Ha­bi­ta­ção não de­ve ser dis­cu­ti­da só na cam­pa­nha au­tár­qui­ca

Publico - Imobiliario - - Opinião - Reis Cam­pos

To­dos nos re­cor­da­mos do que eram a mai­o­ria das nos­sas ci­da­des há uns anos. Ci­da­des com cen­tros ur­ba­nos de­ser­tos ou com uma po­pu­la­ção en­ve­lhe­ci­da, vo­ta­dos ao aban­do­no e em pro­gres­si­va de­gra­da­ção. A ri­que­za que os di­fe­ren­ci­a­va, na mai­o­ria das si­tu­a­ções, já exis­tia. Po­rém, eram ci­da­des de­sin­te­res­sa­das, por­que pou­co ou na­da fa­zi­am pa­ra al­te­rar o es­ta­do em que se en­con­tra­vam e de­sin­te­res­san­tes, por­que eram in­ca­pa­zes de cap­tar a aten­ção das su­as gen­tes e dos es­tran­gei­ros.

Mui­tos fa­to­res con­tri­buí­ram pa­ra o de­clí­nio dos cen­tros das nos­sas ur­bes. Gra­du­al­men­te, foi-se as­sis­tin­do à subs­ti­tui­ção de ati­vi­da­des tra­di­ci­o­nais, pró­xi­mas da po­pu­la­ção, por no­vas ati­vi­da­des, mui­tas ve­zes, des­co­nec­ta­das da sua en­vol­ven­te. Os ho­téis, res­tau­ran­tes, ca­fés e as ha­bi­ta­ções per­de­ram im­por­tân­cia e os cen­tros das ci­da­des tor­na­ram-se ab­so­lu­ta­men­te den­sos e in­tran­si­tá­veis du­ran­te o dia e em es­pa­ços de­ser­tos e de­sa­gra­dá­veis, a par­tir do fim da tar­de. Es­tas mu­dan­ças, ali­a­das ao con­ge­la­men­to das ren­das, ex­pli­cam em boa me­di­da o aban­do­no a que fo­ram vo­ta­dos inú­me­ros edi­fí­ci­os. É es­sen­ci­al não per­der de vis­ta es­ta re­a­li­da­de, pa­ra que não co­me­ta­mos os er­ros do pas­sa­do.

É por is­so re­du­tor que o pro­ble­ma da ha­bi­ta­ção ape­nas se­ja dis­cu­ti­do na cam­pa­nha au­tár­qui­ca. Es­ta dis­cus­são é, evi­den­te­men­te, po­si­ti­va e cons­ti­tui­rá um sé­rio con­tri­bu­to pa­ra a re­so­lu­ção das ques­tões que es­tão há mui­to iden­ti­fi­ca­das. Po­rém, a mes­ma não se po­de re­du­zir só a es­te mo­men­to, uma vez que se tra­ta de uma ma­té­ria que há mui­to de­ve­ria ter si­do tra­zi­da pa­ra o cen­tro do de­ba­te so­ci­al e po­lí­ti­co. Nes­te âm­bi­to, é fun­da­men­tal sa­ber se­pa­rar o «tri­go do joio», afas­tan­do aná­li­ses e con­clu­sões sim­plis­tas, in­ca­pa­zes de se apre­sen­ta­rem co­mo ver­da­dei­ras so­lu­ções equi­li­bra­das pa­ra as ne­ces­si­da­des das ci­da­des e das po­pu­la­ções.

A po­lí­ti­ca das ci­da­des e o pro­ble­ma da ha­bi­ta­ção tem de ser pers­pe­ti­va­dos de uma for­ma in­te­gra­da e es­tra- té­gi­ca. Quan­do, so­bre­tu­do por for­ça do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na­ci­o­nal e es­tran­gei­ro, e da pro­cu­ra mo­ti­va­da pe­lo tu­ris­mo, há um de­sen­vol­vi­men­to acres­ci­do de de­ter­mi­na­das zo­nas de al­gu­mas das ci­da­des por­tu­gue­sas, quan­do es­tas vol­ta­ram a ter pes­so­as e mo­vi­men­to, é fun­da­men­tal con­so­li­dar es­tra­té­gi­as equi­li­bra­das pa­ra alar­gar es­ta di­nâ­mi­ca de de­sen­vol­vi­men­to, per­mi­tin­do-se, des­ta for­ma, e à se­me­lhan­ça do que acon­te­ce na Eu­ro­pa Co­mu­ni­tá­ria, a re­ge­ne­ra­ção das nos­sas me­tró­po­les e o re­for­ço da co­e­são so­ci­al e ter­ri­to­ri­al. É pre­o­cu­pan­te quan­do o “dis­cur­so fá­cil” le­va à di­a­bo­li­za­ção do tu­ris­mo, do alo­ja­men­to lo­cal, de Pro­gra­mas co­mo os Vis­tos Gold ou de ini­ci­a­ti­vas co­mo o Re­gi­me de Tri­bu­ta­ção de Re­si­den­tes Não Ha­bi­tu­ais.

A ofer­ta de ha­bi­ta­ção não se es­go­ta na dis­cus­são, ne­ces­sá­ria, re­la­ti­va a pro­ble­mas co­mo a ha­bi­ta­ção so­ci­al e à es­tra­té­gia de com­ba­te à po­bre­za e ex­clu­são so­ci­al. As ci­da­des são das pes­so­as e pa­ra as pes­so­as. Há que cri­ar con­di­ções pa­ra que as mes­mas vol­tem aos cen­tros ur­ba­nos. O in­ves­ti­men­to pri­va­do tem si­do a cha­ve e é a ala­van­ca pa­ra o in­ves­ti­men­to pú­bli­co na ha­bi­ta­ção. O aces­so a ins­tru­men­tos de fi­nan­ci­a­men­to ade­qua­dos, com en­fo­que no seg­men­to da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na e o ar­ren­da­men­to, são ma­té­ri­as que têm de ser con­si­de­ra­das, e in­cen­ti­va­das co­mo fa­zen­do par­te da po­lí­ti­ca glo­bal de ha­bi­ta­ção no nos­so país. Aliás, os mais di­ver­sos pro­gra­mas au­tár­qui­cos de­mons­tram-no.

Es­tas são áre­as que, co­mo pou­cas, en­con­tram con­sen­so alar­ga­do na so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa. De qua­tro em qua­tro anos, a ha­bi­ta­ção é o te­ma cen­tral de cam­pa­nha na es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos 308 mu­ni­cí­pi­os por­tu­gue­ses. Não po­de­mos es­tar sem­pre a olhar pa­ra os mes­mos pro­ble­mas, a anun­ci­ar pe­que­nos re­mé­di­os e a ig­no­rar uma ma­té­ria que é es­sen­ci­al pa­ra o país, à qual ur­ge dar res­pos­ta, in­de­pen­den­te­men­te de quais­quer es­tra­té­gi­as po­lí­ti­co-par­ti­dá­ri­as.

Pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.