2018 de­ve re­pe­tir o “bom mo­men­to” do mer­ca­do imo­bi­liá­rio

As ex­pe­ta­ti­vas da in­dús­tria imo­bi­liá­ria são oti­mis­tas, em­bo­ra se iden­ti­fi­quem já al­guns de­sa­fi­os pa­ra que o ci­clo po­si­ti­vo pos­sa pro­lon­gar-se. A ha­bi­ta­ção é con­si­de­ra­da uma das áre­as de mai­or im­por­tân­cia nos pró­xi­mos anos.

Publico - Imobiliario - - Oportunidades -

O sen­ti­men­to da in­dús­tria imo­bi­liá­ria pa­ra o pró­xi­mo ano é de oti­mis­mo, com os prin­ci­pais lí­de­res as­so­ci­a­ti­vos do se­tor a con­fir­ma­rem que o mer­ca­do vi­ve um mo­men­to mui­to po­si­ti­vo. “O pe­río­do pa­ra o imo­bi­liá­rio é bom”, de­fen­deu Hen­ri­que Po­lig­nac de Bar­ros, Pre­si­den­te da APPII, a as­so­ci­a­ção de pro­mo­to­res e in­ves­ti­do­res imo­bi­liá­ri­os, num pe­que­no-al­mo­ço pro­mo­vi­do pe­la Vi­da Imo­bi­liá­ria e pe­la Cush­man & Wa­ke­fi­eld (C&W) pa­ra pers­pe­ti­var 2018. Os tem­pos são de “uma de­li­ci­o­sa mo­no­to­nia”, dis­se Pau­lo Sil­va, que pre­si­de a ACAI (re­pre­sen­ta as em­pre­sas de con­sul­to­ria e ava­li­a­ção imo­bi­liá­ria), en­quan­to Ma­nu­el Pu­er­ta da Cos­ta, que di­ri­ge a APAF (as­so­ci­a­ção dos ana­lis­tas fi­nan­cei­ros) ex­pli­cou que a “boa fa­se do mer­ca­do não se equa­ci­o­na­va se­quer há cer­ca de 3 anos, quer em ter­mos de com­por­ta­men­to dos pre­ços quer nos vo­lu­mes tran­sa­ci­o­na­dos”, su­bli­nhan­do a im­por­tân­cia que o se­tor imo­bi­liá­rio tem “no stock de ca­pi­tal na­ci­o­nal”, o qual “é cru­ci­al pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de e ren­ta­bi­li­da­de do país”. Vei­ga Sar­men­to, que pre­si­de à APFIPP (as­so­ci­a­ção dos fun­dos de in­ves­ti­men­to) con­fir­ma que “os ven­tos são oti­mis­tas” e que Por­tu­gal be­ne­fi­cia do oti­mis­mo que se vi­ve na Eu­ro­pa, “um oti­mis­mo co­mo há mui­to tem­po não se vi­via”.

Em co­men­tá­rio às prin­ci­pais con­clu­sões des­te en­con­tro, Jo­sé Araú­jo, di­re­tor da Di­re­ção de Ne­gó­cio Imo­bi­liá­rio do Mil­len­nium bcp, alar­ga ain­da mais o per­cur­so po­si­ti­vo, re­fe­rin­do que “na área dos imó­veis do Ban­co, te­mos as­sis­ti­do a uma pro­cu­ra cres­cen­te no mer­ca­do imo­bi­liá­rio já des­de 2011”.

Pro­lon­gar o ci­clo

A in­dús­tria imo­bi­liá­ria acre­di­ta que é pos­sí­vel “es­ten­der” es­te ci­clo po­si­ti­vo. “Te­mos que pro­lon­gar os bons ci­clos”, dis­se na oca­sião Po­lig­nac de Bar­ros, de­fen­den­do que, pa­ra tal, “há que an­te­ci­par cer­tas me­di­das”. Pa­ra “apro­vei­tar es­ta ma­ré po­si­ti­va, é pre­ci­so

ter em con­ta al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções”, ali­nha Vei­ga Sar­men­to.

Um dos de­sa­fi­os iden­ti­fi­ca­dos pe­la in­dús­tria é a res­pos­ta à fal­ta de ofer­ta, quer de ha­bi­ta­ção quer de es­cri­tó­ri­os. “Há um cla­ro des­fa­sa­men­to en­tre o stock dis­po­ní­vel e a ocu­pa­ção”, dis­se Eric van Leu­ven, A ha­bi­ta­ção se­rá um dos se­to­res de mai­or im­por­tân­cia nos pró­xi­mos anos ma­na­ging part­ner da C&W, ex­pli­can­do que no ca­so da ha­bi­ta­ção a ques­tão é es­pe­ci­al­men­te re­le­van­te pa­ra os na­ci­o­nais.

Quan­to aos es­cri­tó­ri­os “é pre­ci­so in­ves­tir em no­vos es­pa­ços, pa­ra que as em­pre­sas se con­ti­nu­em a ins­ta­lar e a cri­ar ri­que­za”, aler­ta, su­bli­nhan­do que a li­mi­ta­ção de stock po­de ser uma ame­a­ça à com­pe­ti­ti­vi­da­de de Por­tu­gal nu­ma al­tu­ra em que as em­pre­sas in­ter­na­ci­o­nais olham ca­da vez mais pa­ra o país. Além dis­so, “sem es­cri­tó­ri­os não há ci­da­des”, dis­se Pedro Ló, da APFM (as­so­ci­a­ção do fa­ci­lity ma­na­ge­ment).

O re­for­ço do in­ves­ti­men­to no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to co­mo so­lu­ção de aces­so à ha­bi­ta­ção é tam­bém um dos de­sa­fi­os a en­de­re­çar, té por­que “o mo­men­to atu­al tem si­do so­bre­tu­do po­si­ti­vo ape­nas pa­ra o mer­ca­do de com­pra e ven­da e pa­ra o do alo­ja­men­to o lo­cal”, lem­bra dis­se Me­ne­zes Lei­tões, da ALP (as­so­ci­a­ção dos pro­pri­e­tá­ri­os).

Tam­bém a atra­ção de in­ves­ti­do­res par­ti­cu­la­res pa­ra o imo­bi­liá­rio es­tá no ma­pa. “Te­mos que con­se­guir cap­tar pou­pan­ça e os fun­dos de in­ves­ti­men­to imo­bi­liá­rio po­dem ser uma ala­van­ca cru­ci­al pa­ra a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­to par­ti­cu­lar pa­ra o imo­bi­liá­rio”, no­ta Vei­ga Sar­men­to. Au­men­tar a con­fi­an­ça no se­tor, quer por via da au­tor­re­gu­la­ção quer na me­lho­ria dos pa­drões de ri­gor pro­fis­si­o­nal, es­tá igual­men­te em agen­da. Na vi­são de Jo­sé Araú­jo, “não ter pres­sa no re­tor­no de in­ves­ti­men­to, com­prar bem e cons­truir pa­ra os na­ci­o­nais e acei­tar ren­ta­bi­li­da­de de um dí­gi­to” po­de ser a re­cei­ta “pa­ra não apres­sar a re­ver­são de um ci­clo im­por­tan­te pa­ra o se­tor e eco­no­mia na­ci­o­nal”.

Ha­bi­ta­ção é ques­tão cen­tral

A ha­bi­ta­ção se­rá “a ques­tão mais im­por­tan­te pa­ra o imo­bi­liá­rio nos pró­xi­mos anos”, nas pa­la­vras de Fran­cis­co Rocha An­tu­nes, pre­si­den­te do RICS (en­ti­da­de que atua na im­ple­men­ta­ção de bo­as prá­ti­cas na in­dús­tria imo­bi­liá­ria). Des­de lo­go por­que “é ne­ces­sá­rio per­ce­ber co­mo cri­ar ha­bi­ta­ção que não se­ja ape­nas in­ves­ti­men­to de re­fú­gio de com­pra­do­res in­ter­na­ci­o­nais”: Além dis­so, é ne­ces­sá­rio di­na­mi­zar o mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, de­fen­deu Me­ne­zes Lei­tão. “Nes­te mo­men­to não te­mos pes­so­as a co­lo­car no­vas ca­sas no mer­ca­do de ar­ren­da­men­to, e is­so é al­go que nem nos pi­o­res mo­men­tos acon­te­ceu”, no­ta o pre­si­den­te da ALP com pre­o­cu­pa­ção. Pa­ra Fran­cis­co Rocha An­tu­nes é cla­ro que “fal­ta um mer­ca­do de in­ves­ti­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal em ar­ren­da­men­to re­si­den­ci­al no nos­so país”.

Quan­to aos pre­ços, fri­sou-se que, a ní­vel na­ci­o­nal, só ago­ra se es­tão a atin­gir va­lo­res mé­di­os pró­xi­mos do an­te­ri­or pi­co do mer­ca­do, ain­da que na ga­ma mais al­ta de mer­ca­do (ape­nas), os va­lo­res pra­ti­ca­dos atu­al­men­te em Lis­boa e Por­to atin­jam ho­je um ní­vel pra­ti­ca­men­te ini­ma­gi­ná­vel há dez anos.

ISTOCK.COM | DAVE COX 78

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.