Palmeirim d’Inglaterra, pri­mos a fa­zer vi­nhos em Trás-os-Mon­tes

Publico - Fugas - - VINHOS -

Es­ta é a his­tó­ria de um vi­nho que nas­ce da von­ta­de de três pri­mos - Ri­car­do Sá Fer­nan­des, Isa­bel Sar­men­to e João Mo­ra­es Sar­men­to - de da­rem uma no­va ra­zão de ser às três pro­pri­e­da­des que têm em Trás-os-Mon­tes. “A mi­nha quin­ta é do iní­cio do sé­cu­lo XVII, du­ran­te mui­to tem­po as nos­sas fa­mí­li­as vi­ve­ram da­qui­lo, mas no iní­cio do sé­cu­lo XX is­so dei­xou de exis­tir”, con­ta Ri­car­do Sá Fer­nan­des du­ran­te um al­mo­ço, em Lis­boa, pa­ra a apre­sen­ta­ção dos vi­nhos Palmeirim d’Inglaterra. “As fa­mí­li­as fo­ram pa­ra o Por­to e as quin­tas pas­sa­ram a ser en­tre­gues a ren­dei­ros, fo­ram-se de­gra­dan­do, a agri­cul­tu­ra não da­va na­da. Che­gam à mi­nha ge­ra­ção e a ca­sa per­ten­ce a 48 pes­so­as. Uma coi­sa que per­ten­ce a 48 pes­so­as não é de nin­guém.”

Ri­car­do co­me­çou “a achar gra­ça” e foi com­pran­do as par­tes dos ou­tros fa­mi­li­a­res. De­pois jun­tou-se a Isa­bel e João e, com as vi­nhas das três pro­pri­e­da­des, de­ci­di­ram fa­zer vi­nho. Fo­ram bus­car dois enó­lo­gos, Rui Cunha e Sérgio Alves, e de­sen­vol­ve­ram o pro­jec­to, ini­ci­a­do em 2013. “Quan­do ti­ve­mos que dar o no­me ao vi­nho, vi­mos num li­vro so­bre ge­ne­a­lo­gi­as trans­mon­ta­nas que o au­tor de Palmeirim d’Inglaterra, ro­man­ce do sé­cu­lo XVI [so­bre o qual Mi­guel Cer­van­tes te­rá di­to “De por si es muy bu­e­no”, frase que adop­ta­ram], foi um trans­mon­ta­no cha­ma­do Fran­cis­co de Mo­ra­es, que era nos­so an­te­pas­sa­do.”

Es­ta­va en­con­tra­do o no­me, nu­ma homenagem que “jun­tan­do a li­te­ra­tu­ra e o vi­nho, eno­bre­ce am­bas as ar­tes”. Com ró­tu­lo de­se­nha­do por Au­gus­to Cid, o vi­nho “tem mui­to a ver com a his­tó­ria da re­gião, das nos­sas fa­mí­li­as e com a lu­ta de so­bre­vi­vên­cia pa­ra man­ter aque­las quin­tas”, re­su­me Ri­car­do.

Ca­da só­cio tem a sua equi­pa agrí­co­la na res­pec­ti­va pro­pri­e­da­de. Sérgio Alves vai ge­rin­do os tra­ta­men­tos, as po­das, e, na al­tu­ra da vin­di­ma, reú­nem-se todos pa­ra tomar de­ci­sões. Rui Cunha gos­ta da liberdade que exis­te no pro­jec­to: “Não te­mos ne­nhu­ma pres­são - o que é de lou­var - de, em ca­da ano, ter­mos que usar o mes­mo nú­me­ro de qui­los de ca­da só­cio. Es­co­lhe­mos o que que­re­mos.”

As três pro­pri­e­da­des - si­tu­a­das na sub-re­gião de Cha­ves, en­tre os va­les do Tâ­me­ga e da Ri­bei­ra de Ou­ra, nas fre­gue­si­as de Ou­ra, Se­lha­riz, Faiões e Vi­la Ver­de da Raia - têm di­fe­ren­tes ca­rac­te­rís­ti­cas. “Na da Isa­bel o so­lo é 100% xis­to, na do João é gra­ni­to, sen­do que a vi­nha do bran­co é um gra­ni­to de tex­tu­ra su­per are­no­sa, pau­pér­ri­mo, e o Ri­car­do tem gra­ni­to e alu­vião”, des­cre­ve Rui. Tam­bém os cli­mas são dis­tin­tos, as­sim co­mo as al­ti­tu­des a que se en­con­tram as vi­nhas, em­bo­ra es­ta se­ja tra­di­ci­o­nal­men­te uma zo­na de cli­ma se­co, mui­to fria no In­ver­no e mui­to quen­te no Ve­rão.

Fa­zer vi­nho em Trás-os-Mon­tes é um du­plo de­sa­fio. “Es­ta­mos sem­pre a fa­lar de vin­di­mas mui­to mais tar­di­as quan­do com­pa­ra­mos com o Dou­ro”, ex­pli­ca ain­da o enó­lo­go. “Quan­do o Dou­ro aca­ba [a vin­di­ma de] bran­cos e tin­tos, aqui es­ta­mos a co­me­çar com os pri­mei­ros tin­tos. E já sa­be­mos que há anos em que po­de­mos não en­gar­ra­far os tin­tos, mas is­so é a re­gião. Por ou­tro la­do, dá­nos vi­nhos tí­pi­cos de Trás-os-Mon­tes, com uma aci­dez mui­to ele­va­da, mui­to fres­cos, mui­to ele­gan­tes, mas que pre­ci­sam de tem­po. Se re­cu­ar­mos pa­ra o pas­sa­do, Trás-os-Mon­tes foi sem­pre co­nhe­ci­do por ter gran­des tin­tos, mas que se be­bi­am ve­lhos.”

Já os bran­cos Palmeirim d’Inglaterra? (e o ro­sé, feito pe­la pri­mei­ra vez em 2016, por in­sis­tên­cia de Rui) es­tão pron­tos pa­ra ser be­bi­dos - são, aliás, a mai­or apos­ta dos três pri­mos, que, nes­ta fa­se de ar­ran­que, es­tão a fa­zer 5000 gar­ra­fas de bran­co (Arin­to, Mal­va­sia Fi­na, Rou­pei­ro, Mos­ca­tel Ga­le­go Bran­co pa­ra os vi­nhos en­tre 2013 e 2016 e Co­de­ga-do-La­ri­nho e Mos­ca­tel Ga­le­go pa­ra o de 2017), 3500 de tin­to (Tin­ta Ro­riz, Tin­ta Bar­ro­ca, Ali­can­te Bous­chet e Tou­ri­ga Na­ci­o­nal, exis­te pa­ra já o 2016 e o Re­ser­va 2015) e 1500 de ro­sé (Tou­ri­ga Na­ci­o­nal, Tin­ta Ro­riz e Tou­ri­ga Fran­ca). Rui jus­ti­fi­ca a sua apos­ta no ro­sé: “Sen­do es­te um pro­jec­to de vi­nhos sé­ri­os e pu­ros, ele­gan­tes, é mui­to mais fá­cil fa­zer es­te ti­po de ro­sé em gra­ni­to nu­ma quo­ta al­ta do que em xis­to ao pé do Dou­ro.”

O se­gun­do de­sa­fio é le­var os con­su­mi­do­res a pe­dir um vi­nho de Trás-os-Mon­tes ou os res­tau­ran­tes a des­ta­cá-lo nu­ma car­ta. “Nu­ma car­ta de vi­nhos clás­si­ca, a re­gião nem apa­re­ce”, la­men­ta Rui. “Se se fi­zes­sem car­tas por es­ti­los se­ria mui­to mais fá­cil, até pa­ra os tu­ris­tas.” Por is­so, é pre­ci­so fa­zer mui­ta di­vul­ga­ção, dar a pro­var, apre­sen­tá-lo nos res­tau­ran­tes (no si­te exis­te uma lis­ta das gar­ra­fei­ras e dos res­tau­ran­tes on­de se po­de en­con­trar).

Mas Ri­car­do acre­di­ta que a re­gião tem ou­tro trun­fo: “Trás-os-Mon­tes só so­bre­vi­ve se con­se­guir ga­nhar fo­cos de in­te­res­se, de atrac­ção. A par­te cul­tu­ral é a par­te for­te. Eu gos­ta­ria, even­tu­al­men­te, de li­gar as quin­tas a pro­jec­tos de eno­tu­ris­mo. Te­nho uma ideia, que ain­da es­tá mui­to no co­me­ço, de fa­zer ro­tas de ca­sas de al­gu­ma for­ma li­ga­das a epi­só­di­os das in­va­sões fran­ce­sas”.

O ob­jec­ti­vo, ga­ran­tem os três pri­mos, não é en­ri­que­ce­rem com o negócio do vi­nho. É, sim, “ga­ran­tir que es­tas pro­pri­e­da­des, que es­tão na pos­se das nos­sas fa­mí­li­as há mui­tos anos, se­jam au­to-sus­ten­tá­veis”. Qu­an­to ao vi­nho, a es­pe­ran­ça é que, nas­ci­do pa­ra aju­dar um ter­ri­tó­rio, se tor­ne, ele pró­prio, uma ra­zão pa­ra que mais gen­te des­cu­bra as his­tó­ri­as que Trás-os-Mon­tes guar­da há sé­cu­los.

Três pri­mos uni­ram-se e es­tão a nas­cer vi­nhos “sé­ri­os, pu­ros” em Trás-os-Mon­tes. Um pro­jec­to que quer sal­var quin­tas com sé­cu­los de his­tó­ria e pro­var que há um lu­gar pa­ra a re­gião nas car­tas dos res­tau­ran­tes. Ale­xan­dra Pra­do Co­e­lho

DR

Isa­bel Sar­men­to, Ri­car­do Sá Fer­nan­des e João Mo­ra­es Sar­men­to jun­ta­ram-se pa­ra dar uma no­va vi­da às pro­pri­e­da­des de fa­mí­lia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.