Mais vi­nho, se faz fa­vor, que a fes­ta não po­de pa­rar

Publico - Fugas - - VINHOS - Pedro Gar­ci­as

Fei­ras, mer­ca­dos, apre­sen­ta­ções, ex­pe­ri­ên­ci­as te­má­ti­cas, en­con­tros, pro­vas ce­gas, jan­ta­res ví­ni­cos. Ufa! Até can­sa só de lem­brar o fre­ne­sim que se vi­ve por es­ta al­tu­ra no mun­do do vi­nho por­tu­guês (pa­re­ci­do, só mes­mo a eu­fo­ria pa­trió­ti­ca em torno dos chefs e dos res­tau­ran­tes com es­tre­la Mi­che­lin). O frio e a pro­xi­mi­da­de do Na­tal aju­dam, mas es­te fe­nó­me­no é a pro­va de que o vi­nho e to­da a cul­tu­ra que o ro­deia es­tão mes­mo na mo­da em Por­tu­gal.

O tem­po em que ha­via só uma ou ou­tra fei­ra no país e os apre­ci­a­do­res de vi­nho eram atraí­dos so­bre­tu­do por meia dú­zia de mar­cas co­nhe­ci­das pa­re­ce já de­ma­si­a­do dis­tan­te. Ago­ra, é pre­ci­so ter uma agen­da pa­ra poder ir acom­pa­nhan­do a tem­po­ra­da de pro­vas; e ca­da even­to é um de­sa­fio, um exer­cí­cio de des­co­ber­ta que obri­ga a lon­gas ho­ras de de­gus­ta­ção, tan­tos são os pro­du­to­res e os vi­nhos no­vos que vão emer­gin­do um pou­co por to­do o país.

Não é fá­cil, mes­mo pa­ra quem es­tá no vi­nho de for­ma pro­fis­si­o­nal, se­ja co­mo jor­na­lis­ta, se­ja co­mo pro­du­tor, acom­pa­nhar as no­vi­da­des. Há sem­pre um no­vo vi­nho fo­ra do ba­ra­lho, uma ex­pe­ri­ên­cia “nun­ca an­tes fei­ta”, um de­va­neio, um qual­quer no­vo tru­que de mar­ke­ting a de­sa­fi­ar a nos­sa cu­ri­o­si­da­de. É in­crí­vel o di­na­mis­mo e a cri­a­ti­vi­da­de que se vi­vem no sec­tor. Pa­re­ce que es­ta­mos no meio de uma gran­de fes­ta a be­ber de um to­nel sem fim.

Cor­re vi­nho a ro­dos por to­do o la­do. Nun­ca con­su­mi­mos tan­to co­mo ho­je. An­da­mos ine­bri­a­dos com os aro­mas a flo­res, fru­tas e es­pe­ci­a­ri­as e in­tri­ga­dos com a sa­li­ni­da­de e a mi­ne­ra­li­da­de dos vi­nhos. Já não com­pra­mos gui­as, por­que te­mos apli­ca­ções nos te­le­mó­veis e tu­do o que acon­te­ce pas­sa no Fa­ce­bo­ok. Qua­se em tem­po re­al.

O Fa­ce­bo­ok é, na ver­da­de, a mai­or gar­ra­fei­ra do país. Es­tá lá tu­do. Im­pres­si­o­na o nú­me­ro de gar­ra­fas e de gran­des vi­nhos que se be­bem to­dos os di­as em Por­tu­gal, com ba­se nos re­gis­tos que vão sur­gin­do na­que­la re­de social. A mim, im­pres­si­o­na-me tam­bém a re­sis­tên­cia de al­guns enó­fi­los e blo­guers, a ava­li­ar pe­los vi­nhos que pu­bli­cam. Ain­da te­rão fí­ga­do?

Quem gos­ta de vi­nho, per­ce­be es­ta ân­sia de pro­var tu­do, de be­ber o mun­do num só dia, se for pre­ci­so. É uma be­bi­da fas­ci­nan­te e, à me­di­da que va­mos sa­ben­do um pou­co mais so­bre os seus mis­té­ri­os, mais von­ta­de te­mos de pro­var coi­sas no­vas e di­fe­ren­tes.

O nos­so per­cur­so no vi­nho é mais ou me­nos es­te: co­me­ça­mos por gos­tar ape­nas de tin­tos e de­pois va­mos des­co­brin­do que há mais vi­da pa­ra além dos tin­tos e que o pra­zer po­de es­tar num co­po de um bran­co; co­me­ça­mos pe­los no­vos, mas a se­guir des­co­bri­mos que a fe­li­ci­da­de es­tá afi­nal num bran­co com al­gu­ma ida­de; no iní­cio, fa­ze­mos ca­ra feia à aci­dez, de­pois con­ver­ta­mo­la nu­ma es­pé­cie de man­tra, até que um dia per­ce­be­mos que a aci­dez não é tu­do e que o mais im­por­tan­te num vi­nho é o equi­lí­brio; co­me­ça­mos a des­de­nhar dos for­ti­fi­ca­dos e aca­ba­mos de­vo­tos; par­ti­mos de uma re­gião fa­vo­ri­ta, nor­mal­men­te aque­la on­de vi­ve­mos, e va­mos es­ten­den­do os nos­sos ho­ri­zon­tes de pro­va mar e ter­ra aden­tro; ao fim de al­gum tem­po, já es­ta­mos a be­ber de tu­do, sem freio, e já so­mos es­pe­ci­a­lis­tas. É en­tão que nos tor­na­mos ver­da­dei­ros eno­cha­tos. Qu­an­do fi­nal­men­te nos can­sa­mos de fa­zer fi­gu­ri­nhas tris­tes e já pro­vá­mos o su­fi­ci­en­te, tor­na­mo-nos de no­vo ci­vi­li­za­dos e pas­sa­mos a be­ber me­nos e me­lhor (tal­vez por­que nes­sa al­tu­ra já co­me­ça­mos a es­tar ve­lhos).

O enó­fi­lo sá­bio é aque­le que não es­pe­ra pe­la ve­lhi­ce pa­ra be­ber com cri­té­rio. Não é fá­cil, por­que os en­can­tos do vi­nho são po­de­ro­sos e de­mo­nía­cos.

Mas é bom ter presente que, por mais di­nhei­ro e ca­pa­ci­da­de de “des­ti­la­ção” que se te­nha, uma vi­da não che­ga pa­ra pro­var to­do o vi­nho bom que há no mun­do.

Uma sim­ples gar­ra­fa de um bom vi­nho po­de fa­zer mais pe­la nos­sa fe­li­ci­da­de do que cin­quen­ta gran­des vi­nhos pro­va­dos a cor­rer, que é mui­tas ve­zes o que fa­ze­mos nas fei­ras (não há bo­ca, nem me­mó­ria, que aguen­te tan­to vi­nho) ou em al­mo­ços e jan­ta­res com ami­gos do meio. É co­mo pro­var vin­te pra­tos de um me­nu de de­gus­ta­ção num res­tau­ran­te Mi­che­lin. Ao fim de meia dú­zia, já não nos lem­bra­mos do que co­me­mos an­tes.

Com os vi­nhos, che­ga a ser pi­or. A dada al­tu­ra em­pol­ga­mo-nos e que­re­mos co­lo­car a gar­ra­fei­ra to­da na me­sa, co­mo se não hou­ves­se ama­nhã. Fa­ze­mos a mes­ma fi­gu­ra de um vi­ci­a­do em ta­ba­co que acen­de um ci­gar­ro com ou­tro. Ain­da es­ta­mos a es­tru­tu­rar a me­mó­ria de um vi­nho e já te­mos ou­tro no co­po.

Há umas se­ma­nas, o meu ami­go Mar­cos La­goa vol­tou a fa­zer um dos seus jan­ta­res épi­cos no res­tau­ran­te Pa­no­râ­mi­co, de Mar­le­ne Vi­ei­ra, no Ta­gus Park, em Oei­ras. Éra­mos 18 à me­sa e, des­ta vez, abriu mais de 40 gar­ra­fas. Só bran­cos e to­dos de 2008. Co­mo sem­pre, a Fran­ça do­mi­na nes­tes jan­ta­res. Não há vol­ta a dar: ne­nhum ou­tro país faz bran­cos tão bons.

Não se be­be­ram os vi­nhos mais ca­ros do mun­do, mas be­be­ram­se al­guns dos gran­des bran­cos do mun­do. Vi­nhos de pro­du­to­res re­pu­ta­dos co­mo Dau­vis­sat, Ra­ve­ne­au (Cha­blis), Da­gue­ne­au (Pouilly Fu­me), Gra­ne­vat, Do­mai­ne Ma­cle ( Ju­ra), Alphon­se Mel­lot (San­cer­re), Co­che-Dury (Mer­sault), Ra­mo­net, Pil­lot (Chas­sag­ne-Mon­tra­chet), en­tre ou­tros.

Be­ber aque­les vi­nhos nu­ma vi­da já é uma sor­te. Nu­ma noi­te só, é... Bem, não que­ro ser in­gra­to pa­ra o pro­mo­tor do jan­tar. Es­tas noi­tes são sem­pre me­mo­rá­veis. Além de mui­to di­dác­ti­cas (por­que os vi­nhos são ser­vi­dos às ce­gas), aju­dam-nos a co­lo­car em con­tex­to os vi­nhos que nos são mais fa­mi­li­a­res.

Co­mo en­tram sem­pre al­guns vi­nhos por­tu­gue­ses, dá pa­ra per­ce­ber que es­ta­mos a fa­zer ca­da vez me­lhor mas que ain­da te­mos mui­to que an­dar, por­que, so­bre­tu­do nos bran­cos, o nos­so his­tó­ri­co é in­sig­ni­fi­can­te.

Cla­ro que no dia se­guin­te é ne­ces­sá­rio re­ver as fotos das gar­ra­fas, pa­ra se per­ce­ber me­lhor o que se be­beu. Com frequên­cia, cons­ta­ta­mos que pas­sa­mos ao la­do de vi­nhos mo­nu­men­tais. E é nes­se mo­men­to que nos as­so­lam sen­ti­men­tos con­tra­di­tó­ri­os: de sa­tis­fa­ção, pe­lo pri­vi­lé­gio de ter­mos pro­va­do gran­des vi­nhos; mas tam­bém de al­gu­ma tris­te­za, por não ter­mos de­di­ca­do a ca­da um o tem­po e o res­pei­to que me­re­ci­am. Com me­nos vi­nhos, tí­nha­mos na mes­ma uma gran­de noi­te e o meu ami­go Mar­cos

La­goa pou­pa­va na gar­ra­fei­ra.

Quem gos­ta de vi­nho, per­ce­be es­ta ân­sia de pro­var tu­do, de be­ber o mun­do num só dia, se for pre­ci­so. É uma be­bi­da fas­ci­nan­te e, à me­di­da que va­mos sa­ben­do um pou­co mais so­bre os seus mis­té­ri­os, mais von­ta­de te­mos de pro­var

SIBILA LIND

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.