Go­ver­no quer cri­ar no­vo mo­de­lo de par­ce­ria pa­ra re­a­bi­li­tar imó­veis

Fi­gu­ra fis­cal pró­xi­ma do mo­de­lo de con­sór­cio, na qual a tri­bu­ta­ção se man­tém na es­fe­ra in­de­pen­den­te de ca­da só­cio. Ob­je­ti­vo é ace­le­rar o in­ves­ti­men­to em re­a­bi­li­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

man­tém a “in­di­vi­du­a­li­da­de” fis­cal. Ou se­ja, ain­da que se cons­ti­tuí­da uma es­tru­tu­ra veí­cu­lo pa­ra a pro­mo­ção de um pro­je­to, to­da a tri­bu­ta­ção que daí re­sul­tar é im­pu­ta­da aos só­ci­os, na qua­li­da­de de con­tri­buin­te au­tó­no­mo com que se as­so­ci­ou à par­ce­ria.

A APPII apoia a me­di­da que vi­sa “cri­ar mais e no­vos me­ca­nis­mos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio atrac­ti­vos pa­ra os in­ves­ti­do­res e com­pe­ti­ti­vos com os seus con­gé­ne­res eu­ro­peus e mun­di­ais”.

Se­gun­do Hu­go San­tos Fer­rei­ra, se­cre­tá­rio ge­ral da APPII, “ain­da de aplau­dir é a cri­a­ção de no­vos me­ca­nis­mos de in­ves­ti­men­to cu­ja tri­bu­ta­ção se fa­ça à saí­da (a par do que já se faz lá fo­ra há mui­to tem­po) e ape­nas na es­fe­ra de ca­da in­ves­ti­dor. Tam­bém mui­to im­por­tan­te é o fac­to de per­mi­tir que pe­que­nos in­ves­ti­do­res pos­sam tam­bém eles ter aces­so a gran­des pro­jec­tos imo­bi­liá­ri­os”.

Na prá­ti­ca, tal par­ce­ria po­de ser cons­ti­tuí­da, por exem­plo, por um pro­pri­e­tá­rio que de­tém um pré­dio pa­ra re­a­bi­li­tar e por uma em­pre­sa de cons­tru­ção que irá re­a­bi­li­tar o imó­vel, es­ta­be­le­cen­do-se o pe­so de ca­da um dos só­ci­os na par­ce­ria pa­ra efei­tos de tri­bu­ta­ção fis­cal: a exem­plo, se fi­car de­ter­mi­na­do que o pré­dio te­rá um pe­so de 30% na par­ce­ria e a re­a­bi­li­ta­ção de 70%, os pro­vei­tos so­bre a ven­da se­rão tri­bu­ta­dos em 30% ao pro­pri­e­tá­rio – em se­de do seu re­gi­me fis­cal – e em 70% à em­pre­sa cons­tru­to­ra/pro­mo­to­ra, igual­men­te em se­de do re­gi­me fis­cal pró­prio.

Re­cor­de-se que o Ban­co Eu­ro­peu de In­ves­ti­men­to e o Go­ver­no as­si­na­ram há cer­ca de du­as se­ma­nas o con­tra­to da pri­mei­ra par­ce­la de 100 mi­lhões de eu­ros – de um em­prés­ti­mo to­tal de 300 mi­lhões de eu­ros – pa­ra apoio da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na. Es­te fi­nan­ci­a­men­to é, de acor­do com o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, di­re­ci­o­na­do pa­ra o apoio à “re­ge­ne­ra­ção e a re­vi­ta­li­za­ção fí­si­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al de zo­nas ur­ba­nas por to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal”. O Go­ver­no es­cla­re­ceu ain­da que “es­ta ver­ba se des­ti­na ao Ins­tru­men­to Fi­nan­cei­ro pa­ra a Re­a­bi­li­ta­ção e a Re­vi­ta­li­za­ção Ur­ba­nas (IFRRU 2020) e faz par­te de um pla­no de in­ves­ti­men­to to­tal de até 1.400 mi­lhões de eu­ros”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.