Uma ca­sa do sé­cu­lo XIX, com cer­te­za

No cen­tro his­tó­ri­co de Vi­a­na do Cas­te­lo, João Cor­reia e Al­da Ia­co­vi­no abrem as por­tas de sua ca­sa a quem quer re­cu­ar no tem­po. Ana Cris­ti­na Pereira (tex­to) e Nel­son Gar­ri­do (fo­tos)

Publico - Fugas - - CASA MANUEL ESPREGUEIRA E OLIVEIRA -

João Cor­reia en­trou na­que­la ca­sa pe­la pri­mei­ra vez em 2000. Fi­cou apa­nha­do. “Sen­ti que aqui es­ta­va uma coi­sa di­fe­ren­te, sen­ti que aqui es­ta­va uma obra de ar­te.” Não fez lo­go negócio. O pre­ço era ex­ces­si­vo. Vol­vi­dos qua­tro anos, a ca­sa ain­da lá es­ta­va. Fez a es­cri­tu­ra sem sa­ber que des­ti­no lhe dar.

O des­ti­no a dar à ca­sa, cons­truí­da em me­a­dos do sé­cu­lo XIX, aca­bou por se im­por ou, pe­lo me­nos, emer­gir da sua his­tó­ria. “Foi a ca­sa e a his­tó­ria de quem a ha­bi­tou que nos des­per­ta­ram.” Não de todos. De Luiz Au­gus­to de Oliveira (1851-1927), um mé­di­co, mi­li­tar e co­lec­ci­o­na­dor de ar­te, que a com­prou em 1900 e que foi o pri­mei­ro di­rec­tor do Mu­seu Re­gi­o­nal de Vi­a­na do Cas­te­lo, ho­je Mu­seu de Ar­tes De­co­ra­ti­vas. E do seu fi­lho, Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oliveira (1888-1953), que a her­dou, foi ve­re­a­dor na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Vi­a­na e de­pu­ta­do na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca.

Aque­les ha­bi­tan­tes não fo­ram só dois ho­mens ilus­tres no seu tem­po. Tam­bém be­ne­mé­ri­tos de Vi­a­na do Cas­te­lo. Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oli­vei-

ra dei­xou o es­pó­lio do pai à ci­da­de. Ain­da lá es­tá, a me­nos de 200 me­tros, no mu­seu ins­ta­la­do no Lar­go de São Do­min­gos. Mo­bi­liá­rio, lou­ças, te­las, de­se­nhos.

Quan­do João e a mu­lher, Al­da Ia­co­vi­no, se sen­tam a con­tar es­sa his­tó­ria, ela de­tém-se num de­ta­lhe de­ter­mi­nan­te: “Ti­ve­mos aces­so ao tes­ta­men­to e fi­cá­mos a sa­ber que o dou­tor [Luiz Au­gus­to de Oliveira] di­zia que tu­do o que cons­truiu gos­ta­ria que a hu­ma­ni­da­de ti­ves­se aces­so.” Iam re­cu­pe­rar uma ca­sa do sé­cu­lo XIX, dar-lhe o con­for­to do sé­cu­lo XXI e abrir as por­tas, co­mo uni­da­de de tu­ris­mo de ha­bi­ta­ção.

Nem João, nem Al­da ti­nham ex­pe­ri­ên­cia no sec­tor do tu­ris­mo. Ela, nas­ci­da no Rio do Ja­nei­ro, no Bra­sil, e a re­si­dir em Por­tu­gal des­de 1984, tra­ba­lha­va co­mo téc­ni­ca ofi­ci­al de con­tas e da­va au­las de Economia e Ges­tão na Uni­ver­si­da­de Fer­nan­do Pes­soa, no Por­to. E ele, nas­ci­do e cri­a­do em Vi­a­na do Cas­te­lo, a tra­ba­lhar por con­ta pró­pria des­de os 14 anos, ge­ria a sua pró­pria empresa no sec­tor de cons­tru­ção ci­vil.

A cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, que des­pon­tou nos EUA em 2008 e de­pres­sa cru­zou o Atlân­ti­co, afec­tan­do de for­ma par­ti­cu­lar os paí­ses do Sul da Eu­ro­pa, tam­bém aju­dou a de­ter­mi­nar o fu­tu­ro da ca­sa. A cons­tru­ção ci­vil es­ta­va qua­se pa­ra­li­sa­da.

“Per­gun­tei-me o que po­dia fa­zer pe­lo meu país e pe­la mi­nha gen­te”, re­cor­da João. Con­ven­ceu-se de que re­cu­pe­rar aque­la ca­sa era aju­dar a atrair mais vi­si­tan­tes, lo­go, mais negócio. “Te­mos aqui um mu­seu. Tec­tos de es­tu­que de Afi­fe, azu­le­jos pin­ta­dos à mão em Vi­a­na, ta­lha da zo­na de Bra­ga. E tu­do is­to aju­da a di­vul­gar a nos­sa cul­tu­ra, a nos­sa ar­te, a nos­sa his­tó­ria.”

Nem ima­gi­na­va no que se es­ta­va a me­ter. “Ain­da ho­je, quan­do ve­jo as fo­to­gra­fi­as me per­gun­to co­mo con­se­gui.”

Os tra­ba­lhos ar­ras­ta­ram-se mais de qua­tro anos. Co­me­ça­ram em Se­tem­bro de 2009 e ter­mi­na­ram em Abril de 2013. Amiú­de, sur­gi­am pro­ble­mas sem solução evi­den­te. Ha­via que “pen­sar mui­to” e que “fa­lar com vá­ri­as pes­so­as”.

Até pe­lo grau de exi­gên­cia, nin­guém se po­dia pre­ci­pi­tar. “O ob­jec­ti­vo era man­ter a tra­ça, re­cu­pe­rar tu­do o que era ar­tes, não es­tra­gar, o que re­quer mui­ta cal­ma e co­nhe­ci­men­to.” E a ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal de João não o sal­va­va de tu­do. “A mi­nha es­pe­ci­a­li­da­de era cons­truir, não era re­cu­pe­rar. Era pre­ci­so ter as pes­so­as cer­tas. Não ti­nha gen­te pa­ra re­cu­pe­rar es­tu­ques ou azu­le­jos pin­ta­dos à mão. Ti­ve­ram de vir de Es­pa­nha du­as pes­so­as pa­ra dar for­ma­ção em be­las ar­tes.”

Va­leu-lhe ter ou­vi­do o en­car­re­ga­do, que o acon­se­lhou: “Vo­cê só tem uma hi­pó­te­se: fa­zer is­to di­vi­são a di­vi­são, ca­da vez que uma fi­car pron­ta, fe­char a por­ta e par­tir pa­ra outra; se fi­zer tu­do ao mes­mo tem­po, vai de­sis­tir da obra.” Agra­de­ce-lhe até ago­ra. “Mui­tas ve­zes saí da­qui pa­ra não ati­rar a to­a­lha ao chão.”

Al­da ga­ba o pro­fis­si­o­na­lis­mo do ar­qui­tec­to Cou­ti­nho Ra­mos, que acom­pa­nhou tu­do com gran­de de­di­ca­ção. E João lem­bra a der­ra­pa­gem or­ça­men­tal, que os le­vou a ven­der a ca­sa na praia, a au­to­ca­ra­va­na dos seus so­nhos e o car­ro de ca­da um pa­ra evi­tar re­cor­rer à banca. Até por­que tam­bém era pre­ci­so en­con­trar mó­veis, can­de­ei­ros e ou­tros ade­re­ços con­di­zen­tes.

“Quan­do co­me­çá­mos a re­cu­pe­ra­ção da ca­sa, tam­bém co­me­çá­mos a pro­cu­rar mo­bi­liá­rio. Não apa­re­ceu to­do de ime­di­a­to. Foi apa­re­cen­do”, diz ele. Al­da es­tra­nhou a prá­ti­ca do Tu­ris­mo de Por­tu­gal, que com­par­ti­ci­pa a com­pra de mo­bi­liá­rio no­vo, não a de an­ti­go, re­du­zi­do à ca­te­go­ria de se­gun­da mão.

Com tem­po, foi fi­can­do tu­do à imagem de am­bos. Ela, que dei­xou de exer­cer a sua pro­fis­são pa­ra se de­di­car a tem­po in­tei­ro à Ca­sa Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oliveira, usa a ex­pres­são “pro­jec­to-paixão”. Ele, que man­te­ve a empresa de cons­tru­ção, lem­bra o es­pí­ri­to de sa­cri­fí­cio e a capacidade de cor­rer ris­cos. “Quan­do abra­ça­mos pro­jec­tos des­te gé­ne­ro há sem­pre ris­cos gran­des.”

A ida­de - ela es­tá com 62 anos e ele com 58 - aju­da-os a re­po­si­ci­o­nar as pri­o­ri­da­des. “O que es­tá cons­truí­do es­tá cons­truí­do e ago­ra te­mos de nos fi­car por ob­jec­ti­vos de re­a­li­za­ção mais es­pi­ri­tu­al”, diz ela. “O que nos in­te­res­sa ho­je é par­ti­lhar. Pa­ra nós, ho­je, qua­li­da­de de vi­da é vi­ver com pes­so­as de to­do o mun­do.”

Al­da fa­la com gos­to des­ta no­va car­rei­ra, des­ta no­va vi­da: “É mui­to boa. Há um in­ter­câm­bio cul­tu­ral mui­to gran­de que nós apre­ci­a­mos. Is­to é um tu­ris­mo de ha­bi­ta­ção. E o con­cei­to é que os an­fi­triões con­vi­vam com os hós­pe­des. Nós con­vi­ve­mos, fa­ze­mos ami­gos, tro­ca­mos con­tac­tos. É mui­to gra­ti­fi­can­te.”

No pri­mei­ro an­dar, o ca­sal e os seus hós­pe­des. Par­ti­lham a co­zi­nha, o sa­lão de es­tar, o sa­lão de jan­tar, a pe­que­na bi­bli­o­te­ca. Dor­mem nu­ma suí­te si­tu­a­da nes­ta co­ta da ca­sa, em­bo­ra ro­dem pe­las ou­tras, no pi­so su­pe­ri­or, quan­do a ocu­pa­ção o per­mi­te, pa­ra irem re­a­va­li­an­do os de­ta­lhes, fa­zen­do acer­tos.

A ca­sa in­te­gra seis suí­tes, ca­da qual com o no­me de uma flor. Pa­ra lhes ace­der há que su­bir a es­ca­da­ria de ma­dei­ra até ao fim, por­ven­tu­ra apoi­an­do-se no cor­ri­mão de pau-ro­sa, sob a be­lís­si­ma cla­ra­bóia. Em ca­da uma, tra­ba­lha­dos tec­tos de es­tu­que, im­pe­cá­vel chão de so­a­lho, mo­bi­liá­rio clás­si­co e es­co­lhi­do a de­do, lon­gos cor­ti­na­dos, vis­ta a pa­ra o mar, o rio Li­ma ou o mon­te de San­ta Lu­zia.

O pi­so tér­reo abre-se à ci­da­de. Pa­ra lá da re­cep­ção, o sa­lão mul­tiu­sos e um jar­dim, que tan­to po­dem ser alu­ga­dos pa­ra even­tos par­ti­cu­la­res, co­mo bap­ti­za­dos ou ca­sa­men­tos, co­mo ce­di­dos pa­ra even­tos pú­bli­cos, co­mo apre­sen­ta­ções de li­vros ou ex­po­si­ções de pin­tu­ra, fo­to­gra­fia ou ou­tras for­mas de ar­te.

Com eles tra­ba­lham Tiago de Oliveira, ar­qui­tec­to pai­sa­gis­ta, e Ci­pri­a­no Oqui­ni­a­me, ar­tis­ta plás­ti­co. Mes­mo as­sim, não têm pa­ra­do. “Des­de 2009, não houve mais fé­ri­as”, diz ele. Pri­mei­ro, a pes­qui­sa, a obra, a de­co­ra­ção. “Dia e noi­te ía­mos pa­ra a In­ter­net. De vez em quan­do, ía­mos à bi­bli­o­te­ca, ía­mos a mu­seus.” De­pois, abrir a ca­sa. En­con­trar for­ma de a dar a co­nhe­cer a po­ten­ci­ais cli­en­tes. Só ago­ra de­ci­di­ram pa­rar du­as se­ma­nas. Diz-lhes a ex­pe­ri­ên­cia que de­pois das fes­tas vem a qui­e­tu­de.

A Fu­gas es­te­ve alo­ja­da a con­vi­te da Ca­sa Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oliveira

Ca­sa Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oliveira Tu­ris­mo de Ha­bi­ta­ção Rua Ma­nu­el Es­pre­guei­ra, 190, 4900-318 Vi­a­na do Cas­te­lo

Tel.: 258 407 336

Lo­ta­ção: seis suí­tes.

Preços: sin­gle en­tre 90 (épo­ca bai­xa) e 120€ (épo­ca al­ta); du­plo 130 a 170€ (épo­ca bai­xa) e 150 a 200€ (épo­ca al­ta).

Mu­seu de Ar­tes De­co­ra­ti­vas

O Mu­seu de Ar­tes De­co­ra­ti­vas, ins­ta­la­do num so­lar ur­ba­no, no lar­go de São Do­min­gos, que aco­lhe a Igre­ja do con­ven­to da mes­ma evo­ca­ção, cus­ta dois eu­ros à se­ma­na e é grá­tis ao fim-de-se­ma­na. O es­pó­lio de Luiz Au­gus­to Oliveira re­pre­sen­ta cer­ca de 80% de um acer­vo que in­clui fai­an­ças por­tu­gue­sas dos sé­cu­los XVII, XVIII e XIX, fai­an­ças da Fá­bri­ca de Lou­ça de Vi­a­na (1774-1855), azu­le­jos, con­ta­do­res In­do­por­tu­gue­ses, mo­bi­liá­rio dos sé­cu­los XVII e XVIII e de­se­nhos e pin­tu­ras de ar­tis­tas por­tu­gue­ses (sé­cu­los XVIII e XIX).

Mu­seu do Tra­je

O Mu­seu do Tra­je de Vi­a­na do Cas­te­lo, ins­ta­la­do num edi­fí­cio cons­truí­do en­tre 1954 e 1958, na Pra­ça da Re­pú­bli­ca, tam­bém cus­ta dois eu­ros à se­ma­na e é grá­tis ao fim-de-se­ma­na. Cri­a­do em 1997, es­ta­va a car­go da Co­mis­são de Fes­tas da Se­nho­ra d’Ago­nia e fun­ci­o­na co­mo uma ga­le­ria de ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as. Em 2000, a câ­ma­ra as­su­miu a tu­te­la. Além das ex­po­si­ções fi­xas “A Lã e o Li­nho no Tra­je do Al­to Mi­nho”, “Tra­je à Vi­a­ne­sa”, “Ofi­ci­na e

Sa­la do Ou­ro”, há ex­po­si­ções tem­po­rá­ri­as.

Ser­ra de San­ta Lu­zia

Po­de su­bir-se no his­tó­ri­co fu­ni­cu­lar (dois eu­ros por tra­jec­to ou três eu­ros ida e vol­ta), apre­ci­ar a mag­ní­fi­ca pai­sa­gem e vi­si­tar o tem­plo, que evo­ca o Sa­cré-Co­eur de Pa­ris.

A uns me­tros, a ci­tâ­nia de

San­ta Lu­zia, a que mui­tas cha­mam “ci­da­de velha”, um lo­cal im­per­dí­vel pa­ra quem se in­te­res­sa pe­la Pro­to-His­tó­ria e a Ro­ma­ni­za­ção do Al­to Mi­nho. A en­tra­da cus­ta dois eu­ros todos os di­as, in­cluin­do fim-de-se­ma­na.

“Te­mos aqui um mu­seu. Tec­tos de es­tu­que de Afi­fe, azu­le­jos pin­ta­dos à mão em Vi­a­na, ta­lha da zo­na de Bra­ga”

A re­cu­pe­ra­ção da Ca­sa Ma­nu­el Es­pre­guei­ra e Oliveira de­mo­rou mais de qua­tro anos, mas ca­da re­can­to foi pen­sa­do ao por­me­nor por João e Al­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.