In­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pre­ci­sa de cres­ci­men­to, e não de as­fi­xia

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

Sem ocu­par qual­quer lu­gar de des­ta­que nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, Por­tu­gal foi ga­nhan­do um lu­gar en­tre os des­ti­nos pri­vi­le­gi­a­dos pa­ra o tu­ris­mo e pa­ra o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro em imo­bi­liá­rio. O Pro­gra­ma de Vis­tos Gold sem­pre so­freu de al­gu­mas di­fi­cul­da­des de na­tu­re­za téc­ni­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va, mas con­se­gui­mos uma li­de­ran­ça, à es­ca­la eu­ro­peia, que nos co­lo­cou à fren­te de paí­ses com ini­ci­a­ti­vas idên­ti­cas, co­mo a Espanha. O Re­gi­me de Tri­bu­ta­ção de Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais, que é com­pe­ti­ti­vo in­ter­na­ci­o­nal­men­te, mas não é ne­nhu­ma no­vi­da­de, já que exis­te, sob di­ver­sas for­mas, em inú­me­ros paí­ses, foi ga­nhan­do di­men­são e pro­je­ção e con­so­li­dou a posição na­ci­o­nal en­quan­to des­ti­no pri­vi­le­gi­a­do pa­ra o in­ves­ti­men­to.

Pau­la­ti­na­men­te, os efei­tos des­te flu­xo po­si­ti­vo de tu­ris­tas e de in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro, co­me­ça­ram a tor­nar­se mais vi­sí­veis em de­ter­mi­na­dos ter­ri­tó­ri­os e, em es­pe­ci­al, nas zo­nas his­tó ri­cas das nos­sas prin­ci­pais ci­da­des. Os cen­tros ur­ba­nos, ou­tro­ra de­ser­tos e de­gra­da­dos, es­tão a ga­nhar uma no­va di­nâ­mi­ca, a ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca e o em­pre­go cres­cem e, o que as es­ta­tís­ti­cas nos di­zem é que, há ain­da um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer. Ve­ja-se que, Por­tu­gal ain­da não fi­gu­ra se­quer no top 10 da mai­o­ria dos ran­kings do tu­ris­mo, mes­mo con­si­de­ra­dos ape­nas os paí­ses europeus. O re­cor­de na­ci­o­nal, de mais de 21 mi­lhões de tu­ris­tas em 2016, qu­an­do com­pa­ra­do com os mais de 30 mi­lhões de vi­si­tan­tes anu­ais da ci­da­de de Ve­ne­za, ou os 75 mi­lhões de Bar­ce­lo­na, dá-nos uma boa pers­pe­ti­va do que ain­da te­mos pe­la fren­te.

Um País que abriu o seu mer­ca­do in­ter­no ao mun­do e, qua­se viu des­truí­da a sua ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va em se­to­res co­mo a agri­cul­tu­ra, as pes­cas e a in­dús­tria. Um País que, pa­ra con­ti­nu­ar a per­ten­cer a um es­pa­ço úni­co e a uma mo­e­da eu­ro­peia, re­du­ziu sa­lá­ri­os, pen­sões e es­ma­gou o in­ves­ti­men­to, com as con­sequên­ci­as que to­dos co­nhe­ce­mos no se­tor da Cons­tru­ção e Imo­bi­liá­rio. Um País que en­tre­gou o seu sis­te­ma fi­nan­cei­ro e mui­tas das su­as prin­ci­pais em­pre­sas ao con­tro­lo ex­ter­no, não pode ca­pi­tu­lar pe­ran­te in­te­res­ses di­fu­sos.

É pre­ci­so im­por o in­te­res­se na­ci­o­nal e de­fen­der os Por­tu­gue­ses. Exi­ge- se uma voz fir­me na Eu­ro­pa. Mas tam­bém se exi­ge que, a ní­vel in­ter­no, ha­ja bom sen­so e pon­de­ra­ção. Au­men­tar im­pos­tos pa­ra os Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais, pa­ra sa­tis­fa­zer von­ta­des e gru­pos de in­te­res­se? Trans­mi­tir si­nais er­ra­dos aos in­ves­ti­do­res e, com is­so, en­ca­mi­nhá-los pa­ra ou­tros paí­ses que con­cor­rem di­re­ta­men­te com o nos­so? Des­pre­zar os efei­tos po­si­ti­vos do tu­ris­mo e da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e a ne­ces­si­da­de de os alar­gar à ge­ne­ra­li­da­de do ter­ri­tó­rio? Não pode ser. E es­ta é uma ba­ta­lha que, in­fe­liz­men­te, co­me­ça aqui, em Por­tu­gal. No nos­so es­pa­ço me­diá­ti­co, nos cor­re­do­res do po­der, na agen­da de par­ti­dos e de ins­ti­tui­ções. Nos lo­cais on­de, à par­ti­da, de­ve­ría­mos es­tar a jun­tar es­for­ços pa­ra lu­tar pe­lo de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, in­clu­si­vo e in­te­gra­do de to­do o País.

É pre­ci­so im­por o in­te­res­se na­ci­o­nal e de­fen­der os Por­tu­gue­ses. Exi­ge-se uma voz fir­me na Eu­ro­pa. Mas tam­bém se exi­ge que, a ní­vel in­ter­no, ha­ja bom sen­so e pon­de­ra­ção

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.