A no­va pra­ça pú­bli­ca no cen­tro do Por­to

Publico - Fugas - - SELINA -

Quan­do Nu­no Ál­va­res Pe­rei­ra, o San­to Con­des­tá­vel, ins­cre­veu pa­ra a pos­te­ri­o­ri­da­de a ex­pres­são “es­pe­tar uma lan­ça em Áfri­ca” es­ta­va a re­fe­rir-se às di­fi­cul­da­des que era pre­ci­so ul­tra­pas­sar. Quan­do a ain­da jo­vem ca­deia de ho­téis Se­li­na, fun­da­da há ape­nas qu­a­tro anos, mas já com 28 uni­da­des na Amé­ri­ca La­ti­na, anun­ci­ou o pri­mei­ro ho­tel na Eu­ro­pa, não de­ve ter pen­sa­do em lan­ças, mas an­tes em ban­dei­ras. E es­co­lheu a bai­xa do Por­to e uma das su­as ru­as mais em­ble­má­ti­cas, jun­to à Pra­ça Car­los Al­ber­to, pa­ra tes­tar um no­vo con­cei­to.

Os ho­téis Se­li­na são uma es­pé­cie de au­to­mó­vel hí­bri­do que tan­to fun­ci­o­na a cor­ren­te eléc­tri­ca co­mo a com­bus­tí­vel. Tam­bém eles se pro­põem a hos­pe­dar tan­to qu­em pro­cu­ra um bou­ti­que ho­tel e não dis­pen­sa a pri­va­ci­da­de e os pe­que­nos de­ta­lhes que lhe dão char­me, co­mo dá res­pos­ta a qu­em pro­cu­ra ape­nas uma ca­ma num dor­mi­tó­rio on­de en­con­tre se­gu­ran­ça e, cla­ro, rou­pa la­va­da na ca­ma.

Por se­rem dois con­cei­tos tão an­ta­gó­ni­cos no lar­go es­pec­tro da ofer­ta de alo­ja­men­to, a mi­nha cu­ri­o­si­da­de em ex­pe­ri­men­tar o que uma ca­deia co­mo o Se­li­na se pro­põe ofe­re­cer foi cres­cen­do na exac­ta pro­por­ção em que au­men­ta­vam as mi­nhas lei­tu­ras so­bre o ho­tel e as su­as uni­da­des. Ex­pe­ri­en­ci­ei o 29º ho­tel da ca­deia, o pri­mei­ro dos 20 que que­rem abrir em Por­tu­gal nos pró­xi­mos qu­a­tro anos, e o pri­mei­ro da Eu­ro­pa, um con­ti­nen­te on­de ain­da não se atre­vem a quan­ti­fi­car a am­bi­ção, nu­ma sex­ta-fei­ra à noi­te. Achei que era um dia per­fei­to pa­ra cru­zar to­das as va­lên­ci­as que a mar­ca se pro­põe ofe­re­cer.

Pa­ra ser mais ho­nes­ta, de­vo ain­da di­zer que as ra­zões da mi­nha cu­ri­o­si­da­de as­sen­ta­vam em dois mo­men- tos dis­tin­tos. Pas­sa­va mui­tas ve­zes na Rua das Oli­vei­ras, as an­ti­gas ins­ta­la­ções do PÚ­BLI­CO no Por­to eram ali per­to. Mas hou­ve um dia em que as por­tas do nº 61 es­ta­vam mais es­can­ca­ra­das e per­ce­beu-se que a par­tir da­que­le pré­dio se ti­nha aces­so a um am­plo es­pa­ço ver­de. Lem­bro-me de pen­sar nos in­crí­veis quin­tais e nas es­pla­na­das em sí­ti­os an­tes fe­cha­dos que o mo­vi­men­to de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na no Por­to es­ta­va a re­ve­lar. Já ha­via obras e eu não con­se­guia per­ce­ber o que eram aque­las es­tru­tu­ras em be­tão, quais cai­xo­tes, to­das iguais. Se­ri­am apar­ta­men­tos? E não pen­sei mais nis­so, até che­gar a no­tí­cia da inau­gu­ra­ção do Se­li­na, com mo­ra­da aco­pla­da. En­tão era is­so!, pen­sei.

Foi aí que sur­giu o se­gun­do mo­men­to da mi­nha cu­ri­o­si­da­de. Co­mo é que aque­le es­pa­ço ser­ve o con­cei­to que usam os fun­da­do­res do Se­li­na e que pas­sa por “cons­truir co­mu­ni­da­des”, cri­an­do es­pa­ços a pen­sar nos nó­ma­das di­gi­tais? Pes­so­as que vi­a­jam por to­do o la­do, que tra­ba­lham en­quan­to vi­a­jam, que que­rem ex­pe­ri­ên­ci­as em vez de ob­jec­tos. A co­mu­ni­ca­ção do Se­li­na pas­sa to­da pe­lo con­cei­to de que não ofe­re­cem ape­nas alo­ja­men­to mas sim es­pa­ços pa­ra os vi­a­jan­tes se li­ga­rem com ou­tros vi­a­jan­tes e com as co­mu­ni­da­des lo­cais. Sim, uma sex­ta-fei­ra no Por­to era um bom dia pa­ra tes­tar is­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.