do me­nu Con­de de Can­ta­nhe­de, é mes­mo ofe­re­ci­da to­da a pa­nó­plia de en­tra­das, quen­tes e fri­as, e so­bre­me­sas, en­quan­to no Marquês de Ma­ri­al­va é ser­vi­do um pra­to e fei­ta uma selecção de en­tra­das e so­bre­me­sas. Em am­bos os ca­sos es­tão in­cluí­das be­bi­das, sen­do ser­vi­do vi­nho da Ade­ga de Can­ta­nhe­de.

Com ser­vi­ço con­for­me ao es­ti­lo da ca­sa, es­ta é uma viagem à me­mó­ria dos tem­pos em que es­te Marquês de Ma­ri­al­va era jus­ta­men­te re­pu­ta­do co­mo um dos gran­des res­tau­ran­tes do país, mas con­vi­nha tam­bém ter em con­ta que os tem­pos evo­lu­em e não se po­de vi­ver de me­mó­ri­as eter­na­men­te.

FOTOS: NEL­SON GAR­RI­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.