Mu­ni­ci­pa­li­za­ção das SRU com no­vas re­gras

Publico - Imobiliario - - Atualidade - Fer­nan­da Cer­quei­ra

O re­gi­me ju­rí­di­co que re­gu­la a ati­vi­da­de das so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na so­freu no­va al­te­ra­ção, com vis­ta a “re­for­çar e apro­fun­dar a au­to­no­mia lo­cal”, no ca­so es­pe­cí­fi­co na par­ti­ci­pa­ção dos ór­gãos de ser­vi­ços pú­bli­cos” no “do­mí­nio da ha­bi­ta­ção e da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na”.

O De­cre­to-Lei n.º 88/2017, de 27 de ju­lho, que apro­va a ter­cei­ra al­te­ra­ção ao Re­gi­me Ju­rí­di­co da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, vem as­sim es­ta­be­le­cer nor­mas es­pe­ci­ais em ma­té­ria de mu­ni­ci­pa­li­za­ção das so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na. Es­te vi­sa “con­sa­grar um re­gi­me es­pe­ci­al pa­ra as so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, in­te­gra­das ou a in­te­grar no se­tor em­pre­sa­ri­al lo­cal, em aten­ção ao re­le­van­te in­te­res­se pú­bli­co lo­cal por elas pros­se­gui­do”.

O di­plo­ma pre­ten­de “pre­ver um tra­ta­men­to ade­qua­do da mu­ni­ci­pa­li­za­ção das so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na, tan­to cons­ti­tuí­das ao abri­go do De­cre­to-Lei n.º 104/2004, de 7 de maio [re­gi­me ex­ce­ci­o­nal de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na pa­ra as zo­nas his­tó­ri­cas e áre­as crí­ti­cas de re­cu­pe­ra­ção e re­con­ver­são ur­ba­nís­ti­ca], co­mo cons­ti­tuí­das ou a cons­ti­tuir ao abri­go do atu­al re­gi­me”, es­cla­re­ce o preâm­bu­lo do di­plo­ma.

Nes­se sen­ti­do, são cla­ri­fi­ca­dos vá­ri­os as­pe­tos, par­ti­cu­lar­men­te no que res­pei­ta ao re­gi­me fi­nan­cei­ro e às cau­sas de dis­so­lu­ção apli­cá­veis às so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na.

O di­plo­ma es­cla­re­ce, no­me­a­da­men­te, que as cláu­su­las es­pe­cí­fi­cas de ex­tin­ção das so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na con­ti­das no De­cre­to-Lei n.º207/2009, de 23 de ou­tu­bro (Re­gi­me Ju­rí­di­co da Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na), se apli­cam tam­bém à ex­tin­ção das so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na cons­ti­tuí­das ao abri­go do De­cre­toLei n.º 104/2004, afas­tan­do as­sim ex­pres­sa­men­te a apli­ca­bi­li­da­de a es­tas so­ci­e­da­des das cau­sas de ex­tin­ção pre­vis­tas na Lei n.º 50/2012, de 31 de agos­to, que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co da ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al lo­cal.

No preâm­bu­lo do di­plo­ma, o Go­ver­no jus­ti­fi­ca es­ta op­ção di­zen­do que a “apli­ca­ção do re­gi­me ju­rí­di­co da ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al lo­cal às so­ci­e­da­des de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na cons­ti­tuí­das ao abri­go do De­cre­toLei n.º 104/2004, de 7 de maio, im­pli­ca­ria mais cus­tos eco­nó­mi­cos e ins­ti­tu­ci­o­nais do que a so­lu­ção ora ex­pres­sa­men­te con­sa­gra­da, a qual per­mi­te, ain­da, a con­clu­são das ati­vi­da­des que in­te­gram o ob­je­to so­ci­al da­que­las so­ci­e­da­des den­tro de um pra­zo ade­qua­do”. As no­vas re­gras en­tra­ram em vi­gor no dia 28 de ju­lho.

Re­a­bi­li­tar em to­do o país

Ao mes­mo tem­po, o Go­ver­no pre­ten­de alar­gar a to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal as po­lí­ti­cas de re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na atu­al­men­te con­fi­na­das às Áre­as de Re­ge­ne­ra­ção Ur­ba­na. O exe­cu­ti­vo pro­põe-se a efe­tu­ar as al­te­ra­ções le­gis­la­ti­vas ne­ces­sá­ri­as pa­ra que o es­ta­do de de­gra­da­ção dos edi­fí­ci­os se­ja con­tem­pla­do no âm­bi­to das po­lí­ti­cas de re­a­bi­li­ta­ção e não ape­nas de acor­do com a lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca em que es­tão in­se­ri­dos.

No do­cu­men­to en­tre­gue sob a for­ma de Gran­des Op­ções do Pla­no, po­de ler-se que “na es­ca­la ur­ba­na, as áre­as ter­ri­to­ri­ais a ne­ces­si­tar de in­ter­ven­ções in­te­gra­das de re­a­bi­li­ta­ção já não se cin­gem aos cen­tros di­tos “his­tó­ri­cos” e exi­gem ins­tru­men­tos que per­mi­tam uma me­lhor in­te­gra­ção ter­ri­to­ri­al das po­lí­ti­cas se­to­ri­ais nes­tas in­ter­ven­ções. Jus­ti­fi­ca-se as­sim tam­bém uma re­vi­são do en­qua­dra­men­to le­gal e re­gu­la­men­tar da re­a­bi­li­ta­ção ur­ba­na pa­ra o ade­quar a es­tes fins”.

Por ou­tro la­do, o Go­ver­no pre­ten­de tam­bém fa­zer uma re­vi­são do qua­dro le­gal e re­gu­la­men­tar da cons­tru­ção, pa­ra que me­lhor se adap­te à re­a­bi­li­ta­ção ener­gé­ti­ca e fun­ci­o­nal dos edi­fí­ci­os, o que in­clui a definição de ori­en­ta­ções pa­ra me­lho­ria das con­di­ções de se­gu­ran­ça es­tru­tu­ral e sís­mi­ca na re­a­bi­li­ta­ção.

Ati­vi­da­de es­ta­bi­li­za

En­tre­tan­to, o úl­ti­mo Inqué­ri­to à Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, re­a­li­za­do pe­la AICCOPN às em­pre­sas que atu­am nes­te mer­ca­do, re­la­ti­vo ao mês de agos­to, re­ve­la o cres­ci­men­to da car­tei­ra de en­co­men­das em 15,4%, em ter­mos ho­mó­lo­gos tri­mes­trais, va­lor que, ape­sar de sig­ni­fi­ca­ti­vo, tra­duz o abran­da­men­to do rit­mo re­gis­ta­do nos úl­ti­mos três me­ses.

A Pro­du­ção Con­tra­ta­da em me­ses, ou se­ja, o tem­po as­se­gu­ra­do de la­bo­ra­ção a um rit­mo nor­mal de pro­du­ção, fi­xou-se em 6,6 me­ses, o que tra­duz a re­du­ção de um mês fa­ce ao ob­ser­va­do em Agos­to de 2016. Es­te pe­río­do as­sis­tiu ain­da à re­du­ção do ní­vel de ati­vi­da­de nes­te mer­ca­do, com o res­pe­ti­vo ín­di­ce a re­gis­tar uma va­ri­a­ção de -17,1%, em ter­mos ho­mó­lo­gos tri­mes­trais. Es­te se­gue-se a uma es­ta­bi­li­za­ção do ní­vel de ati­vi­da­de em ju­lho, após três me­ses de for­tes au­men­tos (de 7,7%, 22,6%, e 24,1%, res­pe­ti­va­men­te), ao re­gis­tar uma va­ri­a­ção de -0,7%, em ter­mos ho­mó­lo­gos tri­mes­trais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.