Es­ta pla­ta­for­ma quer le­var por­tu­gue­ses e tu­ris­tas a pôr as mãos na ter­ra

Publico - Fugas - - PORTUGAL FARM EXPERIENCES -

Quan­do o por­tão da es­tu­fa se abre, não ve­mos mais do que cou­ves, na­bi­ças, tre­vos, al­fa­ces. Uma co­mu­nhão de ver­des vi­ço­sos em car­rei­ros or­de­na­dos. É pre­ci­so apu­rar o olhar - e sa­ber on­de pro­cu­rá-las. Por es­ta al­tu­ra do ano, a mai­o­ria das ca­ra­co­le­tas pro­du­zi­das pe­la Va­le For­no, uma quin­ta fa­mi­li­ar lo­ca­li­za­da em Zi­brei­ra, con­ce­lho de Tor­res No­vas, es­tá em período de hi­ber­na­ção. Por is­so, mui­tas es­tão ar­ma­ze­na­das na ar­ca fri­go­rí­fi­ca, on­de a re­gu­la­ção da tem­pe­ra­tu­ra per­mi­te con­tro­lar a du­ra­ção des­te estágio. E as pou­cas que se pas­sei­am pe­las hor­ta­li­ças es­tão mais qui­e­tas do que é ha­bi­tu­al.

Aos pou­cos, vamos con­se­guin­do de­tec­tar as ca­ra­pa­ças mais gor­das: a tre­par pe­los pa­nos que de­li­mi­tam os can­tei­ros ou ani­nha­das nos ta­bu­lei­ros de ma­dei­ra. Mas Cla­ra To­jo e a fi­lha, Kelly Sil­va, mos­tram-nos que há tam­bém por ali de­ze­nas de mi­nús­cu­los ca­ra­cóis bebés es­con­di­dos en­tre as fo­lhas. “Nes­ta fa­se, cha­mam-se ale­vins”, apon­ta Kelly. O pe­que­no mo­lus­co, ain­da de cas­ca trans­lú­ci­da, não ocu­pa mais do que al­guns mi­lí­me­tros da pal­ma da mão. São pre­ci­sas en­tre três a qua­tro se­ma­nas pa­ra que che­gue à fa­se adul­ta e mais al­guns me­ses até es­tar pron­to a ser co­lhi­do. Pas­sa meio ano “des­de que nas­cem até irem pa­ra o mer­ca­do”, es­cla­re­ce Cla­ra.

A fa­mí­lia de­ci­diu ar­ran­car com a ex­plo­ra­ção de ca­ra­co­le­tas he­lix as­per­sa ma­xi­ma há cer­ca de cin­co anos, por ini­ci­a­ti­va do pa­tri­ar­ca, Ar­tur Sil­va. Cons­tru­tor ci­vil, quan­do o tra­ba­lho co­me­çou a ra­re­ar du­ran­te a cri­se eco­nó­mi­ca, pôs-se a pes­qui­sar al­ter­na­ti­vas. “Is­to foi o que lhe cha­mou mais à aten­ção”, re­cor­da a mu­lher, Cla­ra To­jo. “É uma empresa mui­to fa­mi­li­ar. A gen­te é que faz tu­do na es­co­lha das ca­ra­co­le­tas”, con­ta. Nas al­tu­ras de mai­or tra­ba­lho, as fi­lhas vêm dar uma aju­da. Há dois anos, a quin­ta, on­de já cul­ti­va­vam mui­tos pro­du­tos hor­tí­co­las e fa­zi­am cri­a­ção de animais pa­ra con­su­mo de ca­sa, foi uma das pri­mei­ras a in­te­grar a pla­ta­for­ma Por­tu­gal Farm Ex­pe­ri­en­ces. “Éra­mos vi­zi­nhos, mas não o co­nhe­cia”, con­ta Cla­ra. Fa­la de Es­tê­vão Ana­cle­to, ao nos­so la­do, fun­da­dor do pro­jec­to que nos trou­xe até cá.

O si­te, um “gé­ne­ro de Bo­o­king” es­pe­ci­a­li­za­do em ex­pe­ri­ên­ci­as agrí­co­las, até co­me­çou por se cha­mar Cam­pó­nio. A ideia era atrair ao cam­po os por­tu­gue­ses ci­ta­di­nos que já ti­nham per­di­do a li­ga­ção à ter­ra. “Mas aper­ce­be­mo-nos que o nos­so cli­en­te era mai­o­ri­ta­ri­a­men­te es­tran­gei­ro e que a mar­ca não ven­dia. Tí­nha­mos de es­tar sem­pre a ex­pli­car o que

Co­mo se cri­am ca­ra­co­le­tas, co­gu­me­los shi­ta­ke ou mo­ran­guei­ros sus­pen­sos? Quem são os agri­cul­to­res por­tu­gue­ses? Co­mo se vi­ve no cam­po? A Por­tu­gal Farm Ex­pe­ri­en­ces quer le­var-nos a quin­tas agrí­co­las pa­ra co­nhe­cer pro­du­to­res e ex­pe­ri­men­tar pôr mãos ao tra­ba­lho. Ma­ra Gonçalves (tex­to) e Nuno Ferreira Mon­tei­ro ( fo­tos)

que­ria di­zer”, con­ta o res­pon­sá­vel pa­ra jus­ti­fi­car a re­cen­te mu­dan­ça de no­me e de idi­o­ma. Há por­tu­gue­ses a re­ser­var ex­pe­ri­ên­ci­as na pla­ta­for­ma: fa­mí­li­as que que­rem mos­trar às cri­an­ças que a al­fa­ce não nas­ce no su­per­mer­ca­do, chefs à pro­cu­ra do con­tac­to di­rec­to com o pro­du­tor pa­ra sa­ber mais so­bre os in­gre­di­en­tes que uti­li­zam na co­zi­nha, emi­gran­tes e agri­cul­to­res - mais e me­nos ex­pe­ri­men­ta­dos - com von­ta­de de apos­tar nu­ma no­va ex­plo­ra­ção.

Mas a gran­de mai­o­ria são es­tran­gei­ros. Tu­ris­tas que que­rem ex­plo­rar Por­tu­gal pa­ra lá das prin­ci­pais ci­da­des, que têm cu­ri­o­si­da­de “em ver co­mo as coi­sas são pro­du­zi­das” e von­ta­de de “co­nhe­cer as pes­so­as au­tên­ti­cas do cam­po e de sa­ber co­mo elas vi­vem em Por­tu­gal”. “Di­ria que 90% dos nos­sos cli­en­tes nun­ca vi­ram na­da a cres­cer na ter­ra ou a ser pro­du­zi­do des­ta for­ma”, estima Es­tê­vão Ana­cle­to. Cla­ra as­su­me que nas vi­si­tas à Va­le For­no já apa­re­ceu de tu­do: pes­so­as que nun­ca ti­nham vis­to ca­ra­cóis, vi­vos ou no pra­to, que nun­ca ti­nham to­ca­do ou pro­va­do ou que não gos­ta­vam e pas­sa­ram a ado­rar. “Ti­ve­mos uma ra­pa­ri­ga que se pôs a gritar: ‘Meu Deus, que vai mor­der-me a mão’”, con­ta Cla­ra, en­tre ri­sos. “Ia des­mai­an­do, mas de­pois ado­rou tu­do, in­cluin­do a co­mi­da.”

Shi­ta­ke pa­ra o al­mo­ço

Ac­tu­al­men­te, a pla­ta­for­ma dis­po­ni­bi­li­za 14 ex­pe­ri­ên­ci­as em quin­tas di­fe­ren­tes. É pos­sí­vel vi­si­tar ex­plo­ra­ções de ca­ra­co­le­tas, co­gu­me­los, mo­ran­gos em hi­dro­po­nia, ga­li­nhas au­tóc­to­nes, vi­nhas, oli­vais, er­vas aro­má­ti­cas ou ma­çãs rei­ne­ta, por exem­plo. A es­ma­ga­do­ra mai­o­ria das quin­tas es­tá lo­ca­li­za­da nas re­giões da Gran­de Lis­boa e do Ri­ba­te­jo, mas o ob­jec­ti­vo é ex­pan­dir. Mui­to e de­pres­sa. “Que­re­mos atin­gir as 100 ex­pe­ri­ên­ci­as até ao fim do ano”, re­ve­la Es­tê­vão Ana­cle­to. A ideia é che­gar a to­do o país, in­cluin­do ilhas. E, quem sa­be, es­prei­tar o mer­ca­do espanhol no pró­xi­mo ano.

Pa­ra já, qua­se to­das se­guem o mes­mo for­ma­to: vi­si­ta gui­a­da à quin­ta, ex­pli­ca­ção so­bre os mé­to­dos pro­du­ti­vos, workshop, co­lhei­ta e de­gus­ta­ção de pro­du­tos. Pri­vi­le­gi­an­do sem­pre o con­tac­to di­rec­to com o pró­prio agri­cul­tor, que mui­tas ve­zes lidera to­da a ac­ti­vi­da­de. Em al­guns ca­sos, a re­fei­ção in­clui pra­tos con­fec­ci­o­na­dos com o in­gre­di­en­te pro­ta­go­nis­ta da vi­si­ta. É o ca­so da quin­ta Va­le For­no, on­de a emen­ta fei­ta por Cla­ra po­de in­cluir pa­ta­nis­cas, fei­jo­a­da e fo­lha­dos fei­tos com ca­ra­co­le­tas. De­pois, jun­ta sem­pre uma fru­ta da épo­ca apa­nha­da da hor­ta, uns pas­téis de na­ta, os “li­cor­zi­nhos” que faz. “A gen­te ten- ta dar um bo­ca­di­nho da­qui­lo que a nos­sa zo­na tem”, re­su­me.

Des­ta vez, não pro­va­mos os pe­tis­cos. O al­mo­ço es­tá mar­ca­do pa­ra a se­gun­da quin­ta que vi­si­ta­mos. Por is­so, o me­nu se­rá in­te­gral­men­te com­pos­to por pra­tos fei­tos à ba­se de co­gu­me­los shi­ta­ke: gui­sa­dos, em fo­lha­dos, ome­le­tes e ri­sot­to. Ga­bri­e­la Lo­pes as­si­na o re­pas­to mas é o ma­ri­do, Ma­nu­el, que nos guia pe­la quin­ta. Mi­li­tar de car­rei­ra, Ma­nu­el sen­tiu­se de­ma­si­a­do no­vo “pa­ra ir pa­ra o so­fá” quan­do che­gou à re­for­ma. “Ti­nha de ar­ran­jar qualquer coi­sa que não hou­ves­se cá” pa­ra ini­ci­ar um no­vo pro­jec­to e achou “gra­ça a is­to”, con­ta. “Nem gos­ta­va de co­gu­me­los.” Mas Ma­nu­el é um ho­mem “mui­to op­ti­mis­ta”, sem­pre de sor­ri­so aber­to e com uma ener­gia de bi­cho- car­pin­tei­ro. O que não da­va era pa­ra fi­car qui­e­to. Já plan­tou fi­gos-lam­pos no ter­re­no ad­ja­cen­te, fez me­sas e ca­dei­rões a par­tir de tron­cos - “Se me sen­tar aqui, fi­co o rei do co­gu­me­lo”, ri-se - e es­tá pres­tes a ter­mi­nar a pe­que­na ca­sa que de­ci­diu cons­truir pa­ra os tu­ris­tas que quei­ram per­noi­tar em ple­na hor­ta.

Na es­tu­fa, há 150 to­ne­la­das de tron­cos de ma­dei­ra dis­pos­tas em pe­que­nas tor­res. E é com o pei­to al­to de or­gu­lho que Ma­nu­el con­ta co­mo todos lhe “pas­sa­ram pe­las mãos”. É da­li que nas­cem os co­gu­me­los, de­pois de “lhes dar um cho­que tér­mi­co” com água fria, na al­tu­ra em que as “bor­bu­lhas” bran­cas começam a ame­a­çar rom­per a cas­ca. Mas pri­mei­ro é ne­ces­sá­rio ino­cu­lar os tron­cos com as ca­vi­lhas que com­prou já im­preg- na­das com o fun­go, no úni­co la­bo­ra­tó­rio que ain­da as produz em Por­tu­gal. Des­pa­cha­do, Ma­nu­el já tem tu­do pron­to so­bre a me­sa e, sem avi­so, sal­tam pe­da­ços de ma­dei­ra pe­lo ar à me­di­da que vai abrin­do bu­ra­cos nos tron­cos com um ber­be­quim. O pro­ces­so de ino­cu­la­ção é pre­ci­sa­men­te o pri­mei­ro mo­men­to em que os tu­ris­tas são con­vi­da­dos a “pôr as mãos na mas­sa”, de ber­be­quim em pu­nho. Se­gue-se, de­pois, a co­lhei­ta de al­guns co­gu­me­los na es­tu­fa - que no fi­nal po­de­rão le­var pa­ra ca­sa. E o al­mo­ço.

En­quan­to a co­mi­da não che­ga à me­sa, Es­tê­vão vai con­tan­do co­mo nas­ceu a ideia de cri­ar a Por­tu­gal Farm Ex­pe­ri­en­ces. A pe­ça fi­nal sur­giu atra­vés dos tu­ris­tas que re­ce­bia nas uni­da­des de alo­ja­men­to lo­cal que a fa­mí­lia abriu há três anos e que tan­tas ve­zes lhe per­gun­ta­vam se “exis­ti­am ac­ti­vi­da­des di­fe­ren­tes pa­ra fa­zer fora de Lis­boa”. Mas a li­ga­ção um­bi­li­cal à agri­cul­tu­ra sem­pre exis­tiu. Ne­to e fi­lho de agri­cul­to­res, Es­tê­vão vi­veu gran­de par­te da in­fân­cia no cam­po - “vim de Pa­ris com nove anos pa­ra vi­ver nu­ma quin­ta em Bu­ga­lhos”, a tal al­deia que faz de Cla­ra e Es­te­vão “vi­zi­nhos” -, tra­ba­lhou vá­ri­os anos co­mo en­ge­nhei­ro do am­bi­en­te e le­va seis co­mo pro­du­tor, for­ma­dor e em­pre­sá­rio na área da hi­dro­po­nia - “cri­ei a mar­ca GroHo, Growing Ho­me, em que le­vá­mos um bo­ca­di­nho o con­cei­to que tí­nha­mos ins­ta­la­do ali na quin­ta pa­ra a ci­da­de e ven­de­mos sis­te­mas ver­ti­cais de hor­tas pa­ra ter na co­zi­nha ou na va­ran­da”.

Des­de sem­pre que o em­pre­sá­rio es­te­ve “li­ga­do à ter­ra”, mas con­fes­sa que não era la­vou­ra o que que­ria pa­ra si. “Eu era aque­le miú­do que per­gun­ta­va sem­pre ao meu pai por que é que es­ta­va a ter aque­le tra­ba­lho to­do se po­dia ir ao su­per­mer­ca­do com­prar as mes­mas coi­sas”, re­cor­da. “Ele res­pon­dia-me sem­pre: ‘Um dia vais dar va­lor a is­to’”. Tan­tos anos de­pois, e ain­da que “de for­ma in­di­rec­ta”, tam­bém Es­tê­vão vol­tou a pôr as mãos na ter­ra. Ago­ra quer le­var ou­tros a fa­zer o mes­mo.

Mi­li­tar de car­rei­ra, Ma­nu­el (à es­quer­da) de­di­cou-se à pro­du­ção de co­gu­me­los shi­ta­ke; em bai­xo, a quin­taVa­le For­no

Por­tu­gal Farm Ex­pe­ri­en­cesRua Fer­nan­do Pa­lha, 43 - 2B Lis­boaTel.: 914 495 577E-mail: hel­[email protected]­tu­gal­farm ex­pe­ri­en­ces.com www.por­tu­gal­far­mex­pe­ri­en­ce. com

Em ci­ma, Es­tê­vão Ana­cle­to, fun­da­dor da Por­tu­gal Farm Ex­pe­ri­en­ces

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.