Seg­men­to de lu­xo com di­nâ­mi­ca con­so­li­da­da

Pro­cu­ra pe­lo pro­du­to na­ci­o­nal não está tão de­pen­den­te de fa­to­res con­jun­tu­rais, con­si­de­ram ope­ra­do­res. Investidores por­tu­gue­ses ga­nham pe­so

Publico - Imobiliario - - Casas De Luxo -

O mer­ca­do de lu­xo em Por­tu­gal con­ti­nua a re­gis­tar uma evo­lu­ção con­si­de­ra­da po­si­ti­va, ape­sar de os pró­xi­mos anos po­de­rem fi­car mar­ca­dos pe­la de­sa­ce­le­ra­ção dos pre­ços pra­ti­ca­dos. De acor­do com Ra­fa­el As­cen­so, di­re­tor ge­ral da Por­ta da Fren­te Ch­ris­tie’s, “o mer­ca­do do seg­men­to al­to e mé­dio al­to te­ve um gran­de cres­ci­men­to nos úl­ti­mos anos, cri­an­do uma di­nâ­mi­ca iné­di­ta”.

Na sua opi­nião, “o cres­ci­men­to dos pre­ços que se ve­ri­fi­cou ao lon­go dos úl­ti­mos anos de­veu-se a uma dis­cre­pân­cia mui­to gran­de en­tre a oferta e a pro­cu­ra”. En­tre­tan­to, “o di­na­mis­mo do mer­ca­do fez com que es­se di­fe­ren­ci­al se re­du­zis­se e por is­so não pre­ve­mos que os pre­ços con­ti­nu­em a cres­cer da mes­ma for­ma”. Até por­que, es­cla­re­ce, tal “se­ria con­tra­pro­du­cen­te”, pois o mer­ca­do per­de­ria um dos seus “prin­ci­pais ar­gu­men­tos”: pre­ço por m2 “mais bai­xo que nos mer­ca­dos equi­va­len­tes”. As­sim, pros­se­gue, a va­lo­ri­za­ção pros­se­gui­rá, “mas com ta­xas de cres­ci­men­to mais bai­xas”.

Em ter­mos glo­bais, o seg­men­to de lu­xo re­pre­sen­ta en­tre 6 a 8% do to­tal de tran­sa­ções imo­bi­liá­ri­as re­a­li­za­das em Por­tu­gal. Em 2017 “é pro­vá­vel que o pe­so des­se seg­men­to atin­ja os 10% do to­tal de tran­sa­ções”, es­ti­man­do-se atin­gir um va­lor de cer­ca de 10 mil tran­sa­ções re­a­li­za­das, pa­ra um va­lor global tran­sa­ci­o­na­do aci­ma dos cin­co mil mi­lhões de eu­ros, um cres­ci­men­to en­tre os 20 e 25% em re­la­ção a 2016.

Os nú­me­ros avan­ça­dos por Gus­ta­vo So­a­res, ope­ra­dor com lar­ga ex­pe­ri­ên­cia nes­te seg­men­to, mos­tram que “o seg­men­to de lu­xo está de fac­to con­so­li­da­do e em cres­ci­men­to”, re­ve­lan­do que “não foi ape­nas um fe­nó­me­no con­jun­tu­ral, re­la­ci­o­na­do com os Vis­tos Gold ou com a Pri­ma­ve­ra ára­be, co­mo se pen­sou no pas­sa­do, mas sim com es­co­lhas re­ais e pon­de­ra­das de ci­da­dãos de ou­tros paí­ses que en­con­tra­ram em Por­tu­gal ra­zões pa­ra se ins­ta­la­rem e vi­ve­rem”, con­si­de­ra.

Mer­ca­do em cin­co pon­tos

Cli­ma, se­gu­ran­ça, in­fra­es­tru­tu­ras ao ní­vel do en­si­no e saú­de, ge­nui­ni­da­de das pes­so­as e au­ten­ti­ci­da­de são os cha­ma­dos “Fi­ve Key Points” que Gus­ta­vo So­a­res enu­me­ra co­mo prin­ci­pais fa­to­res de atra­ção do país pa­ra mer­ca­dos co­mo o bri­tâ­ni­co, ir­lan­dês, fran­cês e es­can­di­na­vo. Em 2017, a Por­ta da Fren­te Ch­ris­tie’s tran­sa­ci­o­nou imó­veis a 35 na­ci­o­na­li­da­des di­fe­ren­tes, pe­lo que “é no­tó­ria uma pro­cu­ra ca­da vez mai­or e mais di­ver­sa por Por­tu­gal. Con­tu­do, os bra­si­lei­ros con­ti­nu­am a ser o nos­so mai­or com­pra­dor”.

Aos cin­co ele­men­tos es­tru­tu­rais de pro­cu­ra, Ra­fa­el As­cen­so acres­cen­ta “uma gran­de qua­li­da­de cons­tru­ti­va, mui­to su­pe­ri­or aos dos seus paí­ses de ori­gem, e um pre­ço por m2 mui­to abai­xo das prin­ci­pais cidades eu­ro­pei­as e mun­di­ais”. E “se não hou­ver qual­quer fa­tor ex­ter­no ao mer­ca­do, co­mo al­te­ra­ções na le­gis­la­ção fis­cal que in­ci­da so­bre o imobiliário, os es­tran­gei­ros con­ti­nu­a­rão a in­ves­tir”, re­su­me.

No que res­pei­ta ao com­pra­dor fi­nal, os es­tran­gei­ros, “so­bre­tu­do de ori­gem eu­ro­peia”, “ain­da têm um pe­so sig­ni­fi­ca­ti­vo”, pe­so es­se que au­men­ta “à me­di­da que o pre­ço das pro­pri­e­da­des” sobe, po­den­do “atin­gir os 80%”, re­fe­re Gus­ta­vo So­a­res.

En­tre as zo­nas re­si­den­ci­ais de in­ves­ti­men­to pre­fe­ren­ci­al con­tam-se “a costa de Por­tu­gal, com des­ta­que es­pe­ci­al pa­ra Lis­boa, Al­gar­ve, Li­nha de Cas­cais e Por­to”, apon­ta Gus­ta­vo So­a­res. O cen­tro his­tó­ri­co de Lis­boa, da­da a “vi­vên­cia cos­mo­po­li­ta, que se as­se­me­lha às ou­tras cidades eu­ro­pei­as, a par com um mer­ca­do de re­a­bi­li­ta­ção ca­da vez mais for­te, fa­zem de Lis­boa uma es­co­lha pri­o­ri­tá­ria”, no­ta Ra­fa­el As­cen­so.

Por ou­tro la­do, pa­ra “um pú­bli­co bra­si­lei­ro, Cas­cais é o oá­sis que pro­cu­ram”. Es­te ope­ra­dor no­ta “um cres­cen­te in­te­res­se por Oeiras, de­vi­do à sua ex­ce­len­te lo­ca­li­za­ção, pre­ços mais aces­sí­veis, e igual pro­xi­mi­da­de do mar”. E “es­ta­mos a du­as ou três ho­ras de avião da mai­or par­te dos des­ti­nos eu­ro­peus. Is­so é uma gran­de mais-va­lia pa­ra atrair os eu­ro­peus ao nos­so país”, con­clui.

Pro­je­tos em des­ta­que

Um dos exem­plos ci­ta­dos é o em­pre­en­di­men­to The Cor­don que, du­ran­te a fa­se do pro­je­to até ao ar­ran­que de obra, ti­nha já 42% dos apar­ta­men­tos ven­di­dos. Des­tes, 40% eram de ori­gem na­ci­o­nal, 40% de ori­gem brasileira e 20% de ou­tras na­ci­o­na­li­da­des. Com va­lo­res de co­mer­ci­a­li­za­ção que va­ri­am en­tre os 500 mil e os dois mi­lhões de eu­ros, o The Cor­don é um dos seis pro­je­tos da Ave­nue no cen­tro da ca­pi­tal e o se­gun­do no Chi­a­do, num in­ves­ti­men­to de 13 mi­lhões de eu­ros.

O The Cor­don resulta de um pro­ces­so de re­a­bi­li­ta­ção que vi­sa ho­me­na­ge­ar a he­ran­ça pom­ba­li­na do séc. XVIII ao pre­ser­var a fa­cha­da e prin­ci­pais ele­men­tos ar­qui­te­tó­ni­cos da épo­ca, co­mo as can­ta­ri­as, a co­ber­tu­ra em te­lha ou a azu­le­ja­ria. O se­gun­do pi­so, his­to­ri­ca­men­te con­si­de­ra­do o mais no­bre do edi­fí­cio, está or­na­men­ta­do com fres­cos nas pa­re­des e te­tos, e pai­néis de azu­le­jos de épo­ca que tam­bém fo­ram cui­da­do­sa­men­te re­cu­pe­ra­dos. Os 12 apar­ta­men­tos en­con­tram-se dis­tri­buí­dos por se­te pi­sos, com áre­as en­tre os 60 e os 225m², cu­jas ti­po­lo­gi­as vão do es­tú­dio ao T4 Du­plex.

Num ou­tro âm­bi­to, o em­pre­en­di­men­to Pes­ta­na Tróia Eco-Re­sort & Re­si­den­ces con­cluiu a ven­da de mais de 50% da quin­ta e úl­ti­ma fa­se do pro­je­to. Re­cor­de-se que a úl­ti­ma fa­se, de­sig­na­da Pes­ta­na Eco Vil­la­ge, resulta de um in­ves­ti­men­to de oi­to mi­lhões de eu­ros.

O Pes­ta­na Eco Vil­la­ge in­clui a cons­tru­ção de Pi­ne Vil­las, com va­lo­res de ven­da que co­me­çam nos 425 mil eu­ros, ou a par­tir de 160 mil eu­ros eu­ros atra­vés do sis­te­ma de fra­ci­o­na­do. Es­te per­mi­te que, em co-pro­pri­e­da­de e atra­vés de es­cri­tu­ra ple­na, se­ja pos­sí­vel usu­fruir do imó­vel 15 di­as ca­da dois me­ses. A en­tre­ga de to­das as uni­da­des pre­vê­se pa­ra o ve­rão do pró­xi­mo ano.

A co­mer­ci­a­li­za­ção do Pes­ta­na Tróia Eco-Re­sort & Re­si­den­ces ar­ran­cou há se­te anos. Es­te pro­je­to foi pen­sa­do pa­ra ser de­sen­vol­vi­do em cin­co fa­ses, ao lon­go de dez anos. Na re­a­li­da­de, da­das as con­di­ções atu­ais do mer­ca­do, fi­ca­rá con­cre­ti­za­do em ape­nas oi­to anos, fru­to de um in­ves­ti­men­to to­tal de 80 mi­lhões de eu­ros, pre­ven­do-se que ge­re uma re­cei­ta global na or­dem dos 150 mi­lhões.

Tam­bém nes­te pro­je­to, é de as­si­na­lar que 90% dos investidores são por­tu­gue­ses. Se­gun­do da­dos da Pes­ta­na Ho­tel Group, pro­mo­tor do em­pre­en­di­men­to, na fa­se 1, 37 ca­sas fo­ram ven­di­das em 12 me­ses; na fa­se 2, 34 ca­sas fo­ram ven­di­das em no­ve me­ses; na fa­se 3, 45 ca­sas fo­ram ven­di­das em oi­to me­ses e, na fa­se 4, 65 ca­sas fo­ram ven­di­das em no­ve me­ses. Na pers­pe­ti­va do pro­mo­tor, es­tes re­sul­ta­dos de­vem­se à “apos­ta em avan­çar com es­te pro­je­to em ple­na cri­se, con­se­guir che­gar à sua con­so­li­da­ção, apro­vei­tan­do tam­bém o bo­om do imobiliário”.

DR

The Cor­don, em Lis­boa, ti­nha 42% dos apar­ta­men­tos ven­di­dos no ar­ran­que da obra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.