Ma­te­ra

O re­nas­ci­men­to da ci­da­de mal­di­ta

Publico - Fugas - - CAPITAIS EUROPEIAS DA CULTURA -

Quan­do o co­me­ço a es­cu­tar acre­di­to que, se fos­se hu­ma­na­men­te pos­sí­vel, Pa­o­lo Ver­ri es­ta­ria a fa­lar de Ma­te­ra, sem­pre de for­ma apai­xo­na­da, ain­da no pró­xi­mo sé­cu­lo.

- A pri­mei­ra vez que vi­si­tei Ma­te­ra foi já há mui­to tem­po. Mas te­nho a re­cor­da­ção bem ví­vi­da do que sen­ti, ca­mi­nhan­do por en­tre os sas­si, de me en­con­trar num es­pa­ço úni­co que, do­ta­do da pre­sen­ça hu­ma­na, pa­re­cia tam­bém um lu­gar de Deus, co­me­ça por ad­mi­tir o di­rec­tor-ge­ral da Fun­da­ção Ma­te­ra-Ba­si­li­ca­ta 2019.

Por su­ges­tão des­te ho­mem de 52 anos, na­tu­ral de Tu­rim, apai­xo­na­do pe­la cul­tu­ra, pe­lo futebol (é pre­si­den­te do clu­be Os­val­do So­ri­a­no e da se­lec­ção na­ci­o­nal de es­cri­to­res) e pe­las vi­a­gens, plan­to um pri­mei­ro olhar de­mo­ra­do em Ma­te­ra des­de o Par­co del­la Mur­gia (tam­bém de­sig­na­do - e ca­paz de can­sar - Par­que Re­gi­o­nal His­tó­ri­co Na­tu­ral das Igre­jas Ru­pes­tres de Ma­te­ra), de on­de ob­te­nho a me­lhor pa­no­râ­mi­ca so­bre a ci­da­de à qual ain­da tar­do a re­gres­sar pa­ra me­lhor ex­plo­rar es­te lu­gar tão car­re­ga­do de mis­ti­cis­mo.

Com uma área a ron­dar os 8000 hec­ta­res, com gar­gan­tas pro­fun­das, com tri­lhos, com cas­ca­tas e gru­tas uti­li­za­das pe­lo ho­mem des­de tem­pos de an­ta­nho, o par­que tor­na-se se­du­tor du­ran­te um bom par de ho­ras, ain­da as­sim in­su­fi­ci­en­tes pa­ra ad­mi- rar cer­ca de cen­te­na e meia de igre­jas ru­pes­tres, en­tre elas a ad­mi­rá­vel Crip­ta do Pe­ca­do Ori­gi­nal, tam­bém de­no­mi­na­da Crip­ta dos Cem Santos ou Ca­pe­la Sis­ti­na da ar­te ru­pes­tre, com um con­jun­to de fres­cos do sé­cu­lo IX que nos re­me­tem pa­ra o Li­vro do Ge­né­sis.

Do ou­tro la­do, con­tras­tan­do com a som­bra que se es­pa­lha pe­la gar­gan­ta pro­fun­da, o sol bri­lha so­bre aque­le puzz­le de pe­dra que, tal co­mo Plov­div, re­cla­ma o es­ta­tu­to de uma das ci­da­des mais an­ti­gas do mun­do. Os rai­os in­ci­dem so­bre os sas­si (as pe­dras), aque­le la­bi­rin­to de me­nos de 30 hec­ta­res pre­si­di­do pe­los seus dois bair­ros cen­trais, o sas­so Ca­ve­o­so e o sas­so Ba­ri­sa­no, e ele­van­do-se, na­que­la bran­cu­ra lei­to­sa e con­tra um céu azul, pe­la fa­lé­sia cal­cá­ria.

Ad­mi­ro mais uma ou outra das igre­jas do Par­co del­la Mur­gia, de to­do es­te ce­ná­rio que ins­pi­rou ci­ne­as­tas e cu­jas ima­gens nos te­rão pas­sa­do des­per­ce­bi­das, co­mo n’ O Evan­ge­lho Se­gun­do São Ma­teus (de Pi­er Pa­o­lo Pa­so­li­ni) ou A Paixão de Cris­to, re­a­li­za­do, pre­ci­sa­men­te 40 anos de­pois, em 2004, por Mel Gib­son.

- Ma­te­ra é do agra­do de todos, até das cri­an­ças, que aqui po­dem ca­mi­nhar, brin­car, es­con­der-se e par­ti­lhar a ati­tu­de de, em­bo­ra vi­ven­do no pas­sa­do, te­rem tam­bém a pers­pec­ti­va de um lu­gar do fu­tu­ro, um lu­gar do Star Wars, por exem­plo.

Re­cor­do as pa­la­vras, a vi­são ro­mân­ti­ca, de Pa­o­lo Ver­ri en­quan­to con­tem­plo pe­la úl­ti­ma vez, des­de o Par­co del­la Mur­gia, os sas­si.

- E é um lu­gar on­de se par­ti­lha o amor e a amizade. Nos sas­si, os ra­pa­zes tam­bém gos­tam de brin­car, de sal­tar de ca­sa em ca­sa, de se eson­de­rem com as ra­pa­ri­gas pa­ra tro­car um bei­jo.

Ex­tre­ma po­bre­za

É qua­se im­pos­sí­vel, ca­mi­nhan­do por Ma­te­ra, ig­no­rar o pas­sa­do da­que­la que fi­cou conhecida, em tem­pos e en­tre os ita­li­a­nos, co­mo a

Pros­cri­ta pa­ra os ita­li­a­nos na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo pas­sa­do, a ca­pi­tal da Ba­si­li­ca­ta, po­bre, re­mo­ta e sel­va­gem, tan­tas ve­zes ig­no­ra­da, já in­te­gra­va, em 1993, a lis­ta de Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da UNESCO. Ago­ra ce­le­bra a cul­tu­ra du­ran­te to­do es­te ano. Sou­sa Ri­bei­ro

ci­da­de mal­di­ta. Um dos lu­ga­res préhis­tó­ri­cos mais an­ti­gos da Eu­ro­pa, tes­te­mu­nha da pre­sen­ça hu­ma­na lo­go após o Pa­le­o­lí­ti­co, Ma­te­ra, a tro­go­lo­di­ta, foi de­cla­ra­da ver­go­nha na­ci­o­nal nos pri­mei­ros anos da dé­ca­da de 1950 pe­lo en­tão Pre­si­den­te do Con­se­lho Ita­li­a­no, Al­ci­de de Gas­pe­ri, a que se se­guiu a pro­mul­ga­ção de uma lei que im­pu­nha a eva­cu­a­ção de 15 mil dos seus ha­bi­tan­tes, dei­xan­do pra­ti­ca­men­te ór­fão, até 1990, o seu co­ra­ção his­tó­ri­co - e as pes­so­as sen­ti­ram-se de re­pen­te es­tra­nhas, des­lo­ca­das pa­ra um ou­tro es­pa­ço, sem sa­be­rem on­de co­lo­car os seus animais, ad­mi­ra­das por ve­rem a água a cor­rer de uma tor­nei­ra.

Nes­se tem­po, os ha­bi­tan­tes de Ma­te­ra vi­vi­am em con­di­ções de ex­tre­ma po­bre­za, em gru­tas es­ca­va­das na pe­dra, sem ven­ti­la­ção, sem luz na­tu­ral, sem elec­tri­ci­da­de e água cor­ren­te, fa­mí­li­as com nove e dez filhos, par­ti­lhan­do es­pa­ços já exí­guos com bur­ros, por­cos e ga­li­nhas - des­sa re­a­li­da­de deu con­ta, em 1945, Car­lo Le­vi (en­vi­a­do pa­ra o exí­lio em 1935 pe­la di­ta­du­ra de Mus­so­li­ni pa­ra a re­gião do Mez­zo­gi­or­no), em al­gu­mas li­nhas do li­vro Cris­to pa­rou em Ebo­li (mais tar­de, em 1979, adap­ta­do ao ci­ne­ma por Fran­ces­co Ro­si). “Em to­da a mi­nha vi­da nun­ca vi sem­lhan­te qua­dro de po­bre­za”, as­se­gu­ra­va o es­cri­tor na­tu­ral de Tu­rim.

Com pou­co mais de 60 mil ha­bi­tan­tes, a ca­pi­tal da re­gião tan­tas ve­zes ig­no­ra­da da Ba­si­li­ca­ta, pa­ra uns po­bre, pa­ra ou­tros re­mo­ta, pa­ra ou­tros, ain­da, sel­va­gem, é um exem­plo de vi­da, mor­te e res­sur­rei­ção - co­mo um de­ser­to (de ha­bi­tan­tes) trans­for­ma­do num oá­sis (de tu­ris­tas), tal­vez por­que foi o pri­mei­ro lu­gar em to­do o Sul de Itália a in­te­grar, lo­go em 1993, a lis­ta do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de da UNESCO.

Nos di­as de ho­je, de es­plen­dor, Ma­te­ra exi­be uma fa­ce mais mo­der­na (uma lei de con­ser­va­ção, de 1986, pro­te­ge o ex­te­ri­or das ca­sas), mui­tas des­sas ca­ves fo­ram trans­for­ma­das em ho­téis de lu­xo, abrin­do ca­mi­nho à especulação imo­bi­liá­ria. De ano pa­ra ano, tem vin­do a au­men­tar o nú­me­ro de tu­ris­tas e, a exem­plo do que acon­te­ce nou­tras ci­da­des ita­li­a­nas, são ca­da vez mais aque­les que alu­gam as su­as ca­sas, re­ti­ran­do iden­ti­da­de aos sas­si.

- Na ver­da­de, o tu­ris­mo mu­dou Ma­te­ra nos úl­ti­mos cin­co anos. No iní­cio, os re­si­den­tes sen­ti­am-se or­gu­lho­sos e fe­li­zes por re­ce­be­rem os tu­ris­tas na ci­da­de que em tem­pos fora a ver­go­nha de Itália, o lu­gar on­de nin­guém quis vol­tar du­ran­te mais de 30 anos, ago­ra de­cla­ra­do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da UNESCO e vi­si­ta­do por tu­ris­tas de paí­ses tão dis­tan­tes co­mo a No­va Ze­lân­dia, a Chi­na ou o Japão, co­me­ça por ob­ser­var Pa­o­lo Ver­ri.

Atrás de­les, à me­di­da que se iam es­cu­tan­do os ecos do re­nas­ci­men­to da ci­da­de, che­ga­ram ita­li­a­nos de ou­tras localidades pa­ra aqui se fi­xa­rem e, de acor­do com um es­tu­do re­cen­te da Uni­ver­si­da­de de Si­e­na, mais de 25% das ca­sas de Ma­te­ra es­tão dis­po­ní­veis pa­ra alu­gar no Airbnb, um nú­me­ro sem pa­ra­le­lo em to­do o país.

- Co­mo su­ce­de um pou­co por to­da a Eu­ro­pa, em ci­da­des gran­des e mes­mo nas mais pe­que­nas, as­sis­te-se a um no­vo fe­nó­me­no de tu­ris­mo de mas­sas que con­duz a uma re­fle­xão so­bre a re­la­ção

en­tre a ci­da­de e o tu­ris­ta. É nes­se sen­ti­do que es­ta­mos a tra­ba­lhar, na re­di­fi­ni­ção des­sa re­la­ção, em alar­gar a ofer­ta tu­rís­ti­ca a ou­tras zo­nas de Ma­te­ra, re­ti­ran­do pres­são aos sas­si, as­su­me Pa­o­lo Ver­ri.

Al­guns des­ses pas­sos começam a ser da­dos já a par­tir do pró­xi­mo sá­ba­do, dia da ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra de Ma­te­ra-Ba­si­li­ca­ta 2019, com um con­jun­to de even­tos que abran­ge di­fe­ren­tes áre­as da ci­da­de e com a cri­a­ção de um pas­sa­por­te (ad­qui­ri­do por 19 eu­ros e que dá aces­so a to­das as ini­ci­a­ti­vas, ain­da que em al­guns ca­sos se­ja ne­ces­sá­rio re­ser­var an­te­ci­pa­da­men­te), o tem­po­naut, uma me­di­da que pre­ten­de trans­for­mar o vi­a­jan­te num ci­da­dão tem­po­rá­rio de Ma­te­ra, in­cen­ti­van­do-o a um mai­or diá­lo­go com a po­pu­la­ção re­si­den­te.

Não é por aca­so que Ma­te­ra adop­ta o le­ma “Open Fu­tu­re” du­ran­te es­te ano de gran­de im­por­tân­cia pa­ra a ci­da­de.

- Es­ta­mos em­pe­nha­dos em de­sen­vol­ver uma es­tra­té­gia que per­mi­ta man­ter a qua­li­da­de de vi­da nu­ma ci­da­de mé­dia/pe­que­na co­mo Ma­te­ra. É ne­ces­sá­rio per­ce­ber co­mo é pos­sí­vel re­con­fi­gu­rar o fu­tu­ro das ci­da­des eu­ro­pei­as des­ta di­men­são e es­ta é uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra re­di­fi­nir es­se papel, con­vi­dan­do as pes­so­as a in­ves­tir na cri­a­ti­vi­da­de e na cul­tu­ra. Daí o le­ma de Ma­te­ra, “Open Fu­tu­re”, por­que es­sa é uma opor­tu­ni­da­de que não es­tá na mão dos po­lí­ti­cos mas sim nas mãos do ci­da­dão co­mum, as­se­gu­ra ain­da Pa­o­lo Ver­ri.

Com di­fe­ren­tes pro­jec­tos em car­tei­ra até ao fi­nal do ano, Ma­te­ra fo­ca-se em cin­co te­mas que ser­vi­rão de ba­se pa­ra to­das as ini­ci­a­ti­vas. O Fu­tu­ro Re­mo­to é um de­les, na pers­pec­ti­va de pro­vo­car uma re­fle­xão so­bre a re­la­ção mi­le­ná­ria en­tre a hu­ma­ni­da­de e o es­pa­ço e as es­tre­las, se­guin­do os pas­sos de um dos mais no­tá­veis re­si­den­tes de Ma­te­ra, Pi­tá­go­ras, en­quan­to se ex­plo­ra a be­le­za uni­ver­sal da Ma­te­má­ti­ca e se ana­li­sam as in­fi­ni­tas pos­si­bi­li­da­des de diá­lo­go en­tre o ho­mem e a na­tu­re­za, pro­por­ci­o­nan­do mo­men­tos cul­tu­rais em es­pa­ços fí­si­cos tão dis­tin­tos co­mo as igre­jas ru­pes­tres ou o Cen­tro Ge­o­dé­si­co Es­pa­ci­al.

Con­ti­nui­da­de e Rup­tu­ra é outra das te­má­ti­cas a ex­plo­rar, fo­can­do­se na re­la­ção de con­fli­tu­a­li­da­de de Ma­te­ra com a mo­der­ni­da­de e na pos­si­bi­li­da­de de uma te­ra­pia co­lec­ti­va que afas­te os fan­tas­mas des­sa ci­da­de mal­di­ta, des­sa ou-

tro­ra ver­go­nha na­ci­o­nal, sem dei­xar de des­per­tar o ci­da­dão pa­ra a cres­cen­te de­si­gual­da­de so­ci­al, pa­ra o res­sur­gi­men­to do ra­cis­mo e pa­ra todos os pro­ble­mas sociais em con­ti­nen­tes co­mo a Ásia e a Áfri­ca.

Num sé­cu­lo mar­ca­do pe­la pres­sa, pe­lo rit­mo fre­né­ti­co de vi­da, Ma­te­ra tam­bém pro­cu­ra des­per­tar o vi­si­tan­te pa­ra uma re­des­co­ber­ta dos va­lo­res do tem­po e da cal­ma atra­vés do te­ma Re­fle­xões e Co­ne­xões, en­quan­to Uto­pia e Dis­to­pia, outra das te­má­ti­cas, pre­ten­de afas­tar os pre­con­cei­tos que pai­ram, co­mo fan­tas­mas, so­bre es­ta ci­da­de do Sul de Itália, aler­tan­do, ao mes­mo tem­po, pa­ra a ne­ces­si­da­de de uma pro­fun­da mu­dan­ça nu­ma men­ta­li­da­de fa­ta­lis­ta.

Fi­nal­men­te, Ma­te­ra tam­bém se re­vê no te­ma Raí­zes e Per­cur­sos, na mo­bi­li­da­de da Eu­ro­pa e da pró­pria re­gião des­de tem­pos an­ces­trais, co­mo es­pa­ço de en­con­tro e de con­ver­gên­cia de di­fe­ren­tes po­vos até se che­gar aos di­as de ho­je, do re­gres­so da diás­po­ra, de uma ge­ra­ção de jo­vens atraí­dos pe­los va­lo­res da cul­tu­ra me­ri­di­o­nal.

E, um pou­co por to­do o la­do, cru­zo-me com ita­li­a­nos (mas tam­bém in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros) que go­zam des­ta res­sur­rei­ção de Ma­te­ra, des­ta no­va bên­ção que cai so­bre a ci­da­de em tem­pos amal­di­ço­a­da. Dei­to um olho às pro­fun­de­zas do fos­so da Gra­vi­na e co­me­ço a su­bir ao lon­go de ru­as es­trei­tas até che­gar à Pi­az­za del Du­o­mo, do­mi­na­da pe­la im­po­nen­te ca­te­dral do sé­cu­lo XIII, com as su­as in­fluên­ci­as nor­man­das, lom­bar­das e ori­en­tais. Ao la­do, na antiga igre­ja de San­ta Ma­ria di Cos­tan­ti­no­po­li, es­tá bem guar­da­da a Ma­don­na del­la Bru­na, a san­ta pa­dro­ei­ra de Ma­te­ra que é ce­le­bra­da, com uma pro­cis­são, todos os anos, a 2 de Ju­lho. De no­vo no ex­te­ri­or, si­go ao lon­go da Via Du­o­mo, ao en­con­tro da igre­ja de San Fran­ces­co d’As­si­si (sé­cu­lo XIII) que pres­ta homenagem à vi­si­ta de São Fran­cis­co a Ma­te­ra, em 1218.

A ci­da­de per­cor­re-se a pé, sem pres­sas, ape­lan­do a uma aten­ção per­ma­nen­te aos pe­que­nos de­ta­lhes de uma pai­sa­gem in­vul­gar. Mes­mo que Pa­o­lo Ver­ri de­se­je alar­gar Ma­te­ra, con­vi­dan­do os tu­ris­tas a não se fo­ca­rem ape­nas nos sas­si, di­fi­cil­men­te al­gum de­les dei­xa­rá de pas­sar a mai­or par­te do tem­po nes­tes la­bi­rin­tos de um tem­po que não pa­re­ce ser do nos­so tem­po. Per­mi­to que os meus pas­sos me con­du­zam sem des­ti­no de­fi­ni­do pe­lo sas­so Ba­ri­sa­no e sem gran­des de­mo­ras dei­xo que a mi­nha bo­ca se abra de es­pan­to nes­se mag­ni­fi­cen­te com­ple­xo mo­nás­ti­co (usa­do por mon­ges be­ne­di­ti­nos de ori­gem pa­les­ti­ni­a­na no sé­cu­lo XIII) com­pos­to pe­la Ma­don­na del­le Virtù e de San Ni­co­la del Gre­ci, com de­ze­nas de gru­tas que se es­pa­lham por dois an­da­res. A pri­mei­ra foi cons­truí­da no sé­cu­lo X ou XI e res­tau­ra­da já no sé­cu­lo XVII, a se­gun­da des­ta­ca-se pe­la ri­que­za dos seus fres­cos.

Mais tar­de, sem­pre nes­se rit­mo tran­qui­lo que su­por­ta um dos te­mas de Ma­te­ra co­mo Ca­pi­tal Eu­ro­peia da Cul­tu­ra, vou er­ran­do ago­ra pe­lo Sas­so Ca­ve­o­so, pres­tan­do cul­to à Chi­e­sa di San Pi­e­tro Ca­ve­o­so, ad­mi­ran­do os fres­cos em San­ta Ma­ria d’Idris e, já na Via la Vis­ta, à de San­ta Lu­cia al­le Mal­ve, até re­gres­sar a es­se pas­sa­do de con­di­ções de vi­da ex­tre­mas que tão bem re­tra­ta a Ca­sa-Grot­ta di Vi­co So­li­ta­rio, co­mo um tes­te­mu­nho vi­vo des­sa con­vi­vên­cia (com gra­ves con­sequên­ci­as na ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til) en­tre ho­mens e animais.

Ain­da dis­po­nho de tem­po que dei­xo cor­rer quan­do apre­cio a Pi­az­za Vit­to­rio Ve­ne­to, o co­ra­ção his­tó­ri­co de Ma­te­ra, com o seu pa­lom­ba­ro lun­go, uma enor­me cis­ter­na cons­truí­da na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XIX co­mo re­ser­va de água pa­ra os ha­bi­tan­tes de Sas­so Ca­ve­o­so. E daí avan­ço até outra pra­ça, a Pi­az­za del Se­di­le, em tem­pos o co­ra­ção po­lí­ti­co de Ma­te­ra, ho­je abra­ça­da por ba­res e res­tau­ran­tes que são mais uma pro­va do re­nas­ci­men­to da ci­da­de mal­di­ta.

A vi­da fer­vi­lha em Ma­te­ra. O ae­ro­por­to mais pró­xi­mo (cer­ca de 60 qui­ló­me­tros) de Ma­te­ra é o de Ba­ri Pa­le­se. De Lis­boa ou do Por­to não há vo­os di­rec­tos pa­ra a ca­pi­tal da Apú­lia, pro­vín­cia do Sul de Itália. Mas a Rya­nair (www. rya­nair.com) po­de ser uma op­ção a ter em con­ta, em­bo­ra im­pli­que uma es­ca­la no ae­ro­por­to Orio al Se­rio, tam­bém co­nhe­ci­do por Il Ca­ra­vag­gio e mais ain­da, pe­las com­pa­nhi­as aé­re­as low-cost, por Mi­lão-Bér­ga­mo.

Outra pos­si­bi­li­da­de a es­tu­dar é com a TAP (www.fly­tap.com) de Lis­boa até Ro­ma e, após uma es­ca­la, com a Ali­ta­lia (www. ali­ta­lia.com) até Ba­ri.

Ain­da que não se­ja a op­ção mais prá­ti­ca, po­de re­cor­rer a ou­tras ci­da­des eu­ro­pei­as, co­mo, por exem­plo, Mu­ni­que ou Ames­ter­dão, li­ga­das pe­la Air Do­lo­mi­ti (www.air­do­lo­mi­ti.eu) e pe­la Tran­sa­via (www.tran­sa­via. com), res­pec­ti­va­men­te, pa­ra che­gar ao ae­ro­por­to de Ba­ri, de on­de há transporte di­rec­to de au­to­car­ro pa­ra Ma­te­ra (cer­ca de uma ho­ra). Se pre­fe­rir o com­boio, te­rá de des­lo­car-se

(de com­boio, de au­to­car­ro ou de tá­xi) até ao cen­tro da ci­da­de, na Pi­az­za Mo­ro, de on­de sai o ser­vi­ço da Fer­ro­vie Ap­pu­lo Lu­ca­ne com des­ti­no a Ma­te­ra (apro­xi­ma­da­men­te uma ho­ra e meia).

Ma­te­ra, com uma luz tão es­pe­ci­al e dis­tin­ta du­ran­te as qua­tro es­ta­ções, po­de ser vi­si­ta­da em qualquer al­tu­ra do ano. Mas, des­de que não te­nha in­te­res­se num even­to es­pe­ci­al nu­ma das ca­pi­tais eu­ro­pei­as da cul­tu­ra des­te ano, a Pri­ma­ve­ra é a épo­ca mais acon­se­lhá­vel pa­ra apre­ci­ar es­ta ci­da­de ita­li­a­na. Lo­go, pe­la tem­pe­ra­tu­ra, não se sen­te o ca­lor, não se sen­te o frio, o ide­al pa­ra ca­mi­nhar pe­las ru­as de Ma­te­ra e pa­ra fa­zer ca­mi­nha­das nas re­don­de­zas des­ta ur­be do ex­tre­mo sul da pe­nín­su­la do país. Pre­ci­sa­men­te por for­ça da sua lo­ca­li­za­ção, Ma­te­ra po­de re­ve­lar-se tre­men­da­men­te quen­te no Ve­rão, mais em Ju­lho e Agos­to, com os ter­mó­me­tros a re­gis­ta­rem va­lo­res qua­se in­su­por­tá­veis. Em con­tras­te, Se­tem­bro e Ou­tu­bro são ou­tros dois me­ses em que se po­de des­fru­tar ver­da­dei­ra­men­te de Ma­te­ra. O In­ver­no su­por­ta-se me­lhor do que o Ve­rão, é frio mas a ma­gia da épo­ca na­ta­lí­cia pa­re­ce aque­cer cor­pos e co­ra­ções.

Ris­to­ran­te Ego

Via Sti­gli­a­ni, 44

Ma­te­ra

Tel.: 00 39 392 90 30 963

E-mail: in­[email protected]­gour­met.it www.ego­gour­met.it

Pre­ço: en­tre 40 e 80 eu­ros (be­bi­das não in­cluí­das), de­pen­den­do do me­nu elei­to. Dei­xe-se se­du­zir por um dos me­nús con­fec­ci­o­na­dos pe­lo con­cei­tu­a­do chef Ni­co­la Egò, com os seus sa­bo­res an­ti­gos e as su­as téc­ni­cas mo­der­nas.

La Tal­pa Ris­to­ran­te Piz­ze­ria

Via Fi­o­ren­ti­ni, 167

Sas­so Ba­ri­sa­no

Tel.: 00 39 835 33 50 86 in­[email protected]­tal­pa­ris­to­ran­te.it www.la­tal­pa­ris­to­ran­te.it

Pre­ço: en­tre os oi­to e os 25 eu­ros por pra­to prin­ci­pal.

Ho­tel in Pi­e­tra

Via San Gi­o­van­ni Vec­chio, 22

Sas­so Ba­ri­sa­no

Tel.: 00 39 835 34 40 40 www.ho­te­lin­pi­e­tra.it

E-mail: in­[email protected]­te­lin­pi­e­tra.it Pre­ço: en­tre 70 e 160 eu­ros por um du­plo e en­tre 200 e 230 por uma suí­te. O ho­tel dis­põe igual­men­te de um es­pa­ço in­de­pen­den­te, o Loft 79, a cur­ta distância, na Via Lu­ca­na, 79, com uma ta­ri­fa de 120 eu­ros pa­ra um máximo de du­as pes­so­as. Si­tu­a­do nu­ma zo­na cen­tral, a es­cas­sos 300 me­tros da Pi­az­za Vi­to­rio Ve­ne­to, es­te bou­ti­queho­tel, aber­to em 2008, se­duz des­de lo­go pe­lo seu átrio, abri­ga­do nu­ma antiga ca­pe­la do sé­cu­lo XIII - e não me­nos se­du­to­res são os nove quartos. Sex­tan­tio - le grot­te del­la ci­vi­ta Via Ci­vi­ta, 28

Sas­so Ba­ri­sa­no

Tel.: 00 39 835 332 744 www.le­grot­te­del­la­ci­vi­ta. sex­tan­tio.it

E-mail: ma­te­[email protected]­tan­tio.it Um to­tal de 18 quartos, ele­gan­te­men­te mo­bi­la­dos e uma antiga crip­ta que fun­ci­o­na co­mo es­pa­ço co­mum, sem dúvida um dos lu­ga­res mais má­gi­cos pa­ra uma noi­te em Ma­te­ra com re­fle­xo na­tu­ral nas ta­ri­fas (quartos a par­tir de 150 eu­ros e suí­tes en­tre os 280 e os 350 eu­ros).

Ma­te­ra tem al­guns mu­seus in­te­res­san­tes, co­mo o Mu­seo Na­zi­o­na­le Ri­do­la, ocu­pan­do o an­ti­go con­ven­to de San­ta Chi­a­ra (sé­cu­lo XVII) e com uma im­pres­si­o­nan­te co­lec­ção de ar­te­fac­tos que in­clui ad­mi­rá­veis pe­ças de ce­râ­mi­ca gre­ga. Não dei­xe de in­ves­tir al­gum do seu tem­po no MUSMA, o mu­seu de es­cul­tu­ra con­tem­po­râ­nea que se abri­ga no Pa­lá­cio Po­ma­ri­ci, com os seus fres­cos do sé­cu­lo XVII no pri­mei­ro an­dar e uma amos­tra que tra­ça o percurso da es­cul­tu­ra des­de 1880 até aos nos­sos di­as, in­cluin­do tra­ba­lhos do bri­tâ­ni­co Lynn Chadwick.

Os ci­da­dãos por­tu­gue­ses ape­nas ne­ces­si­tam de um do­cu­men­to de iden­ti­fi­ca­ção (pas­sa­por­te, bi­lhe­te de iden­ti­da­de ou car­tão de ci­da­dão) pa­ra vi­si­tar o país. A mo­e­da é o eu­ro.

A lín­gua ofi­ci­al é o ita­li­a­no.

LUCA LANCIERI

SIMONE LORENZO/GETTY IMAGES

A Pi­az­za Vit­to­rio Ve­ne­to, com a sua cis­ter­na do sé­cu­lo XIX, é o co­ra­ção his­tó­ri­co de uma ur­be que tem nos sas­si a sua mai­or atrac­ção

DR

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.