Saint-Go­bain pro­põe so­lu­ções Mul­ti Con­for­to pa­ra cli­ma­ti­za­ção

Publico - Imobiliario - - Soluções De Aquecimento -

Con­for­to na uti­li­za­ção e sus­ten­ta­bi­li­da­de na cons­tru­ção e uso são dois ob­je­ti­vos que as in­ter­ven­ções de re­a­bi­li­ta­ção no edi­fi­ca­do de­vem pro­cu­rar con­cre­ti­zar. A Saint-Go­bain, em­pre­sa com uma lon­ga his­tó­ria de 350 anos, pro­põe uma abor­da­gem de ma­xi­mi­za­ção do po­ten­ci­al da en­vol­ven­te dos edi­fí­ci­os atra­vés da apli­ca­ção do con­cei­to Mul­ti-Con­for­to. Es­te con­cei­to pro­mo­ve:

- Con­for­to tér­mi­co com efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, ba­se­a­do no con­tro­le da tem­pe­ra­tu­ra do ar in­te­ri­or, da hu­mi­da­de, da es­tan­qui­da­de ao ar;

- Con­for­to acús­ti­co, ba­se­a­do no con­tro­le de pa­râ­me­tros de efi­ci­ên­cia acús­ti­ca;

- Con­for­to vi­su­al, ba­se­a­do na ma­xi­mi­za­ção das con­di­ções de ilu­mi­na­ção na­tu­ral;

- Qua­li­da­de do ar in­te­ri­or, con­di­ci­o­na­do por pa­râ­me­tros co­mo a re­no­va­ção do ar, con­tro­le de COV’s e da con­cen­tra­ção de CO2;

- Eco­no­mia de cons­tru­ção e uti­li­za­ção.

A in­ter­ven­ção de re­a­bi­li­ta­ção num edi­fí­cio pen­sa­da com ba­se nos cri­té­ri­os Mul­ti- Con­for­to e uti­li­zan­do ma­te­ri­ais de ori­gem Saint-Go­bain re­sul­ta­rá num bai­xo im­pac­to am­bi­en­tal. Quan­do fa­la­mos de sis­te­mas de cli­ma­ti­za­ção, de­ve­mos ter em con­si­de­ra­ção to­dos es­tes as­pe­tos. As con­du­tas Cli­ma­ver são um im­por­tan­te com­po­nen­te de um sis­te­ma de Cli­ma­ti­za­ção Mul­tiCon­for­to, na me­di­da em que:

- per­mi­tem a dis­tri­bui­ção de ar quen­te ou frio sem fu­gas (des­per­dí­ci­os) in­de­se­já­veis;

- adap­tam- se ao pro­je­to de ar­qui­te­tu­ra, tan­to ocul­tas (Cli­ma­ver Ne­to) co­mo apa­ren­tes (Cli­ma­ver De­co);

- re­du­zem a trans­mis­são de ruí­do pro­ve­ni­en­te dos equi­pa­men­tos;

- as­se­gu­ram o cau­dal de ar ne­ces­sá­rio pa­ra man­ter uma ex­ce­len­te qua­li­da­de do ar in­te­ri­or;

- cons­ti­tu­em uma so­lu­ção eco­nó­mi­ca a ní­vel da ins­ta­la­ção, da ope­ra­ção e da ma­nu­ten­ção.

Qu­an­tas ve­zes não so­mos con­fron­ta­dos com o in­có­mo­do ruí­do de sis­te­mas de cli­ma­ti­za­ção? Es­ta si­tu­a­ção é bas­tan­te fre­quen­te em uni­da­des ho­te­lei­ras, es­cri­tó­ri­os, e mes­mo em ca­sas par­ti­cu­la­res. E é tan­to mais in­có­mo­da quan­to mai­or a qua­li­da­de da en­vol­ven­te – ou se­ja, po­de­mos ter uma en­vol­ven­te mui­to bem iso­la­da acus­ti­ca­men­te e ou­vi­re­mos, não os vi­zi­nhos nem o trân­si­to, mas o equi­pa­men­to de ven­ti­la­ção e ar con­di­ci­o­na­do. No en­tan­to, es­ta é uma si­tu­a­ção fá­cil de re­sol­ver com re­cur­so às con­du­tas Cli­ma­ver.

Es­tan­qui­da­de e ven­ti­la­ção

A ta­xa de re­no­va­ção de ar em qual­quer edi­fí­cio é de­ter­mi­na­da pe­lo res­pe­ti­vo vo­lu­me, pe­lo nú­me­ro de ocu­pan­tes e pe­lo ti­po de ati­vi­da­de. Pa­ra edi­fí­ci­os re­si­den­ci­ais, o pro­gra­ma Mul­ti-Con­for­to re­co­men­da 30m3/h por pes­soa.

Pa­ra ga­ran­tir um am­bi­en­te in­ter­no con­tro­la­do (evi­tan­do o im­pac­to in­de­se­já­vel do ex­te­ri­or), de­vem ser evi­ta­das as tro­cas in­de­se­já­veis atra­vés da en­vol­ven­te do edi­fí­cio. A ges­tão efi­caz do ar in­te­ri­or con­tro­la­do só po­de ser con­se­gui­da se a en­vol­ven­te for es­tan­que – ape­nas nes­ta si­tu­a­ção o ar quen­te po­de ser man­ti­do den­tro do pré­dio e o ar frio man­ti­do fo­ra, ou vi­ce-ver­sa.

Os me­lho­res ní­veis de es­tan­qui­da­de ao ar são me­lhor al­can­ça­dos usan­do uma mem­bra­na pa­ra con­tro­lo da per­me­a­bi­li­da­de ao ar e ao va­por na en­vol­ven­te do edi­fí­cio – sis­te­ma Va­rio. On­de es­ta ca­ma­da é in­ter­rom­pi­da (por uma ja­ne­la, por exem­plo), uma fi­ta que faz par­te do sis­te­ma é usa­da na li­ga­ção en­tre a mem­bra­na Va­rio e a ja­ne­la, de for­ma a ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de da es­tan­qui­da­de ao ar, o que de­ve vir de­fi­ni­do des­de a fa­se de pro­je­to.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.