Va­lon­go: ofer­ta dis­po­ní­vel no Con­do­mí­nio das Lou­sas quer cap­tar jo­vens

No to­tal são 13 apar­ta­men­tos por es­tre­ar in­te­gra­dos no Blo­co Sul des­te em­pre­en­di­men­to si­tu­a­do na ci­da­de de Va­lon­go. Os jo­vens que pro­cu­ram a pri­mei­ra ca­sa são um dos prin­ci­pais pú­bli­cos-al­vo. Ha­bi­ta­ção

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

A ofer­ta é com­pos­ta por um apar­ta­men­to T1, se­te T2 e cin­co T3, to­dos por es­tre­ar, al­go que dis­tin­gue o pro­du­to fa­ce à ofer­ta lo­cal. “O fac­to de se­rem apar­ta­men­tos nun­ca ha­bi­ta­dos é um dos seus fa­to­res de di­fe­ren­ci­a­ção”, ex­pli­ca Nu­no Mar­çal, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Nor­te da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, Ban­co que é pro­pri­e­tá­rio das fra­ções em ven­da. “Não exis­te cons­tru­ção re­si­den­ci­al no­va pron­ta a ocu­par nes­ta zo­na” e “a ofer­ta no­va que co­me­ça ago­ra a sur­gir es­tá ain­da em fa­se de cons­tru­ção, pe­lo que só den­tro de cer­ca de um ano e meio, sen­si­vel­men­te, ha­ve­rá pro­du­to con­cluí­do”, ga­ran­te Luís Mar­tins, di­re­tor de mar­ke­ting da me­di­a­do­ra Vi­la Mais, que es­tá en­car­re­gue da co­mer­ci­a­li­za­ção des­tes apar­ta­men­tos.

“Os jo­vens que pro­cu­ram a pri­mei­ra ha­bi­ta­ção, mo­ra­do­res no con­ce­lho de Va­lon­go, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te, ou nas su­as fran­jas” são dos prin­ci­pais pú­bli­cos-al­vo pa­ra a ven­da des­tes apar­ta­men­tos, ex­pli­ca Nu­no Mar­çal, adi­an­tan­do que tam­bém “as pes­so­as que es­tão em ha­bi­ta­ções ar­ren­da­das na zo­na de Va­lon­go e ar­re­do­res” se cons­ti­tu­em co­mo uma fran­ja da pro­cu­ra com mui­to po­ten­ci­al. Por is­so, diz, por sua vez, Luís Mar­tins, as “bo­as con­di­ções de fi­nan­ci­a­men­to” as­so­ci­a­das a es­tes apar­ta­men­tos es­tão tam­bém a ser “um ar­gu­men­to de ven­da” des­tes imó­veis. Por um la­do, é al­go “bas­tan­te va­lo­ri­za­do pe­los jo­vens ca­sais que pro­cu­ram a pri­mei­ra ha­bi­ta­ção e que, na sua mai­o­ria, ne­ces­si­tam de re­cor­rer ao cré­di­to”. Por ou­tro la­do, “a com­pra des­tes apar­ta­men­tos po­de ser tam­bém uma al­ter­na­ti­va mui­to sus­ten­tá­vel pa­ra quem atu­al­men­te es­tá a ar­ren­dar ou a pro­cu­rar ca­sa pa­ra ar­ren­dar”. É que, “as pres­ta­ções que po­de­rão re­sul­tar de acor­do com as con­di­ções pre­vis­tas são mui­to in­te­res­san­tes quer pa­ra os jo­vens que pro­cu­ram a sua pri­mei­ra ca­sa quer pa­ra quem es­tá atu­al­men­te a ar­ren­dar uma ca­sa nes­ta zo­na”.

Os pre­ços dos apar­ta­men­tos va­ri­am en­tre os 67.000 eu­ros, no ca­so do T1, e os 107.000 eu­ros no “ca­so do apar­ta­men­to mais ca­ro da ti­po­lo­gia T3”, diz Nu­no Mar­çal. Os 13 apar­ta­men­tos in­te­gram o Blo­co Sul do Con­do­mí­nio das Lou­sas, que dis­põe “de áre­as ex­te­ri­o­res de gran­de di­men­são, on­de se in­clu­em um par­que in­fan­til e cam­po de jo­gos”, ca­rac­te­rís­ti­cas que Nu­no Mar­çal re­al­ça tam­bém pa­ra di­fe­ren­ci­ar es­ta ofer­ta si­tu­a­da em “es­pa­ço am­plo e cal­mo jun­to à ser­ra de Va­lon­go” e “com aces­sos fá­ceis, e pro­xi­mi­da­de de es­co­las e es­pa­ços co­mer­ci­ais”. As áre­as dos apar­ta­men­tos va­ri­am en­tre os 75 m2 (ca­so do T1) e os 126 m2 (ca­so do T3 de mai­or di­men­são), às quais acres­cem ain­da lu­ga­res de ga­ra­gem pa­ra to­dos os apar­ta­men­tos com áre­as en­tre os 12 e os 20 m2.

Co­mer­ci­a­li­za­ção de­cor­re a bom rit­mo

O pro­ces­so de co­mer­ci­a­li­za­ção ini­ci­ou em agos­to e de­cor­re a bom rit­mo, com o Mil­len­nium bcp a an­te­ci­par “a ven­da e es­cri­tu­ra qua­se to­tal des­tas fra­ções” até fi­nal do ano. “Nes­ta fa­se te­mos um dos apar­ta­men­tos já com con­tra­to pro­mes­sa de com­pra e ven­da, e dois em acor­do de ven­da e con­tra­ta­ção”, co­men­ta Nu­no Mar­çal. E de­pois de um agos­to “re­la­ti­va­men­te pa­ra­do, de­vi­do aos ha­bi­tu­ais pe­río­dos de fé­ri­as”, diz Luís Mar­tins, o pro­du­to re­ce­be ago­ra cres­cen­te aten­ção da pro­cu­ra. “Os pe­di­dos de in­for­ma­ção e vi­si­tas têm vin­do a cres­cer” re­ve­la Nu­no Mar­çal, su­bli­nhan­do o im­pac­to po­si­ti­vo da es­tra­té­gia de “cri­a­ção de um an­dar mo­de­lo bem de­co­ra­do”, a par “da co­mu­ni­ca­ção ao mer­ca­do por via dos vá­ri­os ca­nais, in­cluin­do di­gi­tais, pes­so­ais e atra­vés de mar­ke­ting di­re­to”. Na pers­pe­ti­va de Luís Mar­tins, a cri­a­ção do an­dar mo­de­lo, “que é al­go pou­co uti­li­za­do no mer­ca­do lo­cal” tem ti­do bas­tan­te su­ces­so, “por­que mu­da, por com­ple­to, a per­ce­ção que os po­ten­ci­ais cli­en­tes têm dos apar­ta­men­tos”. Es­tas ações co­mer­ci­ais “têm vin­do pau­la­ti­na­men­te a me­lho­rar o ní­vel de vi­si­tas e de in­te­res­se des­per­ta­do nos apar­ta­men­tos”, e re­fle­tem-se con­se­quen­te­men­te na “ma­te­ri­a­li­za­ção de pro­pos­tas”, ter­mi­na Nu­no Mar­çal.

FO­TÓ­GRA­FO

O apar­ta­men­to mo­de­lo tem si­do fa­tor de atra­ção

Vis­ta ex­te­ri­or do Con­do­mi­nio das Lou­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.