N

Publico - Imobiliario - - Atualidade -

a sua ses­são ple­ná­ria de 13 de De­zem­bro, a pe­di­do do Pro­ve­dor de Jus­ti­ça, o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal de­cla­rou fi­nal­men­te, e com for­ça obri­ga­tó­ria ge­ral, a in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da ta­xa de pro­tec­ção ci­vil de Lis­boa. As­sim, e de­pois de inú­me­ras re­cla­ma­ções e pro­ces­sos ju­di­ci­ais ins­tau­ra­dos, quer pe­la As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os, quer por mui­tos pro­pri­e­tá­ri­os de Lis­boa, du­ran­te os úl­ti­mos três anos, fi­cou de­fi­ni­ti­va­men­te es­cla­re­ci­da a ile­ga­li­da­de da co­bran­ça des­ta ta­xa.

As con­sequên­ci­as de de­cla­ra­ção de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de são cla­ras e cons­tam do art. 282º da Cons­ti­tui­ção. A mes­ma tem efi­cá­cia re­tro­ac­ti­va, obri­gan­do por is­so à de­vo­lu­ção de to­das as im­por­tân­ci­as abu­si­va­men­te co­bra­das des­de 2015. Pa­ra além dis­so, de­vem ser ain­da pa­gos aos ci­da­dãos os ju­ros de­vi­dos por es­ta ile­gí­ti­ma apro­pri­a­ção do seu di­nhei­ro por par­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lis­boa. Efec­ti­va­men­te, o art. 43º da Lei Ge­ral Tri­bu­tá­ria é mui­to cla­ro no sen­ti­do de que, ocor­ren­do a co­bran­ça de pres­ta­ção tri­bu­tá­ria in­de­vi­da por er­ro im­pu­tá­vel aos ser­vi­ços, têm os con­tri­buin­tes di­rei­to a ju­ros in­dem­ni­za­tó­ri­os. Ou­tra so­lu­ção não fa­ria, aliás, sen­ti­do, uma vez que se­ria um pré­mio da­do ao in­frac­tor. Efec­ti­va­men­te, se não pa­gas­se ju­ros, a Câ­ma­ra be­ne­fi­ci­a­ria sem­pre que se pu­ses­se a co­brar ta­xas in­cons­ti­tu­ci­o­nais, ob­ten­do des­ta for­ma um em­prés­ti­mo for­ça­do e sem ju­ros por par­te dos ci­da­dãos de Lis­boa.

A for­ma cor­rec­ta de a Câ­ma­ra pro­ce­der à de­vo­lu­ção das ta­xas e dos res­pec­ti­vos ju­ros é sim­ples, bas­tan­do-lhe re­pe­tir o mes­mo pro­ce­di­men­to pe­lo qual pro­ce­deu à sua co­bran­ça abu­si­va. Bas­ta en­vi­ar pe­lo cor­reio às mes­mas pes­so­as a quem en­vi­ou a no­ta de co­bran­ça um che­que com o mon­tan­te ile­gi­ti­ma­men­te co­bra­do e ju­ros in­dem­ni­za­tó­ri­os con­ta­dos até à da­ta de emis­são do che­que. Pa­re­ce, no en­tan­to, que a Câ­ma­ra não vai fa­zer na­da dis­so, re­cor­ren­do an­tes a des­cul­pas de mau pa­ga­dor pa­ra re­tar­dar o mais pos­sí­vel a de­vo­lu­ção do di­nhei­ro e até não pa­gar os ju­ros le­gal­men­te de­vi­dos.

Foi as­sim que o Pre­si­den­te da Câ­ma­ra apa­re­ceu a anun­ci­ar que iria no­ti­fi­car os lis­bo­e­tas pa­ra lhes de­vol­ver o di­nhei­ro, so­li­ci­tar que se des­lo­quem aos ser­vi­ços da Câ­ma­ra e cri­ar um por­tal pa­ra o efei­to. E o Ve­re­a­dor das Fi­nan­ças dis­se que só pa­ga­ria ju­ros a quem de­mons­tras­se que te­ve pre­juí­zos, co­mo se não fos­se um fac­to no­tó­rio, e bem co­nhe­ci­do da Ci­ên­cia das Fi­nan­ças, que a apro­pri­a­ção de ca­pi­tal alheio ge­ra sem­pre um pre­juí­zo a quem fi­ca pri­va­do des­se ca­pi­tal e um be­ne­fí­cio a quem de­le se apro­pria. O ju­ro é por is­so a for­ma cor­rec­ta de in­dem­ni­zar es­se pre­juí­zo.

Ocor­ren­do a co­bran­ça de pres­ta­ção tri­bu­tá­ria in­de­vi­da por er­ro im­pu­tá­vel aos ser­vi­ços, têm os con­tri­buin­tes di­rei­to a ju­ros in­dem­ni­za­tó­ri­os. Ou­tra so­lu­ção não fa­ria, aliás, sen­ti­do, uma vez que se­ria um pré­mio da­do ao in­frac­tor

A ver­da­de, no en­tan­to, é que já pas­sou um mês so­bre a de­ci­são do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal e não cons­ta que a Câ­ma­ra te­nha de­vol­vi­do um cên­ti­mo da ta­xa de pro­tec­ção ci­vil, nem se­quer ha­ven­do no­tí­cia das tais no­ti­fi­ca­ções e por­tal que o Pre­si­den­te pro­me­teu que iria cri­ar. E por es­ta via con­ti­nua a Câ­ma­ra a be­ne­fi­ci­ar de di­nhei­ro que não lhe per­ten­ce. É mais que tem­po de a ile­ga­li­da­de aca­bar em Lis­boa. A Câ­ma­ra que de­vol­va ra­pi­da­men­te aos pro­pri­e­tá­ri­os de Lis­boa aqui­lo que abu­si­va­men­te lhes co­brou e se dei­xe de vez de apre­sen­tar des­cul­pas de mau pa­ga­dor pa­ra não cum­prir aqui­lo a que es­tá obri­ga­da.

Pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Lis­bo­nen­se de Pro­pri­e­tá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.