Regras da con­tra­ta­ção pú­bli­ca vi­sam in­cen­ti­var PME

No­vas regras da con­tra­ta­ção pú­bli­ca já fo­ram pu­bli­ca­das. Re­gi­me pre­ten­de in­cen­ti­var a par­ti­ci­pa­ção das pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

As no­vas regras da con­tra­ta­ção pú­bli­ca con­sa­gram co­mo “cri­té­rio re­gra de ad­ju­di­ca­ção” o da pro­pos­ta eco­no­mi­ca­men­te mais van­ta­jo­sa pa­ra a en­ti­da­de ad­ju­di­can­te, ten­do por ba­se a me­lhor re­la­ção qua­li­da­de/pre­ço e o pre­ço ou cus­to, “uti­li­zan­do uma aná­li­se cus­to-efi­cá­cia, no­me­a­da­men­te os cus­tos do ci­clo de vi­da”, mas “sem dei­xar de per­mi­tir a ad­ju­di­ca­ção pe­lo pre­ço mais bai­xo, qu­an­do ade­qua­do”.

No mes­mo âm­bi­to, é adi­ta­do ao có­di­go um no­vo ar­ti­go que per­mi­te às en­ti­da­des ad­ju­di­can­tes pre­ver, nas pe­ças do pro­ce­di­men­to, a ad­ju­di­ca­ção por lo­tes. Com es­ta me­di­da, ex­pli­ca o preâm­bu­lo, pre­ten­de-se “in­cen­ti­var a par­ti­ci­pa­ção das pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas”. A re­gra usa­da pa­ra fi­xar o cri­té­rio do ‘pre­ço anor­mal­men­te bai­xo’ é al­te­ra­da. A par­tir de ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, pa­ra de­ter­mi­nar se o pre­ço ou o cus­to de uma pro­pos­ta é ‘anor­mal­men­te bai­xo’, com­pa­rar-se-á o pre­ço com a média dos pre­ços das ou­tras pro­pos­tas a ad­mi­tir, eli­mi­nan­do a sua in­de­xa­ção ao pre­ço ba­se. De re­fe­rir tam­bém a subs­ti­tui­ção dos con­cei­tos de ‘tra­ba­lhos a mais’ e ‘tra­ba­lhos de su­pri­men­to de erros e omis­sões’, pe­la no­ção de tra­ba­lhos ou ser­vi­ços com­ple­men­ta­res.

Pa­ra os con­tra­tos de va­lor igual ou su­pe­ri­or a cin­co mi­lhões de eu­ros, pas­sa a ser exi­gi­da uma fun­da­men­ta­ção es­pe­ci­al pa­ra a de­ci­são de con­tra­tar, ba­se­a­da nu­ma ava­li­a­ção de cus­to/ be­ne­fí­cio.

As em­prei­ta­das cu­jo va­lor es­ti- ma­do não ul­tra­pas­se 300 mil eu­ros pas­sam a po­der ser con­tra­ta­das atra­vés do pro­ce­di­men­to de con­cur­so pú­bli­co ur­gen­te e as pe­que­nas em­prei­ta­das de obras pú­bli­cas, até cin­co mil eu­ros, pas­sam a ser in­cluí­das no re­gi­me de ajus­te direto sim­pli­fi­ca­do.

O va­lor da cau­ção, de 5% do pre­ço con­tra­tu­al, deixa de ser um va­lor fi­xo e pas­sa a ser um va­lor má­xi­mo, de­ven­do ser fi­xa­do em fun­ção da com­ple­xi­da­de e ex­pres­são fi­nan­cei­ra do res­pe­ti­vo con­tra­to.

Vol­ta a ter au­to­no­mia o pro­ce­di­men­to de con­sul­ta pré­via, em que a en­ti­da­de ad­ju­di­can­te con­vi­da di­re­ta­men­te pe­lo me­nos três en­ti­da­des à sua es­co­lha a apre­sen­tar pro­pos­ta, pre­vis­to pa­ra as aqui­si­ções de bens e ser­vi­ços en­tre 20 mil e 75 mil eu­ros e pa­ra as em­prei­ta­das de obras pú­bli­cas en­tre 30 mil e 150 mil eu­ros.

DR

A re­gra usa­da pa­ra fi­xar o cri­té­rio do ‘pre­ço anor­mal­men­te bai­xo’ é al­te­ra­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.