So­lu­ções e con­se­lhos pa­ra aque­cer a ca­sa

O frio es­tá aí! A ar­qui­te­tu­ra de­ve pro­por so­lu­ções téc­ni­cas ade­qua­das ao con­for­to tér­mi­co das ha­bi­ta­ções. Co­nhe­ça al­gu­mas pro­pos­tas pe­la ar­qui­te­ta Su­sa­na Aze­ve­do, do SUCRRE Ate­li­er

Publico - Imobiliario - - Soluções De Aquecimento -

Es­te ano o frio tar­dou mas aca­bou por che­gar. Por mais avi­sos ama­re­los que ha­ja nun­ca es­ta­mos re­al­men­te pre­pa­ra­dos pa­ra re­ce­bê-lo. Ou me­lhor, com a ca­sa pre­pa­ra­da! A ne­ces­si­da­de que se impôs, ao lon­go dos anos, de res­ti­tuir um agra­dá­vel con­for­to tér­mi­co aos es­pa­ços in­te­ri­o­res sur­giu de al­te­ra­ções na ar­te de construir que fo­ram afas­tan­do uma cons­tru­ção sus­ten­tá­vel su­por­ta­da pe­la arquitectura tra­di­ci­o­nal ou ver­na­cu­lar, ago­ra re­vis­ta ou rein­tre­per­ta­da pe­la Arquitectura Bi­o­cli­má­ti­ca.

De um pon­to de vis­ta mais téc­ni­co da ar­qui­te­tu­ra, a gran­de fa­lha co­me­ça pe­la fal­ta de cui­da­do com que se cons­trói, on­de se in­clui o ti­po de sis­te­ma de aque­ci­men­to ade­qua­do a ca­da ha­bi­ta­ção.

Pon­tos-cha­ve

Mui­to su­cin­ta­men­te, enu­me­ram­se al­guns pon­tos que de­ve­ri­am ser bem es­tu­da­dos na al­tu­ra de com­prar, construir ou re­mo­de­lar a ca­sa:

- Um iso­la­men­to ex­te­ri­or efi­caz que evi­te qual­quer rup­tu­ra tér­mi­ca – por exem­plo, o sis­te­ma ETC’s, ou um sis­te­ma de la­je ra­di­a­dor, es­te sem ne­ces­si­da­de de obras;

- Uma cor­rec­ta ex­po­si­ção so­lar, que pri­vi­le­gie a ori­en­ta­ção ao qua­dran­te Sul (em Por­tu­gal), sem es­que­cer que há al­te­ra­ções ao lon­go do ano com os equi­nó­ci­os e os sols­tí­ci­os;

- Boa ven­ti­la­ção na­tu­ral, que ga­ran­ta uma me­lhor qua­li­da­de do ar in­te­ri­or, de pre­fe­rên­cia ven­ti­la­ção trans­ver­sal;

- Boa ilu­mi­na­ção na­tu­ral be­ne­fi­ci­a­da con­tri­bui nu­ma gran­de per­cen­ta­gem pa­ra di­mi­nuir as ne­ces­si­da­des ener­gé­ti­cas dos edi­fí­ci­os;

- Um es­tu­do efi­ci­en­te e ade­qua­do do aque­ci­men­to e ar­re­fe­ci­men­to pas­si­vo do edi­fí­cio (as ne­ces­si­da­des de aque­ci­men­to e ar­re­fe­ci­men­to re­pre­sen­tam uma gran­de par­te dos gas­tos ener­gé­ti­cos). Pa­ra o efei­to exis­tem inú­me­ras so­lu­ções, das quais se des­ta­cam al­gu­mas co­mo ja­ne­las Trom­be; ma­te­ri­ais acu­mu­la­do­res de ener­gia tér­mi­ca, co­mo pe­dras na­tu­rais; es­tu­fas in­te­gra­das ( jardins in­te­ri­o­res); vi­dros du­plos com cai­xi­lha­ri­as de ma­dei­ra ou cor­te tér­mi­co;

-A co­lo­ca­ção de pai­néis so­la­res tér­mi­cos tam­bém po­de ser uti­li­za­da pa­ra aju­dar na efi­caz cli­ma­ti­za­ção dos edi­fí­ci­os, sen­do que ain­da não o con­se­guem ser au­to­no­ma­men­te.

Es­tes exem­plos são re­la­ti­va­men­te aces­sí­veis e de re­la­ti­va fá­cil co­lo­ca­ção, re­pre­sen­ta­do no fi­nal uma má­xi­ma ren­ta­bi­li­da­de ener­gé­ti­ca e uma gran­de di­fe­ren­ça no con­for­to tér­mi­co dos es­pa­ços.

As­sim, pri­mei­ro é ne­ces­sá­rio re­sol­ver la­cu­nas ex­te­ri­o­res pa­ra pos­te­ri­or­men­te adap­tar a so­lu­ção que mais se ade­que ao seu edi­fí­cio e a si pró­prio. As op­ções são mui­tas e di­ver­si­fi­ca­das, de acor­do com o seu es­pa­ço, gran­de ou pe­que­no, am­bi­en­te, clás­si­co ou con­tem­po­râ­neo, e or­ça­men­to.

So­lu­ções de aque­ci­men­to

Pa­ra os mais tra­di­ci­o­nais e ro­mân­ti­cos pro­po­nho as la­rei­ras, a le­nha, ou a gás. Es­tas úl­ti­mas são es­te­ti­ca­men­te ape­la­ti­vas, não acu­mu­lam su­ji­da­de, mas têm a li­mi­ta­ção do com­bus­tí­vel que, se fa­lhar, re­sul­ta na in­ter­rup­ção do aque­ci­men­to.

Uma so­lu­ção eco­nó­mi­ca tam­bém mui­to ape­la­ti­va são as la­rei­ras com aque­ci­men­to a bi­o­e­ta­nol. Es­tes equi­pa­men­tos são de gran­de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, eco­fri­en­dly e, pe­la sua sim­pli­ci­da­de, de gran­de sen­ti­do es­té­ti­co, in­te­gram-se com fa­ci­li­da­de em qual­quer am­bi­en­te. Ou­tra mais va­lia é a sua fá­cil ins­ta­la­ção, sem ne­ces­si­da­de de in­fra­es­tru­tu­ras e sem ma­nu­ten­ção. Pa­ra além dis­so, a fon­te de ener­gia é re­no­vá­vel, 100% eco­ló­gi­ca e pro­du­zi­da atra­vés de pro­du­tos na­tu­rais que res­pei­tam o am­bi­en­te e não con­tri­bu­em pa­ra o aque­ci­men­to glo­bal. Têm as­sim be­ne­fí­ci­os fis­cais.

As sa­la­man­dras são ou­tra so­lu­ção, tam­bém com di­fe­ren­tes op­ções. A mais co­mum é a que usa a le­nha co­mo com­bus­tí­vel, a qual pri­ma por ser a mais tra­di­ci­o­nal e de fá­cil ins­ta­la­ção. A ou­tra al­ter­na­ti­va, pa­ra os mais eco­ló­gi­cos, são as sa­la­man­dras a pel­lets, um bi­o­com­bus­tí­vel pro­du­zi­do a par­tir de sub­pro­du­tos e des­per­dí­ci­os de ma­dei­ra co­mo a ser­ra­du­ra. Têm gran­de po­der ca­lo­rí­fe­ro e es­cas­sa pro­du­ção de cin­za. Há mo­de­los que per­mi­tem su­pri­mir a co­lo­ca­ção de cha­mi­né.

Ain­da den­tro dos equi­pa­men­tos com fon­te de ca­lor de com­bus­tí­vel de bi­o­mas­sa há os re­cu­pe­ra­do­res de ca­lor. Es­tes po­dem ser a le­nha ou pel­lets e con­se­guem ma­xi­mi­zar o ren­di­men­to do res­pec­ti­vo com­bus­tí­vel. Es­ta al­ter­na­ti­va po­de tam­bém ser es­tru­tu­ra­da co­mo fon­te de aque­ci­men­to com sis­te­ma de aque­ci­men­to cen­tral à ba­se de água. Um sis­te­ma bas­tan­te efi­ci­en­te, to­tal­men­te eco­ló­gi­co e in­de­pen­den­te e que per­mi­te cri­ar uma tem­pe­ra­tu­ra es­ta­bi­li­za­da por to­do o edi­fí­cio.

Pa­ra fi­na­li­zar, e pa­ra aque­les que têm pou­co tem­po, há os sis­te­mas con­ven­ci­o­nais co­mo o ar con­di­ci­o­na­do ou o pi­so ra­di­an­te, tam­bém com di­fe­ren­tes op­ções. Se­ja qual for a sua es­co­lha de­ci­da sem­pre ten­do em con­ta fac­to­res ex­te­ri­o­res da en­vol­ven­te da sua ca­sa e as su­as ne­ces­si­da­des. Não pe­ça a opi­nião ao vi­zi­nho, ao tio e ao pri­mo.

FOTOS: DR

La­rei­ras com aque­ci­men­to a bi­o­e­ta­nol são de gran­de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e, pe­la sua sim­pli­ci­da­de, in­te­gram-se em qual­quer am­bi­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.