Fa­zer di­fe­ren­ça

Publico - Imobiliario - - Opinião - Luís Li­ma

Aha­bi­ta­ção tem si­do um dos te­mas cen­trais dos de­ba­tes au­tár­qui­cos que pre­ce­dem a elei­ções do pró­xi­mo dia um de ou­tu­bro. As di­fi­cul­da­des no aces­so à ha­bi­ta­ção, so­bre­tu­do nos cen­tros das gran­des ci­da­des co­mo Lis­boa e Por­to, es­tão à vis­ta de to­dos e são um pro­ble­ma que pe­de so­lu­ção ur­gen­te. A ofer­ta exis­ten­te nos cen­tros das ci­da­des é ca­da vez mais es­cas­sa, e apre­sen­ta-se no mer­ca­do a pre­ços que são in­com­por­tá­veis pe­los jo­vens e pe­las fa­mí­li­as por­tu­gue­sas.

Com es­te pa­no­ra­ma, as cul­pas dis­tri­bu­em-se en­tre tu­ris­mo, alo­ja­men­to lo­cal, es­pe­cu­la­do­res imo­bi­liá­ri­os e pro­pri­e­tá­ri­os ga­nan­ci­o­sos. Bas­ta na­ve­gar pe­las re­des so­ci­ais ou pe­las cai­xas de co­men­tá­ri­os das no­tí­ci­as on­li­ne, pa­ra ver qua­se to­dos os de­dos apon­ta­dos nes­te sen­ti­do.

No en­tan­to, o ver­da­dei­ro pro­ble­ma é ape­nas um e já tem dé­ca­das: a au­sên­cia de um mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ur­ba­no a fun­ci­o­nar ade­qua­da­men­te.

A cri­se que afe­tou o sec­tor imo­bi­liá­rio le­vou-nos à al­te­ra­ção do pa­ra­dig­ma da com­pra e ven­da pa­ra o pa­ra­dig­ma do ar­ren­da­men­to ur­ba­no. Pen­sou- se até, que o ar­ren­da­men­to pas­sa­ria a es­tar no to­po das pre­fe­rên­ci­as dos jo­vens por­tu­gue­ses, mo­ti­va­dos pe­lo “des­pren­di­men­to” ma­te­ri­al que ca­rac­te­ri­za as no­vas ge­ra­ções.

Mas a re­to­ma imo­bi­liá­ria a que o país as­sis­tiu, des­de o fi­nal de 2013, veio in­ver­ter uma vez mais a ca­rac­te­ri­za­ção da pro­cu­ra, e a op­ção com­pra re­o­cu­pou a sua po­si­ção. E as­sim se­rá, en­quan­to o va­lor das ren­das não fi­car abai­xo do va­lor de uma pres­ta­ção do cré­di­to à ha­bi­ta­ção.

No en­tan­to, o sec­tor fi­nan­cei­ro pro­te­ge-se ho­je mais do que se pro­te­gia há uns anos atrás, e o cré­di­to à ha­bi­ta­ção é ho­je con­ce­di­do a quem te­nha efe­ti­va­men­te con­di­ções pa­ra as­su­mir um com­pro­mis­so des­ta na­tu­re­za, sen­do na mai­o­ria dos ca­sos exi­gi­da uma en­tra­da ini­ci­al que ron­da os 25 a 30% do va­lor do imó­vel. E, a ver­da­de é que a gran­de mai­o­ria dos jo­vens e fa­mí­li­as não tem es­se afor­ro dis­po­ní­vel, sen­do o ar­ren­da­men­to a sua úni­ca op­ção.

Mas o ar­ren­da­men­to ca­re­ce de me­di­das que per­mi­tam a sua di­na­mi­za­ção, e é utó­pi­co pen­sar que se­rá o mer­ca­do a re­sol­ver os pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais que ho­je se ve­ri­fi­cam. A in­ter­ven­ção do Es­ta­do é por is­so in­dis­pen­sá­vel, e po­de e de­ve pas­sar pe­la in­tro­du­ção de in­cen­ti­vos fis­cais aos pro­pri­e­tá­ri­os que co­lo­quem os seus imó­veis no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to ha­bi­ta­ci­o­nal. E es­ta é uma das pro­pos­tas obri­ga­tó­ri­as pa­ra fi­gu­rar no Or­ça­men­to de Es­ta­do pa­ra 2018. Não se po­de con­ti­nu­ar a olhar pa­ra a fi­gu­ra do se­nho­rio co­mo um “se­nho­ri­o­so­ci­al” que se subs­ti­tui ao Es­ta­do. Se ne­ces­si­ta­mos dos pro­pri­e­tá­ri­os pa­ra pro­mo­ver o di­rei­to à ha­bi­ta­ção e pa­ra dar res­pos­tas ao mer­ca­do, en­tão há que lhes dar in­cen­ti­vos e se­gu­ran­ça fis­cal.

Mas não é só pe­lo po­der cen­tral pas­sam as so­lu­ções. Tam­bém as au­tar­qui­as têm um pa­pel fun­da­men­tal, que po­de bem pas­sar pe­la pro­mo­ção de pro­gra­mas de ren­da aces­sí­vel, que pro­mo­vam a ofer­ta de ca­sas a pre­ços que as fa­mí­li­as pos­sam su­por­tar, pe­la apli­ca­ção das re­cei­tas do in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio e tu­rís­ti­co (que são ca­da vez mai­o­res) na cons­tru­ção de ati­vos a co­lo­car no mer­ca­do a ren­das con­tro­la­das, sa­ci­an­do a pro­cu­ra e acal­man­do al­gum po­pu­lis­mo ne­ga­ti­vo que põe em pé de guerra in­qui­li­nos, tu­ris­tas, in­ves­ti­do­res e pro­pri­e­tá­ri­os.

Es­tas são me­di­das que po­dem fa­zer to­da a di­fe­ren­ça e in­cen­ti­var, fi­nal­men­te, a di­na­mi­za­ção do mer­ca­do de ar­ren­da­men­to em Por­tu­gal.

O ar­ren­da­men­to ca­re­ce de me­di­das que per­mi­tam a sua di­na­mi­za­ção, e é utó­pi­co pen­sar que se­rá o mer­ca­do a re­sol­ver os pro­ble­mas ha­bi­ta­ci­o­nais que ho­je se ve­ri­fi­cam. A in­ter­ven­ção do Es­ta­do é por is­so in­dis­pen­sá­vel

Pre­si­den­te da APEMIP luis­li­ma@apemip.pt

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.