Ca­ri­da­de ne­ga­ti­va

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

De acor­do com a in­for­ma­ção que tem si­do vei­cu­la­da nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, o Go­ver­no pre­pa­ra- se pa­ra in­tro­du­zir al­te­ra­ções ao atu­al Re­gi­me Fis­cal pa­ra Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais (RNH), no qual po­de­rá ser apli­ca­da uma ta­xa de IRS (a fi­xar en­tre os 5% e os 10%).

Cons­ta que es­tas even­tu­ais mudanças, pren­dem-se es­sen­ci­al­men­te com o de­sa­gra­do de­mons­tra­do por paí­ses com a Sué­cia, cu­ja Mi­nis­tra das Fi­nan­ças di­vul­gou pu­bli­ca­men­te es­tar des­con­ten­te com o nú­me­ro cres­cen­te de re­for­ma­dos su­e­cos a pro­cu­rar Por­tu­gal pa­ra vi­ver e usu­fruir dos be­ne­fí­ci­os fis­cais des­te pro­gra­ma.

O Go­ver­no por­tu­guês es­tá por­tan­to es­for­ça­do em agra­dar a ou­tros Es­ta­dos, dis­pon­do- se a pôr em cau­sa um pro­gra­ma que tem tra­zi­do mi­lha­res de eu­ros de in­ves­ti­men­to pa­ra o País, fa­vo­re­cen­do des­ta for­ma o sec­tor imo­bi­liá­rio e a Economia.

Em Por­tu­gal, pa­re­ce ha­ver uma certa ten­dên­cia sis­te­má­ti­ca pa­ra ar­rui­nar o que es­tá bem. Ain­da on­tem o sec­tor imo­bi­liá­rio e a Economia do País es­ta­vam mer­gu­lha­dos nu­ma crise ter­rí­vel, sen­do ne­ces­sá­ria a cri­a­ção de es­tí­mu­los e in­cen­ti­vos co­mo o RNH ou os Vis­tos Gold, que, efe­ti­va­men­te, ti­ve­ram efei­tos po­si­ti­vos inequí­vo­cos, es­ti­mu­lan­do não só a re­to­ma do imo­bi­liá­rio, co­mo a cri­a­ção de em­pre­go e a di­na­mi­za­ção da Economia, e ago­ra agi­mos co­mo se es­ti­vés­se­mos de bar­ri­ga cheia.

Na­da mais er­ra­do. Ape­sar de ha­ver ca­da vez mais es­tran­gei­ros a in­ves­tir no imo­bi­liá­rio por­tu­guês sem re­cur­so a ne­nhum dos pro­gra­mas in­cen­ti­vo, al­te­rar es­te pro­gra­ma é dar trans­mi­tir uma men­sa­gem ne­ga­ti­va pa­ra fo­ra. E o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, quer no imo­bi­liá­rio quer em quais­quer ou­tras áre­as con­ti­nua e con­ti­nu­a­rá a ser ne­ces­sá­rio. Es­ta ten­dên­cia de ten­tar pre­ju­di­car quem nos vem ajudar é in­com­pre­en­sí­vel. Re­ve­la me­mó­ria cur­ta de um pas­sa­do bem re­cen­te.

Se os pen­si­o­nis­tas es­tran­gei­ros pro­cu­ram Por­tu­gal, quer se­ja pa­ra in­ves­tir, quer se­ja pa­ra pas­sar a sua re­for­ma, só de­vía­mos es­tar gra­tos, por­que vêm ao nos­so país com­prar ca­sas, car­ros, fa­zer tu­ris­mo, gas­tar di­nhei­ro em saú­de, gas­tro­no­mia, e em tan­tos ou­tros sec­to­res que ala­van­cam a nos­sa Economia, cri­am em­pre­go, e ain­da au­men­tam as re­cei­tas dos co­fres do Es­ta­do, por­que ape­sar des­tes es­tran­gei­ros es­ta­rem isen­tos de im­pos­tos so­bre o ren­di­men­to, não es­tão isen­tos dos de­mais im­pos­tos in­di­re­tos.

Pos­to is­to, te­nho mui­ta di­fi­cul­da­de em com­pre­en­der es­ta ação de “ca­ri­da­de” do nos­so Go­ver­no, pa­ra atenuar as an­gús­ti­as de ou­tros Paí­ses.

E não se­ja­mos in­gé­nu­os. O in­ves­ti­men­to que não vai en­trar em Por­tu­gal de­vi­do às al­te­ra­ções ao RNH, pas­sa­rá a en­trar nou­tros Paí­ses que apro­vei­ta­rão ra­pi­da­men­te pa­ra pu­xar a eles es­te in­ves­ti­men­to à se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu por exem­plo, com os pro­ble­mas de cre­di­bi­li­da­de e en­tra­ves bu­ro­crá­ti­cos do pro­gra­ma de Au­to­ri­za­ção de Re­si­dên­cia pa­ra Ati­vi­da­des de In­ves­ti­men­to (ARI), que fo­ram des­de lo­go apro­vei­ta­dos pe­la vi­zi­nha Espanha, pa­ra ata­car com uma ação de char­me so­bre os in­ves­ti­do­res des­con­fi­a­dos do nos­so País.

Es­te é um exem­plo que se­rá de­cer­to re­pli­ca­do. A in­ge­nui­da­de tem um pre­ço, e se­rá ele­va­do. E nes­te ca­so a “ca­ri­da­de” tam­bém…

O in­ves­ti­men­to que não vai en­trar em Por­tu­gal de­vi­do às al­te­ra­ções ao RNH, pas­sa­rá a en­trar nou­tros paí­ses

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­[email protected]

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.