João Pe­dro Pin­cha

Publico - Fugas - - A SALA -

“Fa­zer sa­la” é uma da­que­las ex­pres­sões que pa­re­cem ter caí­do em de­su­so. Ou que só vêm à ca­be­ça por al­tu­ras do Na­tal, quan­do se re­ce­bem fa­mi­li­a­res afas­ta­dos lá em ca­sa e há que man­tê-los con­for­tá­veis e en­tre­ti­dos por um pe­río­do ra­zoá­vel de tem­po. “Fa­zer sa­la” tan­to po­de ser o pe­no­so cum­pri­men­to de um de­ver com da­ta mar­ca­da ou a ge­ne­ro­sa aber­tu­ra da por­ta aos ami­gos e co­nhe­ci­dos, ofe­re­cen­do-lhes o me­lhor.

Foi se­gu­ra­men­te o se­gun­do sig­ni­fi­ca­do des­ta ex­pres­são que mo­ti­vou qu­a­tro ami­gos a abri­rem a Sa­la em São Ben­to, Lis­boa. A Sa­la não se de­fi­ne fa­cil­men­te. “Não é um res­tau­ran­te de co­mi­da al­gar­via, tam­bém não é uma ga­le­ria de ar­te”, diz Sel­ma. “É co­mo uma sa­la de es­tar, on­de os nos­sos ami­gos po­dem vir”, re­su­me Vasco. Eles os dois, jun­ta­men­te com Da­ni­e­la e Jo­seph, são as ca­ras por trás de um es­pa­ço que se es­con­de atrás de uma mo­des­tís­si­ma por­ta em fren­te ao Par­la­men­to.

Lá den­tro, po­rém, não se evi­ta uma cer­ta sur­pre­sa: uma sa­la bran­ca, lu­mi­no­sa, com ba­lões e fi­tas de fes­ta de um la­do e, do ou­tro, a pro­mes­sa de um pe­que­no mas aco­lhe­dor pá­tio co­ber­to por uma gran­de vi­dei­ra. Pa­ra en­con­tra­rem es­te sí­tio foi um ano, até abri­rem pas­sou-se ou­tro. “Que­ría­mos uma coi­sa que ti­ves­se ca­rác­ter. Não que­ría­mos ser mais um es­pa­ço a abrir em Lis­boa”, diz Vasco.

Nes­ta an­ti­ga mar­ce­na­ria há co­mi­da, be­bi­da e mú­si­ca, mas tam­bém há jo­gos, lá­pis pa­ra es­cre­vi­nhar e de­se­nhar, ban­da de­se­nha­da, re­vis­tas, uma pro­gra­ma­ção de workshops, ex­po­si­ções e ci­ne­ma. Co­mo se dis­se: a Sa­la não se de­fi­ne fa­cil­men­te. “O que nós sen­tía­mos é que não ha­via na­da nes­ta zo­na. Um sí­tio, um bar on­de pu­dés­se­mos es­tar a be­ber um co­po e a con­ver­sar”, afir­ma Da­ni­e­la, que de­sa­fi­ou Sel­ma a em­bar­car na aven­tu­ra. “Por is­so fi­ze­mos fin­ca-pé de pro­cu­rar es­pa­ços aqui.” Vasco com­ple­men­ta. “Não há mui­ta ofer­ta, ou ne­nhu­ma, des­te la­do da ci­da­de. Não es­ta­mos mui­to lon­ge das zo­nas de ani­ma­ção, co­mo o Cais do So­dré ou Bair­ro Al­to, por is­so po­de­mos ser o pri­mei­ro poi­so da noi­te.”

Não se jul­gue, ain­da as­sim, que es­ta sa­la de es­tar é só pa­ra noc­tí­va­gos. “Pa­ra qu­em vem é in­te­res­san­te por­que vai ex­pe­ri­men­tan­do coi­sas di­fe­ren­tes. As pes­so­as vêm cá uma, du­as, três, qu­a­tro ve­zes e as­su­mem as di­fe­ren­tes va­lên­ci­as”, con­ta Sel­ma. Va­mos a elas, en­tão.

Se a ideia é be­ber um co­po, a Sa­la tem uma car­ta re­la­ti­va­men­te gran­de. Nos cock­tails (5 a 7 eu­ros), a es­tre­la é o Me­dro­nho Sour, fei­to com o tí­pi­co fru­to al­gar­vio, mas a ofer­ta in­clui ain­da uns di­ver­ti­dos Mu­la Rus­sa e Cão d’água, en­tre ou­tros. Na lis­ta de aguar­den­tes e li­co­res des­ta­cam­se as be­bi­das de me­dro­nho, fi­go e diós­pi­ro, tal co­mo se be­bem no Al­gar­ve, e a car­ta de vi­nhos (co­po en­tre os 3 e os 3,5 eu­ros) tam­bém tem uma mar­ca des­ta re­gião: Her­da­de dos Pi­men­téis.

Sim, Da­ni­e­la e Sel­ma são al­gar­vi­as. Sim, o que se co­me na Sa­la é al­gar­vio. “Dá-nos mui­to pra­zer mos­trar es­tas coi­sas às pes­so­as”, diz Sel­ma, re­la­tan­do di­ver­ti­da que a mai­or par­te dos cli­en­tes pe­de pra­tos de pol­vo por­que não re­co­nhe­ce mui­tas coi­sas que es­tão na emen­ta. En­tre os pra­ti­nhes (as­sim mes­mo, com so­ta­que) con­tam-se mu­xa­ma, es­tu­pe­ta de atum, ce­nou­ri­nhas à al­gar­via, lin­guei­rão e bi­quei­rão (en­tre os 2 e os 8 eu­ros). As ti­bor­nas vêm com pol­vo, pai­o­la e quei­jo de ca­bra, ca­ra­pau com ba­ta­ta-do­ce ou mor­ce­la (en­tre 10 e 13 eu­ros). E os do­ci­nhes são tar­te de al­far­ro­ba, fo­lar de Olhão e ge­la­dos vin­dos di­rec­ta­men­te des­sa ci­da­de bran­ca (en­tre os 3 e os 4,5 eu­ros).

Há ain­da uma bu­cha de fim-de­se­ma­na, no­me cas­ti­ço pa­ra brun­ch, que cus­ta 14 eu­ros e in­clui pan­que­cas de al­far­ro­ba e amên­doa e uma sa­la­di­nha mon­ta­nhei­ra, além do io­gur­te com gra­no­la e os ovos da pra­xe. “Fa­ze­mos ques­tão de usar coi­sas mes­mo do Al­gar­ve, coi­sas que fa­zem par­te da nos­sa vi­da e do nos­so ADN”, afir­ma Sel­ma.

En­tre um pe­tis­co ou uma be­bi­da é pos­sí­vel ler um As­té­rix, jo­gar xa­drez ou ver um fil­me. “Já aqui ti­ve­mos dois lan­ça­men­tos de re­vis­tas, al­gu­mas pro­jec­ções de fil­mes, concertos, noi­tes de jo­gos”, diz Vasco. Pa­ra o iní­cio do ano es­tá a ser pre­pa­ra­da uma exposição. “Que­re­mos ser um sí­tio on­de as pes­so­as que­rem mes­mo vir. Um sí­tio pa­ra o dia-a-dia, pa­ra fa­zer um bo­ca­di­nho de sa­la”, afir­ma. “O pro­ces­so é mais atí­pi­co e de­mo­ra­rá um pou­co mais tem­po, mas não te­nho dú­vi­das de que es­ta ofer­ta é mui­to ne­ces­sá­ria”, com­ple­ta Sel­ma: “Nós que­re­mos que as pes­so­as ve­nham e di­gam ‘Es­tou na Sa­la’”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.