Os con­sen­sos são pos­sí­veis, mais di­fí­cil é cum­pri-los

Publico - Imobiliario - - Opinião -

No fi­nal da se­ma­na pas­sa­da, ou­vi­mos o Se­nhor Pri­mei­ro Mi­nis­tro pers­pe­ti­var os anos de 2020 a 2030, co­mo «uma dé­ca­da de con­ver­gên­cia com a União Eu­ro­peia». É de sau­dar um tal ob­je­ti­vo, so­bre­tu­do ten­do pre­sen­te que a nos­sa his­tó­ria re­cen­te foi fei­ta de uma pro­fun­da di­ver­gên­cia. Quan­do ou­tros Paí­ses as­su­mi­am o in­ves­ti­men­to pú­bli­co, co­mo um fa­tor es­sen­ci­al pa­ra po­ten­ci­ar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, em Por­tu­gal o in­ves­ti­men­to to­tal re­cu­ou pa­ra ní­veis de há 30 anos atrás, ou se­ja, re­tro­ce­de­mos pa­ra 1986, ano de ade­são à CEE.

É cer­to que o Por­tu­gal de há 30 anos atrás, já não é o mes­mo. De­sen­vol­ve­mo-nos, col­ma­ta­mos as nos­sas ca­rên­ci­as em ma­té­ria de in­fra­es­tru­tu­ras e so­mos ho­je um País com po­ten­ci­al pa­ra as­su­mir o pa­pel que lhe ca­be de­sem­pe­nhar no mun­do glo­bal on­de se in­se­re. Re­a­fir­mo, po­de­mos reu­nir to­das as con­di­ções pa­ra ti­rar par­ti­do do po­si­ci­o­na­men­to ge­o­es­tra­té­gi­co de Por­tu­gal, en­quan­to vér­ti­ce de um tri­ân­gu­lo for­ma­do pe­la Áfri­ca, Amé­ri­ca do Sul e Eu­ro­pa.

Em 2014, su­bli­nhei co­mo fac­to de ex­tre­ma im­por­tân­cia, a apro­va­ção, por par­te do an­te­ri­or Go­ver­no, do Pla­no Es­tra­té­gi­co dos Trans­por­tes e In­fra­es­tru­tu­ras pa­ra o ho­ri­zon­te 20142020, abar­can­do os se­to­res fer­ro­viá­rio, ma­rí­ti­mo-por­tuá­rio, ro­do­viá­rio e ae­ro­por­tuá­rio-lo­gís­ti­co, bem co­mo os trans­por­tes pú­bli­cos de pas­sa­gei­ros. Re­lem­bre-se que os ob­je­ti­vos es­tra­té­gi­cos que pre­si­dem a es­te Pla­no eram a com­pe­ti­ti­vi­da­de e o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel da eco­no­mia, a co­e­são so­ci­al e ter­ri­to­ri­al, a mo­bi­li­da­de e aces­si­bi­li­da­de de pes­so­as e bens, e a com­por­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra os con­tri­buin­tes, ob­je­ti­vos que se so­bre­põem, na­tu­ral­men­te, aos ci­clos po­lí­ti­cos. Foi por is­so na­tu­ral que, em 2016, o atu­al Go­ver­no te­nha as­su­mi­do o in­te­gral cum­pri­men­to des­te pro­gra­ma, que ha­via si­do ob­je­to de um lar­go consenso. Po­rém, a re­a­li­da­de mos­tra-nos que per­sis­te um gran­de des­fa­sa­men­to en­tre a ca­len­da­ri­za­ção e a exe­cu­ção do in­ves­ti­men­to pú­bli­co, que, co­mo já re­fe­ri, se man­tém em ní­veis his­to­ri­ca­men­te bai­xos. O Pla­no Es­tra­té­gi­co dos Trans­por­tes e In­fra­es­tru­tu­ras (PETI3+), que es­ta­be­le­ceu as prioridades em ma­té­ria de pro­je­tos ca­pa­zes de au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de e de atrair mais e me­lhor in­ves­ti­men­to, con­ti­nu­ou pra­ti­ca­men­te sem co­nhe­cer quais­quer de­sen­vol­vi­men­tos. Tal sig­ni­fi­ca que se é pos­sí­vel es­ta­be­le­cer con­sen­sos alar­ga­dos, mais di­fí­cil é cum­pri-los.

Por is­so, num mo­men­to em que se dis­cu­te um no­vo ci­clo de in­ves­ti­men­tos a ini­ci­ar em 2020, que vêm dar res­pos­ta às ques­tões es­tru­tu­rais que sem­pre de­fen­de­mos, é es­sen­ci­al co­lo­cá-los aci­ma de quais­quer in­te­res­ses po­lí­ti­cos, par­ti­dá­ri­os ou ou­tros. Es­tá em cau­sa a vi­são de um Por­tu­gal de fu­tu­ro, que apos­ta no po­ten­ci­al di­fe­ren­ci­a­dor das su­as ci­da­des e do pa­tri­mó­nio edi­fi­ca­do, na Re­a­bi­li­ta­ção Ur­ba­na, en­quan­to ca­ta­li­sa­dor do in­ves­ti­men­to pri­va­do, na tran­si­ção ener­gé­ti­ca pa­ra fa­zer fa­ce às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, no de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia do mar, na ex­ce­len­te in­ser­ção do País nas re­des e nos mer­ca­dos glo­bais, na ne­ces­si­da­de de de­sen­vol­ver os ter­ri­tó­ri­os de bai­xa den­si­da­de, apos­tan­do na flo­res­ta e na agri­cul­tu­ra. Pe­ran­te es­ta vi­são, as­sen­te em do­mí­ni­os tão re­le­van­tes e que a to­dos se im­põem, é ine­vi­tá­vel que os par­ti­dos as­su­mam o seu de­ver, pro­cu­ran­do al­can­çar ba­ses de en­ten­di­men­to du­ra­dou­ras.

Num con­tex­to em que a Eu­ro­pa apos­ta nas in­fra­es­tru­tu­ras co­mo es­tra­té­gia pri­o­ri­tá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do e pa­ra a com­pe­ti­ti­vi­da­de do es­pa­ço eu­ro­peu, tam­bém Por­tu­gal te­rá de con­tar com um ver­da­dei­ro pac­to de re­gi­me, que per­mi­ta um pla­ne­a­men­to e uma ca­len­da­ri­za­ção pa­ra o fu­tu­ro e que pre­va­le­ça fa­ce à in­de­fi­ni­ção dos ci­clos elei­to­rais. Só des­ta for­ma, al­can­ça­re­mos a tão ne­ces­sá­ria con­ver­gên­cia anun­ci­a­da pe­lo Se­nhor Pri­mei­ro Mi­nis­tro.

Es­te é, por­tan­to, um de­sa­fio que ve­mos com mui­to bons olhos e pa­ra o qual es­ta­mos em­pe­nha­dos em dar o nos­so con­tri­bu­to.

Pre­si­den­te da CPCI – Con­fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa da Cons­tru­ção e do Imo­bi­liá­rio

Ma­nu­el Reis Cam­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.