Jai­me Vaz

Ele cres­ceu na mer­ce­a­ria do avô e trans­for­mou-a na Gar­ra­fei­ra Na­ci­o­nal

Publico - Fugas - - PROTAGONISTA - Ale­xan­dra Pra­do Co­e­lho

Jai­me Vaz ti­nha 18 anos quan­do com­prou a pri­mei­ra gar­ra­fei­ra par­ti­cu­lar. Um co­lec­ci­o­na­dor que mor­re­ra, fa­mi­li­a­res que não es­ta­vam in­te­res­sa­dos e, por­tan­to, uma opor­tu­ni­da­de. “Era uma gar­ra­fei­ra bas­tan­te gran­de, mui­to bem or­ga­ni­za­da”, con­ta aque­le que é ho­je o pro­pri­e­tá­rio da Gar­ra­fei­ra Na­ci­o­nal, lo­ja histórica de Lis­boa. “Pas­sei tu­do pa­ra o nos­so ar­ma­zém e ca­ta­lo­guei. Vi coi­sas tão an­ti­gas, tão in­te­res­san­tes, vi­nhos de me­sa, de Co­la­res, dos anos 1920, anos 30. A par­tir daí apai­xo­nei-me.”

O que fas­ci­na Jai­me são as gar­ra­fas - qua­se mais do que o lí­qui­do que con­têm. Ou me­lhor, tu­do o fas­ci­na des­de que transporte His­tó­ria. “Faz-nos pen­sar no que acon­te­ceu na al­tu­ra em que foi feito, se es­tá­va­mos nu­ma re­vo­lu­ção, nu­ma guer­ra. Te­nho vi­nhos de 1815, quan­do pen­sa­mos em 1815, Na­po­leão ain­da era vi­vo. Vou be­ber um vi­nho que foi feito com Na­po­leão vi­vo. Não é só o vi­nho, é o mo­men­to.”

Ao lon­go dos anos apren­deu mui­to. “Houve gar­ra­fas que es­tra­guei por des­co­nhe­ci­men­to, mas a mai­or par­te apro­vei­tei”.

Com o vi­nho do Por­to ou da Ma­dei­ra “é ra­ro ter­mos uma tris­te­za ao abrir uma gar­ra­fa”.

Mas com os tran­qui­los cor­re­se al­gum ris­co. “Po­de-se abrir uma gar­ra­fa com 80 anos e es­tar ex­cep­ci­o­nal­men­te bom, ou outra com a mes­ma ida­de que não es­tá tão bom, ou mes­mo uma que já mor­reu. Mas faz par­te do in­te­res­se de quem gos­ta de vi­nhos.”

Foi com o pai de Jai­me que a antiga mer­ce­a­ria da Rua de

San­ta Jus­ta co­me­çou, a pou­co e pou­co, a es­pe­ci­a­li­zar-se em be­bi­das e a tor­nar-se gar­ra­fei­ra. “O es­pa­ço foi ad­qui­ri­do pe­lo meu avô ma­ter­no em 1927”, con­ta. “O meu avô fa­le­ceu em 1950 e dei­xou a empresa ao meu pai, que co­me­çou já en­tão a evo­luir pa­ra a char­cu­ta­ria e os vi­nhos.”

Mas os tem­pos eram mui­to di­fe­ren­tes, “não se con­su­mia na­da que se pa­re­ces­se com o que se con­so­me ho­je” e os vi­nhos eram, na sua mai­or par­te, ven­di­dos a gra­nel. “En­gar­ra­fa­dos, eram um pro­du­to al­ta­men­te eli­tis­ta, mui­to ca­ro pa­ra to­da a gen­te.”

Jai­me era pe­que­no mas os cli­en­tes da ca­sa já o en­con­tra­vam ao bal­cão. Te­ria uns se­te anos, es­tu­da­va nu­ma es­co­la na Pra­ça da Figueira, mas quan­do aca­ba­va as au­las ia pa­ra a mer­ce­a­ria aju­dar. “Du­ran­te a se­ma­na gos­ta­va, ao fim-de-se­ma­na já não me agra­da­va tan­to”, con­fes­sa.

À me­di­da que ia cres­cen­do, a Bai­xa lis­bo­e­ta tam­bém se ia trans­for­man­do, com al­tu­ras em que ti­nha mui­ta gen­te e ou­tras em que fi­ca­va mais de­ser­ta. “Nós sem­pre tentámos marcar o nos­so can­ti­nho, te­mos cli­en­tes fiéis há 10, 15, 20, 30 anos, al­guns co­nhe­cem­me des­de os dez anos e até me cha­mam Jai­mi­nho.”

Com uma apos­ta cres­cen­te nos vi­nhos, o es­pa­ço físico da ca­sa tam­bém foi cres­cen­do. “Mas nun­ca al­te­rá­mos a tra­ça”, su­bli­nha. E se em mui­tas coi­sas se mo­der­ni­za­ram - um dos ca­nais fortes de ven­da ho­je é on­li­ne - fa­zem ques­tão de man­ter “o aten­di­men­to de há 50 anos”. O que é que is­so quer di­zer? “Não que­re­mos uma tran­sac­ção rá­pi­da.” Os funcionários es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra res­pon­der às per­gun­tas de quem co­nhe­ce bem o vi­nho ou de quem o co­nhe­ce me­nos bem e pro­cu­ra su­ges­tões que o aju­dem a de­ci­dir o que com­prar.

E as coi­sas têm cor­ri­do tão bem que nos úl­ti­mos anos nas­ce­ram mais du­as Gar­ra­fei­ras Na­ci­o­nais, uma em 2011, mais pró­xi­ma da zo­na da Sé, e outra em 2015, no Mer­ca­do da Ri­bei­ra. A da Rua de San­ta Jus­ta tor­nou-se, en­tre­tan­to, uma das Lo­jas Com His­tó­ria de Lis­boa. “Es­ta­mos aqui há 90 anos”, re­cor­da o pro­pri­e­tá­rio,

“já pas­sa­ram por aqui vá­ri­os mo­men­tos da vi­da do país, maus, bons, mui­to maus e mui­to bons, mui­to agi­ta­dos e mui­to cal­mos.”

E en­quan­to tu­ris­tas, mas tam­bém mui­tos na­ci­o­nais, en­tram pro­cu­ran­do gar­ra­fas mais ou me­nos his­tó­ri­cas, vi­nhos do Por­to, da Ma­dei­ra, Mos­ca­téis - há den­tro da lo­ja um es­pa­ço mais mu­se­o­ló­gi­co on­de es­tão guar­da­das as gar­ra­fas mais es­pe­ci­ais - ou, ca­da vez mais, os vi­nhos tran­qui­los por­tu­gue­ses, Jai­me Vaz con­ti­nua em bus­ca das gar­ra­fei­ras que ain­da guar­dam te­sou­ros ines­pe­ra­dos.

“Ho­je já são as pes­so­as que nos pro­cu­ram e nós te­mos que fa­zer uma ava­li­a­ção a vá­ri­os ní­veis”, ex­pli­ca. “Se for uma gar­ra­fei­ra par­ti­cu­lar, é pre­ci­so ten­tar sa­ber a his­tó­ria, se foi uma he­ran­ça, co­mo é que o pro­du­to es­te­ve guar­da­do, re­gis­tos das com­pras, e se, de to­do em to­do, não se sou­ber a his­tó­ria, não com­pra­mos.”

Há de tu­do no mer­ca­do. “Apa­re­cem gar­ra­fei­ras ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te bo­as e ou­tras que a gen­te nem de gra­ça quer. Mui­tas ve­zes, os pro­du­tos são bons, mas es­ti­ve­ram mal con­ser­va­dos. Te­mos que ter um cui­da­do mui­to gran­de, é por is­so que, do que ven­de­mos, não te­mos pra­ti­ca­men­te re­cla­ma­ções.”

O pro­ble­ma é que, ti­ran­do as tais sur­pre­sas que vão acon­te­cen­do, o nú­me­ro de vi­nhos ra­ros a cir­cu­lar é ca­da vez me­nor. “Ul­ti­ma­men­te atin­gem preços mui­to al­tos por­que vão sen­do ca­da vez mais ra­ros. Os con­su­mi­do­res com­pram­nos e con­so­mem-nos, en­quan­to an­ti­ga­men­te com­pra­vam e guar­da­vam.”

E, não res­tam dú­vi­das, o co­nhe­ci­men­to au­men­tou. “O pú­bli­co co­me­çou a evo­luir, sa­be o que quer, sa­be pro­var, e co­nhe­ce a re­la­ção qua­li­da­de-pre­ço. Se qui­ser es­ban­jar, tam­bém po­de es­ban­jar à von­ta­de. Di­zem-me ‘quero um vi­nho mui­to ca­ro’, ar­ran­ja-se um vi­nho mui­to ca­ro e mui­to bom.”

No en­tan­to, por ve­zes não é um bom negócio o que mais ale­gra Jai­me. A paixão pe­las gar­ra­fas su­pe­ra tu­do. “Há al­gu­mas gar­ra­fas que, sin­ce­ra­men­te, te­nho pe­na de ven­der. Há cer­ca de seis me­ses ven­de­mos uma gar­ra­fa de vi­nho da Ma­dei­ra de 1715. Foi bem vendida, ca­ra, já foi aber­ta e con­su­mi­da. Cus­tou-me, a mi­nha equi­pa qua­se que me pe­dia pa­ra não a ven­der. Mas te­ve que ser.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.