Par­que­a­men­to em Al­ma­da quer cap­tar in­ves­ti­do­res

In­te­gra­do no edi­fí­cio En­cos­ta do Rio, o par­que tem ca­pa­ci­da­de para mais de 100 vi­a­tu­ras e si­tua-se nu­ma zona de ele­va­do po­ten­ci­al em ter­mos de pro­cu­ra de es­ta­ci­o­na­men­to

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

No âm­bi­to da sua es­tra­té­gia de de­sin­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio, o Mil­len­nium bcp está a di­na­mi­zar ati­va­men­te a co­mer­ci­a­li­za­ção de um par­que­a­men­to in­te­gra­do no edi­fí­cio En­cos­ta do Rio, si­tu­a­do no nº 26 da rua Comandante António Feio, nu­ma zona cen­tral de Al­ma­da. Es­te par­que de es­ta­ci­o­na­men­to dis­tri­bui- se pelo pi­so tér­reo, ca­ves -1 e -2 des­te edi­fí­cio re­si­den­ci­al, to­ta­li­zan­do 111 lu­ga­res, com áre­as bru­tas pri­va­ti­vas (de ca­da um dos lu­ga­res) en­tre os 11,5 m2 e 20,65 m2.

Es­te par­que­a­men­to “está pre­pa­ra­do para a ins­ta­la­ção de es­tru­tu­ra para con­tro­lo de aces­sos aos es­ta­ci­o­na­men­tos e dis­põe já de uma ca­bi­na téc­ni­ca para vi­gi­lân­cia de aces­sos”, até por­que “o pro­mo­tor de­sen­vol­veu a cons­tru­ção de um es­pa­ço para um par­que pú­bli­co pa­go, lo­ca­li­za­do nos pi­sos in­fe­ri­o­res dos edi­fí­ci­os ha­bi­ta­ci­o­nais”, de­ta­lha Ra­mi­ro Gomes, Res­pon­sá­vel de Ven­das – Gran­des Imó­veis Sul da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp.

Os ar­gu­men­tos des­te ati­vo são di­ver­sos e co­brem os prin­ci­pais fa­to­res iden­ti­fi­ca­dos por es­pe­ci­a­lis­tas de mer­ca­do con­sul­ta­dos pelo Pú­bli­co Imo­bi­liá­rio re­la­ti­va­men­te ao in­ves­ti­men­to nes­te ti­po de imo­bi­liá­rio di­to “al­ter­na­ti­vo”: desde logo, a lo­ca­li­za­ção e in­di­ca­do­res ocu­pa­ci­o­nais ro­bus­tos.

A lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca do par­que “é uma das su­as gran­des mais va­li­as”, su­bli­nha Ra­mi­ro Gomes, evi­den­ci­an­do que “está si­tu­a­do a es­cas­sos 500 me­tros a pé, da es­ta­ção flu­vi­al de Ca­ci­lhas, po­ten­ci­an­do, as­sim quer quei­ra es­ta­ci­o­nar de for­ma se­gu­ra a sua vi­a­tu­ra e des­lo­car- se de trans­por­tes pú­bli­cos para Lisboa”. Além dis­so, in­te­gra-se nu­ma zona “pre­do­mi­nan­te­men­te ha­bi­ta­ci­o­nal e com al­gum co­mér­cio de rua”, “on­de os es­ta­ci­o­na­men­tos são res­tri­tos”. No ca­so do co­mér­cio de rua, es­te par­que está “si­tu­a­do na rua pos­te­ri­or à ave­ni­da Prin­ci­pal de Al­ma­da, por on­de cir­cu­la o me­tro de su­per­fí­cie”, nota ain­da Ra­mi­ro Gomes.

Esta sua lo­ca­li­za­ção es­tra­té­gi­ca é tam­bém po­ten­ci­a­do­ra da di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de pro­cu­ra, ga­ran­tin­do, por es­sa via, um po­ten­ci­al de ocu­pa­ção ro­bus­ta dos lu­ga­res de par­que­a­men­to. Es­te é apon­ta­do co­mo um fa­tor de­ter­mi­nan­te para a ren­ta­bi­li­da­de des­te ti­po de in­ves­ti­men­to, até por­que, de acor­do com os es­pe­ci­a­lis­tas, o ris­co de in­ves­tir nes­tes ati­vos é tan­to mais bai­xo quan­to mai­or for a pro­cu­ra de es­ta­ci­o­na­men­to na zona. Além de par­que de apoio para os po­ten­ci­ais uti­li­za­do­res de trans­por­tes pú­bli­cos e para os con­su­mi­do­res que se des­lo­cam às lo­jas da zona, es­te es­ta­ci­o­na­men­to tem ain­da ca­pa­ci­da­de para dar resposta aos ha­bi­tan­tes lo­cais. O es­pa­ço “po­de ter uti­li­za­ção quer por re­si­den­tes das fra­ções ha­bi­ta­ci­o­nais do edi­fí­cio on­de se in­te­gra” bem co­mo “por po­ten­ci­ais in­te­res­sa­dos que ha­bi­tam nos pré­di­os cir­cun­dan­tes e que, por nor­ma, não pos­su­em es­ta­ci­o­na­men­to para as vi­a­tu­ras”, diz Ra­mi­ro Gomes. Acres­ce ain­da, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas de mer­ca­do, que os re­si­den­tes de uma zona que pro­cu­ram es­ta­ci­o­na­men­to va­lo­ri­zam bas­tan­te a se­gu­ran­ça e que a pró­pria ba­se de pro­cu­ra está a crescer, pois atu­al­men­te qua­se to­das as fa­mí­li­as pos­su­em du­as vi­a­tu­ras, além do es­ta­ci­o­na­men­to ex­te­ri­or ser ca­ro e bas­tan­te li­mi­ta­do.

Num con­tex­to em que as gran­des ci­da­des têm uma ca­pa­ci­da­de de es­ta­ci­o­na­men­to ca­da vez mais li­mi­ta­da e em que a uti­li­za­ção de vi­a­tu­ras não re­du­ziu, os in­ves­ti­do­res pa­re­cem es­tar ca­da vez mais aten­tos às opor­tu­ni­da­des de in­ves­tir em ati­vos al­ter­na­ti­vos co­mo os par­ques de es­ta­ci­o­na­men­to. No Reino Uni­do, on­de esta clas­se de in­ves­ti­men­to tem vin­do a atrair um vo­lu­me cres­cen­te de in­ves­ti­men­to, são apon­ta­dos re­tor­nos anu­ais de 5 a 10%.

Ati­vo ven­di­do até fi­nal do ano

O Mil­len­nium bcp está a co­mer­ci­a­li­zar es­te par­que­a­men­to des­te o úl­ti­mo tri­mes­tre do ano pas­sa­do e as pers­pe­ti­vas são ani­ma­do­ras, ten­do em con­ta as ações em cur­so. Além de op­tar por “uma abor­da­gem co­mer­ci­al di­re­ta a al­guns ope­ra­do­res do mer­ca­do que já ex­plo­ram es­te ti­po de es­pa­ços”, o Ban­co tem igual­men­te pro­mo­vi­do o imó­vel atra­vés das su­as “su­cur­sais de re­ta­lho, re­de co­mer­ci­al de Empresas, bem co­mo de par­cei­ros imo­bi­liá­ri­os, no sen­ti­do de se iden­ti­fi­ca­rem in­ves­ti­do­res com po­ten­ci­al para esta aqui­si­ção”, ex­pli­ca Ra­mi­ro Gomes. Por is­so, con­si­de­ran­do “a di­vul­ga­ção fei­ta no úl­ti­mo tri­mes­tre de 2017, re­ce­be­mos um con­jun­to de con­tac­tos de po­ten­ci­ais in­te­res­sa­dos na sua aqui­si­ção”, os quais se “en­con­tram a ava­li­ar a vi­a­bi­li­da­de e ren­ta­bi­li­da­de do ne­gó­cio”, avan­ça es­te res­pon­sá­vel, que tem a ex­pe­ta­ti­va de “con­se­guir­mos ven­der o es­pa­ço até fi­nal do ano 2018”.

FOTOS: MIL­LEN­NIUM BCP

Si­tu­a­do nu­ma zona cen­tral de Al­ma­da pre­do­mi­nan­te­men­te re­si­den­ci­al, o par­que de es­ta­ci­o­na­men­to em ven­da está pró­xi­mo do ter­mi­nal flu­vi­al de Ca­ci­lhas e tam­bém de uma zona de co­mér­cio de rua por on­de cir­cu­la o me­tro do su­per­fi­cie.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.